Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Cristiano Ronaldo finalizou e arrastou Portugal para baixo.  Vamos traçar o triste declínio de Cr7 (que líder ele nunca foi) – MOW

Cristiano Ronaldo finalizou e arrastou Portugal para baixo. Vamos traçar o triste declínio de Cr7 (que líder ele nunca foi) – MOW

Triste e sozinho. Qual é a final? Você deveria perguntar a ele, Cristiano Ronaldo. E talvez também à Federação Portuguesa de Futebol, e ao seleccionador da selecção portuguesa, o espanhol Roberto Martinez. Talvez possam começar a esclarecer qual lado é o culpado pelo caos do Campeonato Europeu na Alemanha: uma equipe que foi forçada a jogar o torneio inteiro com dez jogadores porque um onze inicial teve que ser nomeado, como que por ordem divina. Certo, ao “ex-campeão”. Um peso de luxo sendo puxado pelo estádio como um carro alegórico metafórico no carnaval de Viareggio. Durante trinta e nove anos ele jogou e demonstrou vividamente neste campo, praticamente postumamente em vida

MApesar disso, e apesar da sua óbvia inadequação para competir a níveis tão elevados, CR7 Ele esteve em campo cinco das cinco partidas, com apenas uma substituição (contra a Geórgia), 0 gols no torneio pela primeira vez na carreira (será que ele adicionará esse recorde à lista também?), um pênalti perdido contra a Eslovênia na prorrogação e uma barragem. As cobranças de falta habituais da entrada da área são lançadas no canto ou contra a parede do adversário. Um verdadeiro abuso de posição dominante. Acima de tudo, há uma clara e completa falta de liderança. Porque um verdadeiro líder desfruta do bem coletivo incorporado no coração; Então ele também sabe quando renunciar.

Em vez de CR7, líderNunca foi assim. Ele estava sempre pensando apenas em si mesmo, nos recordes pessoais, nas poses do craque que jogaria em campo e até nas expressões faciais que exibia para a câmera (inclusive as lágrimas), sabendo muito bem que em cada partida havia pelo menos uma câmera fixa nele. Enquanto ele estava no seu melhor, ele ajudou seu time a ganhar alguma coisa. Mas agora que a idade está a cobrar o seu preço, e a habituação ao clima competitivo de um torneio de plástico como o Campeonato Saudita está a tornar a situação competitiva já em declínio ainda mais enferrujada, o antigo rapaz da Madeira é simplesmente o homem extra. Para oponentes.

READ  Acompanhe a Juventus ao vivo

éTorná-lo presença permanente em um torneio do mais alto nível competitivo foi um crime imperdoável. À custa da seleção portuguesa, mas também à custa dele próprio Cristiano Ronaldo; E se ele for verdadeiramente incapaz de manter a sua imagem de grandeza devido à degradação que é, então ele deve ser ajudado (forçado?) a fazê-lo. O ex-técnico Fernando Santos, que o colocou no banco para o Catar 2022, tentou porque ainda assim, há um ano e meio, o considerava já não apto para estes escalões. Eles o trataram como um idiota e o expulsaram após sua eliminação nas quartas de final contra o Marrocos. Talvez agora alguém lhe dê crédito.

paraAs notícias após a eliminação afirmaram que CR7 foi o primeiro a deixar o grupo. Há muita pressa para sair de férias com ele Geórgia. Na véspera da expedição à Alemanha anunciou que esta seria a sua última europeu. Meia mensagem. Porque era esperado que ele também anunciasse seu compromisso definitivo com a seleção nacional e, portanto, também seu abandono da Copa do Mundo de 2026, quando o primeiro fenômeno completaria 41 anos. Mas não, houve silêncio absoluto nesta frente. Isto significa que a partir de Setembro, quando a selecção portuguesa terá de enfrentar a dobradinha da UEFA Nations League, frente à Croácia e à Escócia, voltaremos à estaca zero.

A Federação Portuguesa de Futebol e o treinador ainda têm de gerir a carga. Com enormes danos a uma geração de talentos como a de Portugal nunca viu antes, correm o risco de não ganhar nada, pois são forçados a jogar regularmente com um a menos. Na verdade, para ser mais preciso, esta geração ganhou algo: o Campeonato Europeu de 2016, em solo francês, seus rivais históricos. No final da final a equipa venceu sem Cristiano Ronaldo em campo, que saiu quase de imediato por lesão, decidido num remate ignorante da chuteira de Eder. Isso é história, não fofoca.

READ  A vitória nunca para: outro ouro europeu