Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Guerra direta da Ucrânia. Em Washington, as primeiras dúvidas sobre o contra-ataque de Kyiv. Kremenchug, sem sobreviventes

Nenhum sobrevivente foi encontrado no shopping em Kremenchug, no centro da Ucrânia, que foi atingido por mísseis disparados pelo Exército da República da Ucrânia. Presidente russo Vladimir Putin última segunda-feira. Entre os civis que faziam compras havia pelo menos 20 mortos, mas havia rumores de que outros 40 estavam desaparecidos. A propaganda russa, com a prática estabelecida sempre seguindo o mesmo cenário, inicialmente negou tudo, e depois alegou que havia realmente atingido um depósito de munição. Segundo o presidente ucraniano Zelensky, “o ataque dos russos é um ataque terrorista”. Foi anunciada sua participação na reunião do Conselho de Segurança da ONU que convocou o massacre de civis no shopping ucraniano. Ontem à noite veio a condenação de seis membros (EUA, Reino Unido, França, Noruega, Irlanda e Albânia). Segundo o arcebispo de Kyiv, este é um dos maiores “ataques terroristas na Europa nas últimas décadas”. O número de outro ataque em Kharkiv também é grave: nove mortos e 29 feridos, incluindo cinco crianças. Ontem, as forças russas dispararam mais seis mísseis contra o Dnipro: a infraestrutura ferroviária, uma estação de serviço e uma planta industrial foram destruídas. Mesmo em Mykolaiv, no sul, os moradores da noite passada foram solicitados a não deixar os abrigos devido aos constantes bombardeios russos.

OTAN e Turquia levantam seu veto: Ok para Finlândia e Suécia

A Ucrânia insiste que o Ocidente envie novas armas, mas Washington suspeita que Kyiv tenha uma chance de retomar toda a região. Segundo a CNN, alguns funcionários da Casa Branca estão “perdendo a confiança de que a Ucrânia pode recuperar todo o território perdido em quatro meses de guerra com a Rússia, mesmo com as armas mais pesadas e avançadas que os Estados Unidos e seus aliados estão se preparando para enviar”. A rede norte-americana informou que os assessores do presidente Joe Biden “começaram a debater internamente sobre como e se o presidente Zelensky deveria ajustar sua definição de vitória, adaptando-se à perspectiva de encolher irreversivelmente seu país”. Portanto, é inevitável que algumas concessões territoriais oficiais sejam feitas à Rússia para acabar com a guerra, mas “é possível até o final do ano recuperar algumas partes dos territórios perdidos”. Segundo a inteligência britânica, nos últimos dias os russos intensificaram seus ataques com mísseis de longo alcance “projetados para atingir alvos de importância estratégica”.

READ  COVID-19, aumento de infecções em Mykonos: o toque de recolher retorna na ilha grega até 26 de julho. Não há música em bares, restaurantes e discotecas

Ameaças

Ontem, o Kremlin deixou claro que a guerra não termina a menos que Kyiv se renda. Mikhailo Podolak, conselheiro de Zelensky, respondeu: “A Ucrânia não começou esta guerra, mas não a terminará cumprindo uma ordem. Aqueles em Moscou podem acabar com a guerra a qualquer momento, simplesmente retornando à razoabilidade: parando o disparo de mísseis em nossas cidades, retirando tropas e abandonando a propaganda nuclear. ” De fato, a propaganda e a máquina de ameaças de Moscou são infatigáveis. Medvedev, vice-presidente da o Conselho de Ministros, alertou a Segurança na Federação Russa, que se um país da OTAN atacar a Crimeia (o que é realmente inimaginável) “a terceira guerra mundial vai estourar”.

© Reprodução reservada