Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Guerra Russo-Ucraniana, a Polônia voa seus aviões para a base americana na Alemanha: “Destinado a Kiev”. Mas os Estados Unidos: “surpresos”

Parece um movimento dos EUA para reforçar a defesa aérea Ucrânia. Na realidade, porém, é uma decisão PolôniaQuem anunciou que quer transferir sua propriedade Antigos MiG-29 Na base dos EUA em Ramstein, Alemanha Estados Unidos da América Dizem que não sabem de nada. mesmo um Washington Eles dizem que estão “surpresos”. “No meu conhecimento, Eles nunca nos consultaramO subsecretário de Estado dos EUA anunciou, Victoria Noland, em audiência no Senado. “Acho que foi um anúncio surpreendente dos poloneses”, acrescentou. Embora a premissa desta solução há alguns dias fosse o mesmo secretário de Estado dos EUA. Mas vamos em ordem.

Foi notícia do transporte de aeronaves de fabricação russa – pilotos ucranianos foram treinados para pilotar esse tipo específico de aeronave – o site Político, falando inclusive de um “acordo” assinado pelos Estados Unidos e Polônia. A notícia foi confirmada pouco depois pelo ministro das Relações Exteriores polonês em um comunicado publicado no site oficial do ministério. A Polônia, após consultas entre o presidente polonês e o governo, “está pronta para enviar todos os seus combatentes imediatamente e gratuitamente”. MiG 29 Na Base Aérea de Ramstein e colocá-los lá Fornecido pelo governo dos Estados Unidos da AméricaEm troca, Varsóvia exige que Washington “forneça aeronaves usadas com as correspondentes capacidades operacionais. A Polônia está pronta para criar imediatamente condições para a compra de aeronaves”. que a ação polonesa está ligada a “uma declaração emitida pelo Secretário de Estado dos Estados Unidos sobre o fornecimento de aeronaves à Ucrânia”. Anthony Blinken Ele disse que os Estados Unidos estão “estudando ativamente a questão das aeronaves que a Polônia poderia enviar para a Ucrânia”. Uma frase que imediatamente provocou uma reação de Moscou, que ele ameaçou considerar.envolvido num conflito armado“Todos os países que mais tarde forneceriam as bases ou aviões que a Ucrânia usou. Matthews Moraveki Para especificar que ele não enviará aeronaves militares para a Ucrânia. Agora, porém, Varsóvia parece ter mudado de ideia.

READ  O último delírio de Santoro. "Guerra na Ucrânia? Biden deve parar"

Aparentemente foi o primeiro-ministro britânico que intermediou esta solução durante o dia Boris Johnson. Protagonista de uma cimeira à tarde com os líderes dos países da Europa de Leste do grupo de Visegrad (República Checa, Eslováquia, Hungria e sobretudo Polónia) na vanguarda da trincheira da fronteira oriental OTAN com Moscou. Os líderes convocaram às pressas para Lancaster House Londres, em busca de uma caixa com a estratégia de aumentar o apoio “defensivo” à Ucrânia, que vem sendo acirrada nos últimos dias pelo governo democrata de Joe Biden e pelo governo Johnson. Resultado da cimeira – ironicamente confiado ao homem do Brexit, em nome da recém-descoberta relação especial entre Washington E a LondresEnquanto quatro países participam da União Europeia – ele não se limitou às declarações oficiais pelas quais os quatro convidados (polacos Matthews MoravekiHúngaro Viktor Orban Pedro Vialaeslovaco Edward Heeger) sobre a necessidade de intensificar ainda mais Pressão das sanções sobre a Rússia Em resposta às “ações bárbaras” atribuídas ao czar do Kremlin. Logo após o anúncio do sinal verde para Varsóvia para mim Transfira “imediatamente e sem custo” Dos MiG-29 a uma base americana na Alemanha, conforme anunciado pelo Ministério das Relações Exteriores da Polônia: segundo muitos, este parece ser um passo que anuncia a entrega subsequente de aeronaves (não totalmente novas) para Kiev. Uma espécie de triangulação, organizada pelos Estados Unidos, para proteger a Polônia de possíveis represálias russas.

A Rússia até agora não conseguiu controlar o espaço aéreo ucraniano, mas o Kremlin tem uma força aérea esmagadora que, se totalmente mobilizada, poderia eliminar a aviação ucraniana. O Ministério da Defesa russo, que afirma ter destruído “praticamente todas as forças aéreas” em Kiev, já alertou que qualquer país que hospede aeronaves militares ucranianas participará do conflito: “Sabemos que existem algumas aeronaves de combate na Romênia e outros países vizinhos. E queremos enfatizar que o futuro do uso dessas aeronaves contra as forças armadas russas Pode-se considerar o envolvimento desses países no conflito armado“. Agora precisamos entender duas coisas. Primeiro: a “surpresa” americana impede a triangulação de aviões com destino a Kiev? E segundo: como Moscou reagirá?

READ  A guerra ucraniano-russa, Di Maio: "Mais e mais sanções até que Putin pare"