Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Futuras pensões ‘infectadas’ pelo Covid-19 – Lavoce.info

A crise causada pela pandemia não afetou as pensões existentes. No entanto, teve e continua afetando o mercado de trabalho, o que pode prejudicar significativamente o desempenho futuro dos trabalhadores de hoje. Cálculos em Pesquisa da OCDE.

A epidemia e as pensões futuras

A crise causada pelo Covid-19 teve um impacto significativo no mercado de trabalho, o que afetará as perspectivas de aposentadoria e a renda da aposentadoria.

Os rendimentos dos aposentados são geralmente protegidos durante as recessões. Na verdade, não depende do mercado de trabalho, exceto por um possível índice salarial que raramente é aplicado. Por outro lado, a situação é diferente para quem está trabalhando ou entrando no mercado de trabalho em fase de recessão.

Múltiplas políticas de apoio à economia, como subsídios, trabalho inteligente, redução da jornada de trabalho e, em geral, todas as ferramentas destinadas a preservar empregos, significam que o emprego caiu muito abaixo do PIB. Na Itália , Taxa de emprego A média anual caiu 2% em 2020, enquanto Conta A queda foi de 8,9%. No entanto, as aposentadorias futuras sofrerão os efeitos da recessão relacionada à pandemia, mesmo com essas políticas de proteção ao emprego em vigor. puro Intervenções Aqueles que permitirem o adiamento das contribuições previdenciárias por alguns meses e reduzirem ou eliminarem temporariamente as multas por pagamentos atrasados ​​não poderão proteger totalmente os rendimentos dos futuros pensionistas.

Riscos de trabalho intermitentes

o relatório Uma visão geral das pensões 2021 Da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) apresenta algumas estatísticas interessantes sobre as probabilidades de reforma dos trabalhadores que tiveram uma ocupação esporádica baseada em subscrições, nomeadamente devido a longos períodos de desemprego. Esses dados podem nos oferecer uma chave para entender as consequências da pandemia para as aposentadorias futuras.

READ  Milhares dizem adeus ao trabalho inteligente: servidores públicos voltam aos escritórios

Como pode ser visto na Figura 1, os trabalhadores masculinos com salário médio e cinco anos de afastamento do mercado de trabalho por motivo de desemprego receberão uma pensão igual a 94% do salário do trabalhador em tempo integral.

O resultado varia muito entre os 38 países da OCDE: os trabalhadores australianos são os mais atingidos: com cinco anos de desemprego, sua pensão é de 87,7% da pensão de um trabalhador em tempo integral. Por outro lado, não há cortes em Portugal. Na Itália, o benefício de um trabalhador que permanece desempregado por cinco anos é de 91,7% do correspondente a uma ocupação contínua. As repercussões se somam a uma dispensa de dez anos: a aposentadoria equivale a 73,4% daquela obtida em uma ocupação ininterrupta.

E os mais punidos são os jovens: muitos deles trabalhavam nos setores mais atingidos, como hotéis e restaurantes, geralmente com contratos a prazo, que absorveram a maior parte da estagnação do emprego durante a pandemia. Além disso, as dificuldades de inserção no mercado de trabalho aumentaram. Até o final de 2020, quando o nível geral de emprego melhorou, o número de trabalhadores de 15 a 24 anos permaneceu 10% menor. Em comparação com o ano anterior. Além disso, os contratos precários não lhes permitiam receber benefícios de desemprego em alguns casos.

As dificuldades do mercado de trabalho durante a crise económica traduzem-se em atrasos no trabalho e rendimentos mais baixos para os trabalhadores jovens, resultando numa perda persistente de rendimentos ao longo da vida.

Como mostra a Figura 2, comparando o salário médio e o trabalhador em pleno funcionamento que entra no mercado de trabalho aos 22 anos, indivíduos que começam a trabalhar dois anos depois e ganham 30, 20 e 10 por cento depois. Menos nos primeiros três anos de emprego, eles receberão 96% de seus benefícios de pensão de regimes obrigatórios durante todo o período de aposentadoria. O país mais atingido é o Chile, onde a aposentadoria de um trabalhador que entra tarde na força de trabalho é 92% da de um trabalhador em tempo integral. Em Itália, a pensão de reforma equivale a 95% da pensão de um trabalhador que ingressa no mundo do trabalho aos 22 anos.

READ  Quem terá que devolver contribuições

Se os atrasos na entrada estiverem associados a períodos de desemprego, a redução dos rendimentos de reforma futura é maior.

Penal ou contribuinte: muda ligeiramente

A redução das anuidades futuras independe do método específico de cálculo do benefício utilizado.

No sistema salarial, o cálculo da pensão tende a ser baseado na situação do mercado de trabalho no momento da aposentadoria, levando em consideração os salários recebidos durante todo ou parte da ocupação. O fraco crescimento dos salários médios, como o crescimento registrado em 2020 (-0,1% na média da OCDE), afeta o valor dos benefícios futuros. Uma possível resposta discutida no relatório seria restabelecer as pensões salariais, tanto para vincular os benefícios de aposentadoria ao mercado de trabalho durante a aposentadoria quanto para contrabalançar o efeito da redução dos salários médios ao deixar o mundo do trabalho. A maioria dos países da OCDE não usa esse mecanismo e já o aboliu nos últimos anos.

Usar o método de contribuição não é uma solução. Com efeito, a lacuna contributiva para quem sofreu interrupção de carreira ou atraso na entrada no mundo do trabalho devido à crise terá impacto no cálculo dos futuros benefícios de aposentadoria.

À medida que a crise da pandemia desaparece, os governos terão que lidar com esses problemas e fortalecer os mecanismos de solidariedade intergeracional, que estão interrompendo a longa onda de recessão do Covid-19.

O áudio pertence a todos: apoie-o!

O Lavoce.info não hospeda anúncios e, ao contrário de muitos outros sites de notícias, o acesso aos nossos artigos é totalmente gratuito. O compromisso dos editores é voluntário, mas as doações são necessárias para custear os custos do nosso site. Sua contribuição aumentará nossa independência e nos ajudará a melhorar nossa exibição de informações gratuita, profissional e gratuita. Obrigado pela ajuda!

READ  Reino Unido: Abraço para a abertura, na fila dos bares pela manhã

Alessandra Casarico

Alessandra Casarico é Professora de Finanças na Universidade Bocconi. Ele também é pesquisador no CESifo em Munique e no Dondena Research Center on Social and Public Policy Dynamics. Ele é membro do Conselho Consultivo Científico do Instituto Ifo em Munique e do Comitê de Gênero da Associação de Economistas Italianos. Ele é PhD em Economia pela Universidade de Oxford. Os seus interesses de investigação centram-se na economia do género e na economia pública. Publicou em revistas científicas internacionais de renome e é autora de livros com editoras locais e internacionais. Ela é ativa no debate acadêmico e político na Itália e no exterior sobre a questão do emprego feminino e as políticas que podem apoiá-lo.

Marika Vol

Progiavini Graduado em Economia de Negócios e Mercados pela Universidade Católica do Sagrado Coração de Milão com tese em Finanças sobre Comparação de Gastos Públicos em Educação e Previdência. Atualmente mestranda em economia pela mesma universidade. Assistente de pesquisa em lavoce.info.