Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Estávamos na estreia mundial do novo programa de Robert Wilson, ‘Pessoa – Since You’re Me’: surpreende, perturba, cativa e encanta

Estávamos na estreia mundial do novo programa de Robert Wilson, ‘Pessoa – Since You’re Me’: surpreende, perturba, cativa e encanta

A estreia mundial que chegará em 2025 ao Théâtre de la Ville de Paris como o projeto “Atriz e Ator Europeu” nascido por Marco Giorgetti e Emanuele Demarcy Motta


Outra obra-prima. A discussão pode terminar aqui. Mas precisa de explicação. Ou pelo menos tente usar as palavras que nos restam. Porque é um show “Pessoa – desde que você era eu” Para o grande diretor americano Roberto Wilson, No Teatro della Pergola de Florença até 12 de maio, Você sai com a sensação de que nada pode expressar verdadeiramente o que foi tão perfeitamente representado no palco. A estreia mundial que chegará em 2025 ao Théâtre de la Cité de Paris como o projeto “Atriz e Ator Europeu” nascido por Marco Giorgetti e Emanuele Demarci Motta. ““Desde que eu era você”inspirado em parte de ““Livro Insônia” Do poeta português Fernanda Pessoa, surpreende, perturba, sequestra, encanta, dá. É como uma viagem de montanha-russa entre alegria e tristeza, quietude e movimento, imobilidade e ação, som e silêncio, singularidade e multiplicidade: uma viagem à realidade do sonho e à falta de confiabilidade do tangível. quem somos nós? Quem fomos e quem seremos? O novo trabalho de Bob Wilson meio século depois Revolução do cravo Que restaurou a democracia em Portugal após anos de ditadura, é uma homenagem a Pessoa e às suas muitas facetas e personalidades. O poeta português escreveu com nomes diferentes: não pseudónimos, mas pseudónimos.

“São os múltiplos eus do poeta que dão vida.”“Desde que eu era você” Como num prisma no qual se refletem diferentes personagens. “Existem muitas personalidades em você, em mim e em todos nós”, explica o próprio Wilson. Eles entram e saem do palco sem dar um passo e, de repente, permanecem imóveis, iluminados ou escuros. Alguém está rindo. E naquela risada, e no aguaceiro repentino, no barulho dos vidros se quebrando, na sirene do navio, no tique-taque da máquina de escrever, eles recomeçam a viver. Ou permanecem nas sombras como divertidas estatuetas de papelão, heróis do passado que nos fazem sorrir agora.

READ  La Liga Portugal lança 'Football Thinking Summit' com Thiago Pinto e Rui Costa

O artista, que também é compositor de cenografia e iluminação excepcionais, ajudou a dirigir Charles Shemin, com dramaturgia de Daryl Pinckney e figurinos de Jacques Reno, optou por homenagear Pessoa com uma produção de classe mundial. O projecto é produzido pelo Teatro della Pergola de Florença e pelo Teatro Municipal de Paris e co-produzido pelo Teatro del Friuli Venezia Giulia, pelo Teatro Stabili de Bolzano, pelo Teatro Municipal de São Luís de Lisboa e pelo Festival Automne de Paris em colaboração. Com Les Théâtres de la Ville no Luxemburgo, reúne atores de diferentes países e origens culturais. São eles María de Medeiros (Pessoa), Aline Belepí, Rodrigo Ferreira, Klaus Martini, Sofía Mensi, Gianfranco Bodegi, Janina Suado, artistas de forte talento que trabalham em quatro idiomas: o português. Inglês, francês e italiano (com legendas). Por que? “éEle era um homem composto de muitas “pessoas” diferentes.Ele era português e cresceu na África do Sul. Como todos nós, “Estava cheio de tantos personagens.”O diretor revela.

A primeira imagem é um barquinho de papel fluindo em uma linha imaginária, como os que fizemos na escola. É o riso de uma criança que, preso na voz de um adulto, se tornará um ritmo, uma espécie de começo que se repete. mas A exposição vai sendo construída aos poucos, frase por frase, imagem por imagem. As palavras fluem primeiro por si mesmas, depois são enriquecidas com outras partes e, finalmente, aperfeiçoadas na tentativa de compreender alguma verdade. “Afinal, o que é um ser humano senão um inseto zumbindo no vidro da janela”, diz parte do texto.

Não há respostas. Porém, as questões que surgem durante o espetáculo parecem estar a apenas um passo de serem respondidas. mas não. Os gestos dos atores param repentinamente, o espaço em movimento torna-se estático como na imagem e o som para. As perguntas saltam do palco para o público e vice-versa, abrindo-se para reflexões sobre a vida, a morte, o amor, a identidade, a verdade, a imaginação, Deus, a memória. “Minha alma quebrou como um recipiente vazio… “Sou uma chuva de lascas em um esfregão que deve ser sacudido”, cantavam os atores em diferentes línguas.Uma lasca, transformada a partir do seu exterior brilhante, brilha entre as estrelas. prático? Minha alma principal? minha vida? Fortemente.” “Wilson é tão sensível quanto Pessoa à realidade dos sonhos e à falta de confiabilidade do tangível“Emoções e sensações são segredos”, explica o dramaturgo Darrell Pinckney. A força da imaginação poética de Pessoa reside na sua vontade de escrever e de continuar a escrever apesar de todas as dúvidas. “Capturar a essência da relação do espírito humano com o mundo material é a voz da sua busca”, diz ele.

READ  Veneza: Coriales lidera Penélope Cruz. "Digo minha infância tranquila" - Culture & Shows

Na dança e canto final em roupas de marinheiro, algo como um show de variedades, as vozes dos personagens voltam a ser únicas. feliz. A cena mais atraente foi ver as sete figuras diante de uma mesa: elas falavam por sua vez, mas depois suas vozes em diferentes idiomas se sobrepunham para formar um som unificado que era tão poderoso quanto incompreensível. É como voltar ao início do show. Pela risada de criança que Pessoa diz ter depois de tirar a máscara. Então use-o novamente. “Se você não consegue rir, não trabalhe no teatro. De alguma forma, você tem que rir.”“, finaliza Bob Wilson.