Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Crise da Itália de longe – Postado por Guido Puccio

Crise da Itália de longe – Postado por Guido Puccio

A Alemanha vive um período de recessão técnica (dois trimestres com sinal negativo) enquanto nós estamos, como se diz no jargão, “alongando”. O governador Vesco confirmou isso na semana passada e, acima de tudo, na pesquisa do Istat. Na verdade, esse boom se deve em grande parte ao retorno do turismo às condições pré-vírus. E é melhor assim, ainda que não esqueçamos a célebre frase de Shakespeare: “Cuidado, nem tudo que reluz é ouro” (Mercador de Veneza).

Como sempre, devemos sempre olhar para a realidade com sobriedade, sem ceder à euforia por estarmos fazendo melhor do que a Alemanha ou questionar ciências tristes. O primeiro aspecto a considerar é o curto prazo. A segunda é estrutural.

No curto prazo, deve-se ter em mente que a manufatura italiana começa a sentir os efeitos da desaceleração alemã, da qual dependemos para trinta por cento de nossas importações e exportações. A produção de automóveis caiu para quatrocentos mil por ano quando éramos mais de um milhão.Como sabemos, a indústria automobilística é ampla e importante: desde uma metalúrgica que produz componentes até a indústria pesada.

Depois, há o quadro da transição fiscal, um quadro cada vez mais incerto entre a redução dos impostos retidos na folha de pagamento e a introdução do falso imposto único. Na maioria governista, o partido mais relevante é a primeira solução, enquanto seus aliados insistem na taxa fixa exigida com címbalos e tambores em meio a promessas eleitorais. Seria impossível fazer as duas soluções ao mesmo tempo como observou o governador Visco com dados em mãos na semana passada.

Por último, ainda a curto prazo, ficam as consequências da guerra em curso na fronteira oriental e o abrandamento da economia chinesa que tem de lidar com o desemprego juvenil e sobretudo com o “retorno” das empresas que se deslocaram para a suposta fábrica do mundo e agora estão voltando para casa.

READ  Inflação e taxas, mercados aguardando as mensagens de Powell e Lagarde e o status do banco italiano BTP

Depois, há os habituais problemas estruturais: a dívida elevada, o Pacto de Estabilidade Europeu que voltará mais cedo ou mais tarde, os investimentos de meia-dívida que o PNRR prevê e o fundo MESS que será ratificado se quisermos manter a Europa conectada.

A dívida pública está atualmente resiliente com expectativas de ser contida no longo prazo, apesar dos 80 bilhões extras gerados apenas por juros afetando os gastos correntes. O acordo de estabilização ainda está em discussão, e desta vez foi agravado pelo fato de que desta vez não estaremos sozinhos com a Grécia e Portugal entre os últimos dos países mais problemáticos, mas também há a França, e não apenas este , que rompeu com a dívida atual. gastando.

A ratificação do MESS dentro de alguns dias fará com que nosso Parlamento peça uma decisão. Quanto ao PNR, a nossa incapacidade de planear, organizar e concretizar os investimentos voltou a evidenciar-se pela aparente falta de profissionalismo suficiente.

Recorda-se um desabafo que nunca esqueceu do ministro Giovanni Marcora, que na altura, perante a impossibilidade de utilizar os fundos europeus para prevenir incêndios e proceder à reflorestação da Calábria, ameaçou atribuir estes postos de trabalho a rapazes da ex-Alemanha de Leste ( RDA). ).

Mesmo que a Itália seja mais longa e complexa, a realidade não parece muito diferente.

Guido Puccio