Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ciência da história

Ciência da história

Marco La Rosa é um especialista em comunicação científica que escreveu um livro chamado Narrative Neuroscience. Com o subtítulo Reading Stories in the Age of Neuroscience and Artificial Intelligence (publicado pela Hoepli, 255 páginas, 24,90€).

O livro é um artigo aprofundado sobre O significado das histórias, como elas são escritas, lidas e interpretadas e como a percepção do escritor e do leitor está interligada. Começa por analisar o funcionamento da mente, o papel da percepção sensorial e das emoções, bem como o papel da aprendizagem e das capacidades analíticas, introduzindo o conceito de narratologia que é precisamente a base do estudo das histórias e da forma como são construídas. E sofisticado.

La Rosa dá um passo adiante ao falar sobre isso A narração cognitiva é a aplicação de informações científicas ao papel desempenhado pela narraçãoÀ relação específica que surge entre o leitor individual e a história, até que a narração se torne uma ferramenta de inferência, com impacto real no conhecimento e na percepção da realidade, e isso não se limita apenas à narração escrita, mas inclui em todos os contextos e todos os meios de comunicação.

Cada um de nós, diz o autor, é um produto não só dos nossos genes, mas também da nossa cultura e conhecimento, e sublinha como a aplicação de técnicas científicas para analisar a percepção de uma história pode ser rastreada até ao que realmente existe. Foi definido como darwinismo literário. A neuronarratologia leva à análise empírica e científica, embora ainda não totalmente decifrada, da capacidade da história e da narrativa de envolver o leitor não apenas no nível do pensamento, mas também no nível das emoções para compreender o que são, tanto quanto possível. As dinâmicas que geram engajamento e, consequentemente, o sucesso da históriaseja um livro ou um anúncio (e aqui a mente vai para Vance Packard, o jornalista e crítico de sociologia que já em 1957 escreveu um livro com o título em italiano “The Mysterious Persuaders”, no qual ele realmente descreveu técnicas para manipular a mensagem que aproveitava o subconsciente humano, nomeadamente técnicas (que posteriormente foram banidas).

READ  "Almoço no Museu": A Invibes organiza um evento cultural exclusivo para seus clientes no Museu Nacional de Ciência e Tecnologia Leonardo da Vinci. Exibe atualizações de sua apresentação

Para alertar especificamente o leitor, La Rosa aborda o tema enfatizando que é aconselhável, por um lado, ter cuidado e não confundir a aplicação de princípios científicos com a aplicação de tendências que são sugeridas como resultado de pesquisas, mas são não. (neuropop) Por outro lado, veja o impacto real que isso tem A inteligência artificial (actualmente) sublinha como a sua utilização, que pode ser eficaz em determinados contextos, ainda não é capaz de substituir o trabalho criativo de escritores, jornalistas ou criadores de conteúdos porque é vítima da planicidade conformista. O que agora torna impossível para ele alcançar as capacidades da mente humana. No entanto, isso não exclui que em breve começaremos a encontrar conteúdos onde será determinado se são escritos por inteligência artificial ou criados por uma mente humana.

Aplicação de teorias

Depois de analisar o cenário, o autor entra em ação aprofundando-se nos métodos de aplicação do método científico à narração de histórias, e o faz por meio de uma série de entrevistas que são habilmente inseridas no texto principal para Pierguido Izzi, especialista em segurança cibernética, professor e musicólogo da Universidade Paolo Cattaneo, Alberto Casadi, professor de literatura italiana na Universidade de Pisa, Mario Forlan, fundador do City Angels, Paolo Borzaccello, especialista em inteligência linguística, e Luisella Battaglia, fundadora e diretora do o Instituto Italiano de Ciência. Bioética.

O que você pode perguntar ao ChatGPT? Baixe o guia 2023: dicas de uso, exemplos e opiniões

Aí entra o papel da dopamina e do hipocampo e a importância da ferramenta narrativa metafórica, que o autor considera extremamente importante, assim como é importante a estrutura narrativa, que não busca mais um contexto ideal, mas se volta para a construção de um fio de a história. Isso transita de momentos negativos para positivos, criando engajamento e emoção no leitor. Isto ocorre através da aplicação de técnicas narrativas muito específicas. Pense nas reviravoltas ou momentos de suspense que vivemos quando assistimos a um filme, por exemplo, ou na experiência que temos quando olhamos para uma obra de arte, uma experiência que, se descoberto cientificamente, mostra como as dinâmicas de interesse diferem. A atração é maior se for uma obra clássica, por exemplo uma pintura representando pessoas, ou uma obra abstrata. Naturalmente, o autor lembra que o corpo deste conhecimento também pode ser usado, por um lado, para explorar o poder na narração de histórias em contextos clínicos e, por outro lado, para criar uma comunicação manipulativa, explorando, por exemplo, preconceitos cognitivos, preconceitos cognitivos. Gerando o que hoje é conhecido como notícias falsas.

READ  Ciência para todos: como saber se um ovo está cozido sem abri-lo

O livro representa uma ferramenta eficaz e completa para aprender sobre as dinâmicas, técnicas e possibilidades da comunicação em suas diversas formas, contar histórias em suas perversões e poder aplicá-las à comunicação de todos os tipos e para todos os fins possíveis.

@Todos os direitos reservados