Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Há três anos procuro meu filho por toda a Europa. Ele está preso vivo” – ​​Corriere.it

“Há três anos procuro meu filho por toda a Europa. Ele está preso vivo” – ​​Corriere.it

Todos os sofrimentos Roberta Sua última postagem diz: “Há três anos passo noites no sofá e quando fecho a porta a única pergunta é sempre: Onde você vai dormir esta noite?”. Ela dorme no sofá desde o desaparecimento de Alessandro Venturelli e não está mais no quarto. Lá ele passou suas últimas noites abraçando o filho de 21 anos, dilacerado por uma agonia misteriosa que só lhe trouxe lágrimas. Até que ele perdeu a noção. Três anos se passaram, mas Roberta não deixou de esperar por ele “porque ele está vivo, mas guardado em algum lugar contra sua vontade”.

Depois de três anos, o que resta?
“Uma raiva incrível pelo que não foi feito”. Bati em todas as portas. Finalmente, o Comissário para Pessoas Desaparecidas diz que não pode fazer nada enquanto as investigações estão em andamento. Mas, além da verificação de alguns relatos, não houve investigação.

A remoção voluntária é comentada há meses.
“Esse foi o primeiro grande erro. Conversamos imediatamente sobre o desconforto do meu filho, o medo dele, ele dormiu comigo, só para chorar. Estava claro que algo estava errado. Mas eles prontamente o rebaixaram para demissão voluntária. Não havia posto de controle e eles não viram as câmeras que capturaram Alessandro e as pessoas que ele conheceu.

No entanto, o arquivo de confisco foi aberto.
“Sim, mas depois de quatro meses. Depois de 4 meses eles viram o telefone que o Alessandro deixou em casa e tentei usá-lo para entender o que tinha dentro. O advogado que guarda o arquivo nunca mencionou que nunca me ouviu. A única coisa que eles querem fazer é arquivar. Tentei uma vez e agora estão tentando novamente.

READ  Cremonese - Monza, por parte das posses da seção Brianzoli: Mota Carvalho na seção 'Particolare' do botão Cota no portfólio da Stroppa

É possível que nada seja feito?
“Só a busca pelo corpo foi feita com seriedade. Eles procuram Alessandro, mas encontram o corpo de uma mulher desaparecida há dez anos.

Você também pesquisou na Holanda. porque lá
“Porque vimos pelo telefone que ele havia pesquisado um lugar na Holanda e tinha as coordenadas. Meu marido e eu estivemos lá três vezes, a última vez em abril. Pedi ajuda à polícia holandesa e à embaixada, mas lá descobri que não havia nada que pudessem fazer porque não havia nenhum mandado de investigação europeu que deveria ter vindo de Itália. Então tivemos que fazer nós mesmos as investigações: em albergues, em centros do tipo caritas, conversando com a população local. enfrenta custos significativos”.

O que incomodou Alexandre?
“Não entendemos. Tudo começou depois daquele trabalho numa empresa que vendia máquinas de café de porta em porta. Ele nos contou que saiu depois de uma semana. A partir daquele momento ele não era mais o mesmo: era chateado, ele dormiu comigo, ele chorou. Ele disse que se sentiu manipulado. Ele Com quem ele negociou no trabalho? Quem ele conheceu? A empresa fechou depois de dez dias. Por que ninguém investigou?

Você não perdeu a esperança?
– Não, embora à s vezes eu pense que estou louco. Durante três anos não fui ao centro de Sassuolo porque não queria ver ninguém. Voltamos a trabalhar (Roberta é técnica de laboratório num hospital, o marido trabalha na Maserati, Ed.) mas a nossa não é mais vida.”

por favor
“A história da pobre Giulia partiu meu coração, então mandei uma mensagem para o pai dela. Mas a história também nos diz que precisamos agir imediatamente. Falar sobre remoção voluntária muitas vezes ajuda a lavar as mãos. Até mesmo Giulia foi inicialmente informada sobre a mudança, até mesmo diante das câmeras. As fotos fizeram a diferença. É exatamente o que tenho ouvido há três anos.