Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ataque de carro blindado, comando implacável baleado na rua – Sardenha

Por Vincenzo Garofalo

Às 8h, no km 170 da Statale 131 “Carlo Felice”, a principal artéria rodoviária de quatro pistas da Sardenha, o inferno começou. Na direção de Cagliari, na província de Sassari, pouco antes do entroncamento de Chiao, um comando de cerca de dez bandidos atacou um carro blindado da empresa Vigilpol. Os criminosos espalharam pregos no asfalto e atrás de uma pequena curva bloquearam a estrada com uma carrinha diária e um panda. Eles atearam fogo nos dois veículos. Eles param um caminhão na contramão, ameaçam o motorista com uma arma e forçam o veículo a desviar para bloquear a estrada. Diante dos bandidos, o carro blindado do Instituto de Segurança acelera e tenta furar o bloqueio, sem sucesso. O comando, armado até os dentes, cobre a van de balas e começa a atirar.

Dois dos três guardas dentro da van sofreram ferimentos por estilhaços nas pernas. Eram o motorista, Sandro Casul, 38 anos, e o delegado Piero Bota, 51 anos. Um terceiro permanece milagrosamente ileso. Porém, os três conseguem se salvar, enquanto os assaltantes, com a ajuda de um rebolo, arrombam a porta e põem as mãos nos embrulhos com o dinheiro. Sua operação é interrompida pela chegada dos Carabinieri do Esquadrão Heliporto de Caçadores da Sardenha. Há um tiroteio com o exército. O comando foge em dois carros, abandonando grande parte do saque em um carro blindado. Uma mulher de 30 anos também foi baleada na mão. Ela não tinha relação com o roubo e encontrou seu carro preso a poucos metros do local do ataque.

Tudo isso em meio a dezenas de carros estacionados na 131, enfileirados, e dezenas de testemunhas filmando as cenas com celulares. Os feridos foram levados para o Hospital Santissima Annunziata em Sassari, onde sua condição não é crítica. Horas depois, dois carros usados ​​pelos assaltantes para escapar foram encontrados em chamas na floresta Pathe Salikes, na província de Nuru, não muito longe de onde ocorreu o ataque. Uma caçada humana está sendo desencadeada em toda a região enquanto todas as forças policiais estão envolvidas em postos de controle e buscas. Os Carabinieri do comando provincial de Sassari estão investigando, mas até o final da noite não havia vestígios dos culpados.

READ  Ex-greve de Ilva em Toronto, cara a cara com trabalhadores da oposição anti-Morcelli. A luta vai para Roma

“Nossos veículos blindados são à prova de Kalashnikov, os bandidos devem ter usado armas militares”, explicou o proprietário da Vigilpol, Giovanni Bugioni. A quantidade exata de pilhagem, a formação do comando e a rota de fuga não são conhecidas, pois as investigações estão ocorrendo em sigilo absoluto.