Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

É possível que a dívida pública diminua.  Caso de sucesso: Portugal.  É por isso que ele pode ser um exemplo para nós

É possível que a dívida pública diminua. Caso de sucesso: Portugal. É por isso que ele pode ser um exemplo para nós

Os autores do memorando são Carlo Cottarelli e Leoluca Vergadamo

A relação entre a dívida pública e o PIB em Itália aumentou nos últimos dez anos em cerca de cinco pontos percentuaisIsto deve-se à crise da Covid, e os planos do governo italiano não prevêem uma diminuição significativa em comparação com o nível actual de 140 por cento. Este não foi o caso de todos os 20 países da zona euro: Esta percentagem deverá diminuir entre 2015 e 2024 em onze países, embora em dezenas de pontos percentuais (Tabela 1).

Portanto, a redução da dívida é possível, e também é possível para países com um rácio dívida/PIB muito elevado. Isto também aconteceu no passado: como demonstrado em trabalhos anteriores do Observatório Italiano de Contas Públicas sobre reduções da dívida nas décadas anteriores à Covid, o que é necessário é uma combinação de crescimento económico sustentado e a acumulação de grandes excedentes primários. Adiando uma análise mais ampla do que aconteceu nos últimos dez anos na área do euro para um trabalho posterior, esta nota trata do caso de Portugal, cujo rácio da dívida há dez anos não estava muito longe do rácio da dívida de Itália nessa altura.

Dinâmica da dívida

Em 2015, o rácio da dívida pública em relação ao PIB em Portugal era de cerca de 130%. (Quadro 1). o que aconteceu depois disso? As dívidas diminuem rapidamente de 2016 a 2019. Após o inevitável aumento em 2020-2021, devido à crise Doença do coronavírusO declínio recomeça e o rácio dívida/PIB esperado para 2024 é de cerca de 100,3 por cento, com expectativas de um declínio adicional para 97,2 por cento em 2025.

Quais são os determinantes deste declínio? Recordemos a equação central na análise da dinâmica da dívida:

Isto implica que, num determinado ano, a variação do rácio dívida/PIB é igual ao saldo primário negativo página (Receitas menos despesas líquidas de despesas com juros) mais a relação dívida/PIB do ano anterior (D_(R-1)) Dimensionado pelo fator ((ig))/(1+g).

O segundo elemento da equação é o chamado “efeito bola de neve”, ou seja, a acumulação de dívida (em relação ao PIB) porque a taxa de juro excede a taxa de crescimento da economia. O terceiro elemento é o chamado ajustamento do fluxo de existências, que é um factor residual resultante de vários elementos, por exemplo, as diferenças contabilísticas entre o défice de caixa (que afecta a dívida) e o défice acumulado (que é relatado nas estatísticas do défice).

A Tabela 2 mostra os três determinantes da variação da dívida em Portugal e, pelo contrário, em Itália.

Desde 2015, com exceção do período Covid, quando as dívidas aumentaram, o saldo primário de Portugal tem sido positivo (Portanto com um impacto negativo na dinâmica da dívida), em média cerca de 2% do PIB, em comparação com 0,3% do PIB em Itália. Se excluirmos 2015, ano das eleições que testemunharam uma vitória Da costa (Ele continua no cargo até hoje), e o excedente primário de 2017 é corrigido para recapitalizar os bancos através da emissão de títulos do governo (um puro exercício contabilístico pontual), o excedente primário médio (novamente excluindo o período da Covid) sobe para 2,6% do PIB. produto Interno Bruto.

Há também uma clara diferença entre o efeito “bola de neve” português e italiano. Portugal beneficia de taxas de juro inferiores à taxa de crescimento da economia desde 2016, com um spread negativo (ig) para todo o período, exceto para 2020. Em Itália (ig) é positivo para toda a primeira metade do período.

no fim, Modificar fluxo de estoque É, em média, próximo de zero para Portugal (pouco menos de 0,2 por cento), enquanto para Itália é elevado e negativo (-0,7 por cento) devido às enormes despesas para construir bónus, que enfraqueceram o excedente primário, embora tivessem um grande excedente. Impacto na dívida apenas nos próximos anos. Por outras palavras, a dinâmica da dívida italiana a partir de 2020 ainda não reflecte a conta total que teremos de pagar por esses bónus. Tudo isto significa que o orçamento total da administração pública de Portugal em 2023 e 2024 é excedentário (receitas totais menos despesas totais) de 0,8 e 0,1 por cento do PIB, respetivamente, enquanto o orçamento italiano permanece num forte défice (5,3 e 4,4 por cento do PIB). ).

Vontade política para reduzir a dívida

A redução da dívida portuguesa reflecte, portanto, fortes excedentes primários e uma dinâmica favorável dos spreads (ig). No entanto, esta última foi determinada, pelo menos em parte, pela credibilidade da estratégia económica aplicada em Portugal. Qual foi essa estratégia?

Portugal beneficiou de fortes taxas de crescimento, que nunca estiveram abaixo dos 2 por centoA partir de 2015 (Figura 2). Portugal começou com um rendimento per capita muito inferior ao de Itália, pelo que podemos esperar um maior crescimento. No entanto, este maior crescimento também foi alcançado graças às reformas estruturais implementadas durante o período do programa com o apoio dos recursos do FMI e do Mecanismo Europeu de Estabilidade, especialmente na primeira parte da última década.

Entre estas reformas estão as reformas do mercado de trabalho, a educação, a simplificação da burocracia e, finalmente, as reformas destinadas a aumentar a concorrência económica. A combinação destas reformas criou um ambiente mais favorável aos negócios, conforme destacado pelo índice “Ease of Doing Business” do Banco Mundial (Figura 3).

O crescimento do país que acompanhou as reformas empreendidas tornou isso possível Aumento das receitas, mas este aumento não leva a um aumento proporcional nas despesasrecebidos através de programas de revisão de gastos (Figura 4).

Esta combinação de reformas estruturais, crescimento e contenção de despesas deu credibilidade ao governo português. Facilitar um menor custo da dívida (juros) para o país (Figuras 5 e 6).

Até agora, a estratégia de Portugal deu frutos e a dívida diminuiu. Nem todos os problemas de Portugal foram resolvidos através de reformas estruturais e a trajetória futura do crescimento e da dívida depende da implementação de novas reformas. No entanto, os resultados obtidos até agora são importantes e confirmam que a redução do rácio entre a dívida pública e o PIB em proporções significativas é possível e requer não só reformas estruturais e crescimento, mas também o desejo de melhorar o excedente primário, para atingir níveis 2 -3. Um exemplo que os governos italianos, atuais e futuros, deveriam ter em mente.

READ  Maserati GranCabrio Folgore: elétrico e aberto