Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Aeolus, um retorno controlado do satélite Windcatcher

Aeolus, um retorno controlado do satélite Windcatcher

Sua missão será concluída no verão com o retorno ordenado à Terra do – o primeiro de seu tipo – o Aeolus wind trapper, um satélite lançado pela Agência Espacial Europeia (ESA) em 2018 para melhorar a precisão das previsões meteorológicas com o instrumento Aladin. (Atmospheric LAser Doppler INstrument), construído nas fábricas de Leonardo em Campi Bisenzio e Pomezia.

Depois de ultrapassar em 18 meses os três anos predeterminados em órbita, o satélite de 1.360 quilos ficou sem combustível: no dia 30 de abril encerrou oficialmente as operações e agora se prepara para voltar com segurança ao oceano, minimizando os riscos
Fragmentos caindo no continente. “Os detalhes exatos da aproximação de reentrada e a série de manobras e operações, bem como um cronograma mais detalhado, serão anunciados em meados de junho: por enquanto, podemos esperar que estejamos mirando no melhor corredor oceânico para reentrada”, explica o Diretor da Expedição, Tommaso Parinello.

Após cinco anos de ciência produzindo dados empolgantes, nos últimos meses Aeolus teve que consumir mais combustível do que o esperado para permanecer em órbita devido à intensa atividade solar que engrossa sua atmosfera.
Nas próximas semanas, o satélite diminuirá naturalmente de 320 para 280 quilômetros de altitude. Em seguida, os operadores do Centro de Controle de Missão da Agência Espacial Européia (ESA) em Darmstadt, Alemanha, gradualmente o levarão a 150 quilômetros da superfície da Terra. Aeolus então queimará até cerca de 80 quilômetros.

Como as áreas povoadas constituem uma porcentagem relativamente pequena da superfície da Terra, a chance de voltar a causar danos é muito baixa. No entanto, os engenheiros consideraram cuidadosamente a melhor forma de posicionar o Aeolus para garantir que ele retorne ao oceano aberto, minimizando o risco de queda de detritos na Terra. A data exata de retorno varia de acordo com a atividade solar, mas provavelmente acontecerá antes do final de agosto.
O instrumento Aladdin já foi colocado em um modo especial que permitirá, durante a fase de reentrada, coletar dados científicos úteis para a próxima missão Aeolus 2.

READ  Madame Curie, a “Rainha da Radioatividade” que mudou a ciência no século XX