Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ilaria Salles e Orbán veem Meloni: agirei por um tratamento justo – Notícias

Ilaria Salles e Orbán veem Meloni: agirei por um tratamento justo – Notícias

“Contei detalhadamente o caso de Ilaria Salles” à primeira-ministra Giorgia Meloni. “Eu disse-lhe que o poder judicial não depende do governo, mas do Parlamento. A única coisa que tenho o direito de fazer é fornecer detalhes sobre o seu tratamento 'na prisão' e exercer a sua influência para que receba um tratamento justo.” Foi o que disse o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban. Ele acrescentou: “Todos os direitos serão garantidos”. Orban explicou que o prisioneiro italiano “conseguia fazer chamadas telefónicas e não estava isolado do mundo: não é verdade dizer isso”.

Para saber mais ANSA Meloni-Urban frente a frente, uma cimeira crucial para Roma O primeiro-ministro olha para von der Leyen. Salvini se distancia: “Não votarei nela”

De qualquer forma, Ilaria Salles não pode regressar imediatamente a Itália, mas a sua transferência para prisão domiciliária em Budapeste é o primeiro passo para poder sair da Hungria, graças às regras europeias. A estratégia do governo para resolver o caso do milanês de 39 anos segue o duplo caminho da diplomacia e das normas internacionais. Mas o caminho não será fácil. Isto é confirmado pela declaração de Zoltan Kovacs, porta-voz do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán: “Os crimes em questão são graves, tanto na Hungria como a nível internacional. As medidas tomadas no processo são exigidas por lei e adequadas para a gravidade dos crimes.” Acusação do crime cometido.” Kovacs, que questiona a “credibilidade” de Ilaria Salles, afirma que nas prisões húngaras “são servidas três refeições por dia” e, além disso, “são realizados exames de saúde constantes e os presos recebem cuidados médicos adequados. ”
Mas algo mudou, depois da tempestade política que eclodiu devido às fotos dela algemada e algemada durante as sessões de julgamento, e a visita da Procuradora Pública húngara Ilaria à prisão para verificar as suas condições.
Os próprios pais puderam conhecê-la. “Começamos a ver alguma luz”, comenta o pai um tanto aliviado, Roberto Salles, que se sente “moderadamente otimista”.. O homem regressou de Budapeste à noite e, ao chegar ao aeroporto Orio al Serio, disse ter visto a filha “um pouco exausta” durante a sessão. O homem também respondeu brevemente a Matteo Salvini, desejando-lhe que a sua filha tivesse “um décimo dos valores morais da minha filha”, e ao porta-voz húngaro Kovacs, dizendo que “há factos que vão além das palavras”.
Mas, enquanto aguardamos resultados concretos após a activação dos canais pela Farnesina, será necessário, no plano jurídico, avançar passo a passo: os juízes húngaros – que motivaram a sua decisão sobre o “risco de fuga” – já rejeitaram a sua decisão sobre o “risco de fuga”. Por três vezes (nos últimos junho, setembro e novembro) pedidos de transferência de Ilaria Salles para prisão domiciliar na Itália foram apresentados pelos advogados do homem de 39 anos. Na ausência de uma condenação definitiva, “não existe nenhuma convenção internacional ou qualquer outro instrumento que permita a implementação de medidas cautelares do tipo prisional no país de origem”, confirma a subsecretária de Justiça Andrea Ostellari no Comitê de Justiça: por esta razão a aplicação pode ser reconsiderado. – Ele só é avaliado após aplicação preventiva de prisão domiciliar na Hungria, com base em decisão de juízes. “Assim que a medida cautelar for substituída por outra menos arriscada – explica o subsecretário – tomaremos medidas para reconhecê-la e implementá-la na Itália”. Neste caso, haverá uma base regulamentar que o Ministério tem na gaveta há semanas: a Decisão-Quadro do Conselho Europeu para o reconhecimento mútuo entre Estados-membros de decisões sobre medidas alternativas à prisão preventiva. “Este é o único instrumento existente”, confirma Ostellari. O primeiro passo deste plano poderia, portanto, ser um pedido dos advogados de Salis aos juízes para concederem prisão domiciliária ao seu cliente na Hungria, esperando que Ilaria possa então servi-los no seu país.
“Aguardamos das instituições o momento em que esse pedido deverá ser apresentado”, explica Roberto Salles, pai de Ilaria, lembrando que tudo se move em um delicado emaranhado composto por relações diplomáticas e táticas jurídicas. Se o plano não se concretizar, a alternativa continua a ser um apelo imediato ao Tribunal Europeu em Estrasburgo “por violação do artigo 3.º da Convenção Europeia dos Direitos Humanos, que já custou outras sanções à Hungria”, afirma o advogado. Eugenio Losco, que atualmente define esta escolha como “uma possibilidade a ser avaliada”.
Entretanto, o guarda-focas Nordeu reuniu-se recentemente com o conselho do Fiador Nacional dos Prisioneiros, que também reportará ao Comité para a Prevenção da Tortura do Conselho da Europa. O caso também está previsto para chegar a Estrasburgo na tarde de segunda-feira, onde deverá ser discutido no plenário da Câmara Europeia. A história repercutiu na mesma instituição onde está detido o professor milanês, acusado pelos juízes de agredir dois militantes de extrema direita. “Seus colegas de cela a chamavam de Joana D'Arc, talvez porque ela conseguia coisas que eles não conseguiam”, diz seu pai, Roberto Salles, que “também recebe alguns bons sinais da prisão, onde sua condição melhorou”. “
O Embaixador italiano também nos contou sobre o encontro com o Ministro da Justiça húngaro. “E penso – conclui o pai de Ilaria – que todos estão caminhando na direção certa”.

READ  Eleições polacas, coligação Tusk obtém 53,7%

“Os crimes em questão são graves, tanto na Hungria como a nível internacional. As medidas tomadas no processo são exigidas por lei e proporcionais à gravidade da acusação do crime cometido.” Zoltan Kovacs, porta-voz de Viktor Orbán, escreveu isto no X sobre o caso Ilaria Salles. “A credibilidade de Ilaria Salles é altamente questionável, como evidenciado, entre outras coisas, pelas falsas declarações que ela fez sobre sua educação, situação familiar e relações pessoais, que posteriormente foram consideradas falsas”, acrescentou.

“Os meios de comunicação de esquerda e grupos de direitos humanos lançaram um ataque coordenado à Hungria” com o objectivo de “destruir as boas relações políticas” entre Budapeste e Roma “no caso de três cidadãos estrangeiros acusados ​​de ataques organizados a alegados simpatizantes da extrema direita”. Lemos num memorando do governo húngaro, assinado pelo porta-voz de Viktor Orbán, que traça a história de Ilaria Salis, Tobias Edelhof e Anna-Cristina Mehowald.

Memorial Ilaria: “Fui tratado como um monstro”

Sou tratado como um monstro acorrentado: “Sofri picadas de percevejos durante três meses.”“Há muito pouco ar, apenas o que é filtrado pelo spincino.” Estes são alguns clipes do memorial Ilaria Salles escreveu com sua própria letra e enviou ao consulado italiano no dia 2 de outubro para ser enviado ao seu advogado italianoque Tg La7 mostrou isso com exclusividade esta noite.

O texto, que descreve uma situação caracterizada por condições sanitárias precárias e desnutrição, foi escrito quando Ilaria Salles estava presa há oito meses e ainda não teve oportunidade de falar com seu advogado italiano. “Os advogados húngaros – diz a mulher entre outras coisas sobre o seu caso – dizem que nada pode ser feito”.

Reprodução © Direitos Autorais ANSA