Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

50 anos de comércio livre com a União Europeia

A Suíça assinou um acordo de livre comércio com a Comunidade Econômica Européia (CEE) em 22 de julho de 1972, que alguns comentaristas identificaram como um “marco”. O Centro de Pesquisa Dodis (Documentos Diplomáticos Suíços) comemora o cinquentenário do evento e confirma que a questão institucional era de fato interessante na época.

O primeiro passo
“A perspectiva da primeira ampliação da Comunidade Econômica Européia ficou clara em 1969 com o veto da França à adesão da Grã-Bretanha”, explica Sacha Zala, diretor do Centro, em um arquivo especial publicado hoje. Bruxelas inicia conversações para criar ligações especiais com os então “não candidatos” à Comunidade Económica Europeia, ou seja, os países da Associação Europeia de Comércio Livre (Áustria, Finlândia, Islândia, Portugal, Suécia e Suíça).

Meta
O objetivo é evitar a divisão econômica da Europa Ocidental, mas os negociadores estão se movendo em águas desconhecidas, diz Dodis. Do lado suíço, vê-se uma “gama de soluções possíveis”, desde um “resultado próximo da adesão” a um “tratado comercial normal”. O principal negociador suíço, Paul Jules, diretor da divisão de comércio do Departamento Federal de Assuntos Econômicos, resume a tarefa à sua frente da seguinte forma: “O problema mais difícil será, sem dúvida, a regulação da participação institucional da Suíça no processo de integração” . Cinquenta anos depois, essa análise ainda é relevante, observa Dodds.

Sem integração política
Em 22 de julho de 1972, o Chanceler Federal Radical Ernst Brueger assinou um acordo “que não prevê qualquer participação na integração política da Europa”. No entanto, o acordo isenta mais de 90% das exportações suíças para a Comunidade Económica Europeia dos direitos aduaneiros e estabelece as regras de concorrência. Dodis explica que a Suíça, para pressionar a Comunidade Econômica Européia durante as negociações, recorreu ao argumento de uma possível rejeição em votação popular. O Conselho Federal submeteu o TLC a um referendo obrigatório, argumentando que isso impulsionaria a cooperação europeia no longo prazo. “Um desenvolvimento irreversível”, segundo o chanceler socialista federal Hans-Peter Tschudi.

READ  De Nápoles em Val di Sol a Fiorentina em Val di Fassa, 5 equipes de A e muito B em Trentino para uma escapadela de pré-temporada: 'garantia de excelentes serviços e hospitalidade'

“o que não deve ser dito”

A partir desta votação, as decisões sobre a política europeia tornaram-se cada vez mais sujeitas ao monarca. Ele explica que o Conselho Federal está promovendo sua política de comunicação, não para fins de propaganda, mas por razões “educativas”. O título de uma das brochuras do Gabinete de Integração, órgão responsável pelas relações com Bruxelas, é igualmente importante, como revela Dodis: “O que não dizer ao informar os residentes sobre o acordo com a Suíça e a Comissão Europeia”.

aprovação popular
Em 3 de dezembro de 1972, o povo e os cantões aprovaram o acordo com 72,5% dos votos de apoio. “Desde então, a política europeia do Conselho Federal nunca recebeu tanta legitimidade”, diz Zala. O povo impediu a integração da Suíça no Espaço Econômico Europeu (EEE) em dezembro de 1992. Depois, apoiou a via bilateral em várias ocasiões. Um projeto de Acordo-Quadro Institucional foi abandonado no ano passado. Desde então, as discussões com Bruxelas foram retomadas, mas sem nenhuma convergência sobre a famosa questão institucional.