Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Discutimos sustentabilidade, LEA, Covid e temporalidade

Discutimos sustentabilidade, LEA, Covid e temporalidade

em um quadro Reunião de Rimini A mesa redonda foi realizada sob o tema “Saúde para Todos: Um Sistema com Data Final?” Com o objetivo de discutir a sustentabilidade do sistema nacional de saúde.

Reunião de 2023: Sustentabilidade, LEA, Covid e temporalidade discutidas

Reunião de Rimini: um momento da mesa redonda “Saúde para todos: um sistema com prazo de validade?”


A reunião, que contou com a participação de Giorgio Bordin (Chefe de Medicina e Pessoa), Rafael Donini (Coordenador do Comité de Saúde da Conferência das Regiões), Fabio Pamoli (Professor de Economia e Gestão do Politécnico de Milão) e Riccardo Zagaria (CEO do DOC Generici), descrevem as características que um sistema de saúde deve ter: sustentável, amigável, prestativo, solidário e prioritário. Tudo, quem coloca o paciente no centro, quem quer que seja.

O ministro da Saúde, Orazio Schellaci, também quis participar da mesa redonda e enviou mensagem para comentar os temas abordados.

A população italiana está envelhecendo cada vez mais rápido: De acordo com dados do Istat referentes a 2021, aproximadamente uma em cada quatro (23,5%) pessoas tem 65 anos ou mais, e o número deverá subir para 34,9% em 2050. Baixa taxa de natalidade e elevada esperança de vida, que no ano de 2070 poderia atingir 86,5 anos para os homens e 89,5 anos para as mulheres.

Esta mudança demográfica evidencia novas necessidades não só de apoio social, mas também de políticas de saúde que possam satisfazer as necessidades deste segmento crescente da população.

O aspecto mais específico das necessidades de saúde dos idosos éO acúmulo contínuo de doenças crônicasGlobalmente, mais de metade da população com mais de 60 anos sofre de mais do que uma condição crónica (morbilidade múltipla), e a prevalência da polifarmácia, ou seja, o uso crónico de pelo menos 5 medicamentos por dia, também está a aumentar.

É também por isso que o NHS precisa de um O financiamento certo, contar com profissionais bem treinados e suficientemente motivados, capazes de garantir que todos recebam atendimento e tratamento nos horários determinados pela necessidade, emergência, condições agudas e crônicas. Um serviço de saúde que procura concretizar o direito dos seus cidadãos à saúde sem hesitações.

Um dos elementos essenciais para a sustentabilidade do sistema de saúde – afirma Riccardo Zagaria, Diretor Geral do DOC Generici – prende-se com a vertente económica: o envelhecimento da população e o consequente aumento do consumo de medicamentos afetam o bolso dos cidadãos. e no sistema de saúde.

O DOC sempre esteve na vanguarda da formação – e continua a estar – com o objectivo de aumentar uma cultura de saúde que seja economicamente sustentável também, através da utilização de medicamentos genéricos, que, pelo seu menor custo, favorecem uma maior adesão aos medicamentos prescritos. terapia medicamentosa..

Neste sentido, os dados mais recentes indicam Relatório Osmed A publicação que acaba de ser publicada mostra que em Itália, em 2022, mais de 6 em cada 10 cidadãos receberam pelo menos uma receita de medicamentos. Observou-se um crescimento do gasto e do consumo per capita com a idade.

Em particular, a população com mais de 64 anos absorveu mais de 60% dos gastos e das doses. Na categoria sénior, o gasto médio por utilizador foi de 556 euros (601,5 para os homens e 520,8 para as mulheres). Quase todos os residentes (98,4%) receberam pelo menos uma receita durante o ano.

Um aspecto que pode ajudar a atingir esses objetivos é o uso de medicamentos genéricos. Segundo a Agência Italiana de Medicamentos, um medicamento genérico é definido como: Um medicamento, além de conter a mesma quantidade de princípio ativo na sua composição, também apresenta bioequivalência, conforme demonstrado por estudos de biodisponibilidade adequados, com outro medicamento de referência (denominado “de marca”, “designer” ou “de marca”). . medicamento). registrada”) com uma patente expirada.

A Itália ocupa o terceiro lugar em comparação com a Áustria, Bélgica, Alemanha, Grã-Bretanha, França, Polónia, Portugal, Suécia e Espanha, tanto em termos de gastos como de consumo de medicamentos genéricos.

Em particular, a proporção de despesas com genéricos nos países analisados ​​é de 43,4%, contra a despesa média regional com genéricos nos países analisados ​​de 47,6% (média da UE: 48,3%) e varia entre 34,7% na Bélgica e 68,6% na Polónia. . O consumo varia de 50,6% na Bélgica a 81,8% na Grã-Bretanha e 54,9% na Itália.

A questão que temos de pensar, à luz do crescente gasto total em medicamentos – continua Riccardo Zagaria – é como garantir que os medicamentos, cada vez mais indispensáveis ​​na nossa sociedade, possam permanecer disponíveis e acessíveis de forma homogénea no próximos anos.

Nesse sentido, é necessário – como sublinha – garantir a sustentabilidade do sistema de produção de medicamentos, aumentar os gastos com medicamentos, ajustar o teto de gastos para compras diretas e rever integralmente os fluxos de distribuição direta e distribuição por conta, com o objetivo de alcançar a unificação. a nível nacional.

O serviço de saúde, que foi e ainda está firmemente baseado nos princípios da universalidade, justiça e igualdade – como afirma a carta enviada pelo Ministro da Saúde Orazio Schellaci – necessita de um forte tratamento revitalizante, que há muito foi adiado. O objetivo é Torne nosso SSN mais atraentefunciona em duas alavancas: econômica, com Melhores salários para os operadores Cuidados de saúde e revisão regulatória de um modelo que não está funcionando como deveria.

Um dos principais impulsionadores dos cuidados de saúde no futuro – continua o texto – é a digitalização. Estou a pensar na telemedicina, que está numa fase avançada, que desempenha um papel fundamental na promoção de cuidados de saúde próximos ou no registo de saúde electrónico que está finalmente em fase operacional.

Trabalhamos em conjunto com causas, associações e parceiros sociais – conclui Schellaci – para cuidados de saúde de médio porte, repensando a medicina geral mais próxima das pessoas e mais inovadora.

READ  Telepass, podemos finalmente dizer adeus a ele: você não precisa mais dar seu dinheiro a ele | Um presente para todos os italianos