Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ansio, uma briga na escola entre alunos de 13 anos.  Chutes e socos e insultos racistas, uma mulher com o nariz quebrado – Corriere.it

Ansio, uma briga na escola entre alunos de 13 anos. Chutes e socos e insultos racistas, uma mulher com o nariz quebrado – Corriere.it

A partir de Maria Eccia Fiacetti

Durante uma partida de ginástica, surgiu uma disputa quando o professor foi buscar a bola. Os outros camaradas podem ter se envolvido em uma disputa entre os dois estudantes, e eles intervieram e os separaram. Denúncia por lesão agravada por racismo

Briga entre meninos de 13 anos na escola durante a ciência da aptidão, no Giovanni Falcon Extensive Institute em Anzio. Uma das meninas envolvidas, que sofreu uma fratura do septo nasal com prognóstico de 25 dias, teria sido assediada por alguns companheiros e insultada como “M …. a da Argentina”. Tendo regressado recentemente à Itália após um período no estrangeiro, o jovem teria continuado a ser alvo e a família teria pedido a intervenção da escola. Os pais reclamaram com Anzio carabinieri sobre lesões causadas por discriminação e racismo. O caso será tratado pelo Ministério Público. De acordo com as evidências coletadas pela equipe médica do Departamento de Emergência dos Hospitais Unidos da Estância Costeira em Roma A briga teria eclodido antes do início da ação do jogo quando o professor de educação física foi pegar a bola. Nesses momentos, os dois alunos, que já haviam brigado no passado por brigas e desentendimentos, começaram a discutir animadamente. Os dois aliados intervieram e, além de encerrar a luta, eles próprios se envolveram em polêmicas..

Chutes, socos e socos voaram, e um deles recebeu um golpe – posteriormente diagnosticado no hospital – causando uma fratura do septo nasal. 25 dias com previsão. Outros disseram que tiveram ferimentos leves e se curariam em poucos dias. Relatórios médicos foram entregues à polícia. Ao chegar ao pronto-socorro FamíliasO hospital é administrado com pistas separadas para evitar que meninos de 13 anos continuem lutando, Apelaram pela ausência do professor durante o ataqueA história é que a escola deve agora abrir uma investigação interna. Nenhuma declaração vazou da empresa detalhadaA administração da escola não estava disponível então Correio Tentei entrar em contato com ela. A secretaria regional da escola, notificada pelo Ministério da Educação, solicitou à escola um relatório sobre o ocorrido.

READ  Portugal reforça os controles de fronteira com outros países da UE

A Asl Roma 6, uma empresa de saúde sediada em um hospital que cuida de meninas, diz estar “profundamente triste com a história trágica”.No mesmo dia, na segunda-feira, ainda mais depois da conferência “Escolas na Rede – Contra a Violência e a Discriminação de Gênero” realizada no Altobrandini Staples em Frascott.

13 de abril de 2022 (alteração de 13 de abril de 2022 | 17h55)