Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Inundações na Emilia-Romagna, eis as primeiras medidas do governo – Crônica

Inundações na Emilia-Romagna, eis as primeiras medidas do governo – Crônica

Mais de 100 milhões de euros. Depois de um dia de discussões em nível político e técnico entre os ministérios e o Palazzo Sigi, o governo chegou a este ponto do decreto que prepara a emergência causada pelas inundações na Emilia Romagna. Um pacote que começa com cobertura ainda é limitado: conforme revelou o vice-ministro da Economia, Maurício Leo, o governo estuda novas loterias e o produto dos carros apreendidos do crime organizado. Esses recursos serão usados ​​para garantir alívio imediato, como antecipou Georgia Meloni durante a experiência em alguns centros afetados. Além disso, o governo garante que terá uma série de medidas para lidar com a Fase 1, que não incluirá a nomeação de um comissário.

Mau tempo, famílias em Conselis continuam sem água

A fase 2 já está sendo contemplada, mas quando o saldo dos prejuízos, que já se estima na casa dos bilhões, estiver claro, as medidas relacionadas à reabilitação começarão a tomar forma. Por isso, como aconteceu com o terremoto que atingiu a mesma terra há onze anos, será feito um pedido – talvez já nas próximas horas – em todas as possibilidades de acesso ao Fundo Europeu de Solidariedade: a título comparativo, 670 milhões com 12 bilhões em danos. Após a união dos líderes no G7, ele recebeu o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que expressou sua proximidade e ofereceu “o apoio do governo israelense às vítimas e danos causados ​​pelas enchentes”, disse o Palazzo Sigi. .

Inundações na Emilia-Romagna, quase 5 mil intervenções dos bombeiros

Antecipando-se ao já anunciado CDM na sexta-feira, cada um dos vários ministros em causa levou uma peça do puzzle do mandato para a reunião convocada para as 11 horas. No final, deve valer cinco vezes os rumores de 20 milhões. Fim de semana. O estado de emergência, já previsto para 4 de maio, deveria ser prorrogado por uma dotação inicial de 10 milhões após episódios de mau tempo no início do mês. O número de municípios envolvidos já deve passar de uma centena. Para essas áreas, os pagamentos de impostos e segurança social serão suspensos até outubro ou novembro. Os processos administrativos serão suspensos enquanto esforços serão feitos para garantir a continuidade do ensino. Também estamos trabalhando no refinanciamento do Fundo Nacional de Emergência, o FEN. “As províncias estão pedindo apenas 200 milhões imediatamente para estradas provinciais. Vamos tentar fazer todo o possível”, assegurou Matteo Salvini, Vice-Primeiro Ministro e Ministro de Infraestrutura.

A moratória das hipotecas privadas não deveria constar do decreto, mas deveria constar do acordo com a API. Entre as hipóteses da tabela estão demissões em empresas impedidas pelo mau tempo. “Pedir – sublinha o Fiom-Cgil da Emilia Romagna – deve ser entendido como dever moral das instituições”. O ministro da Empresa e do Made in Italy, Adolfo Urso, considera que o pacote inclui “sobretudo a implementação do fundo de garantia, que a nosso ver deve ser o máximo permitido pelas regras da UE em matéria de auxílios estatais”. Entre as empresas mais afetadas estão as agropecuárias. Como explicou o proprietário da Agricultura, Francesco Lolloprigida, o seu ministério “buscou todos os recursos disponíveis, encontrámos recursos de pelo menos 100 milhões de euros para fazer face a estas situações. No entanto, são necessários valores muito diferentes”. O governador Stefano Bonacini pediu um reembolso de 100%. “Estamos tentando encontrar recursos, estamos fazendo o nosso melhor”, disse Leo. Em estudo está a dispensa do trabalho para servidores públicos, e a possibilidade de repor provas de concursos públicos para candidatos residentes em municípios alagados.

No entanto, considerando a Fase 2, o ministério do meio ambiente em um documento preliminar propõe uma alocação de INR 2,5 bilhões para os anos de 2024, 2025 e 2026 para planos de intervenção de três anos a serem adotados pelas autoridades distritais de bacias hidrográficas até 30 de junho. Até à data, 7 distritos de bacias hidrográficas desenvolveram apenas planos anuais de emergência, uma vez que os fundos não são disponibilizados durante três anos. E é isso que os tecnólogos chamam de “política de vulnerabilidade da redução do risco hidrogeológico”. No entanto, não parece que uma proposta – neste momento – deva ser seguida de medidas operacionais.

READ  "Chuvas fortes" começam até o próximo verão. Fim da seca? Vamos ver isso

Ouça o podcast do diretor