Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Uma menina de um mês morreu em setembro

Montano Antilia e Ásia são duas cidades de Salerno que passam por momentos de intensa dor durante essas horas. Nós lamentamos sua morte Antonita Delhi Shanti, 26 anos, Morreu de doença cobiçada após vários meses de dor e depois de dar à luz sua segunda filha, que nasceu prematuramente com 24 semanas, ela morreu em setembro passado. A mulher, que veio das Antilhas Montano, mas vive na Ásia, testou positivo para infecção pelo governo em agosto passado, enquanto esperava seu segundo filho. Ela foi aconselhada a não se vacinar porque estava grávida.

Paciente Kovid nasceu inconsciente e ventilado, voltou para casa e viu seu bebê pela primeira vez em dois meses

Vacina Kovit, sim durante a gravidez (mas recomendada no segundo e terceiro trimestres) e durante a amamentação

“Madame está grávida, não vacine”: Operadora tirando Copa da Cerca

A morte de Sharon

Mas, devido a uma infecção viral, em apenas 24 semanas, a pequena Sharon nasceu prematuramente em meados de agosto no Hospital Vallo della Lucania (Salerno), de onde foi imediatamente transferida para a unidade de terapia intensiva pediátrica do Hospital Federico II. Em Nápoles .. No entanto, aqui, em 9 de setembro, o coraçãozinho de Sharon parou de bater. Hoje, cerca de dois meses depois, Madre Antonita nem fez isso. Depois de muito sofrimento, ele morreu na unidade de terapia intensiva do Hospital Federico II de Nápoles. Apesar da negatividade, os pulmões de Antonitta foram gravemente afetados pelo bócio. Como muitas mães grávidas, Antonita decidiu não se vacinar, e essa decisão foi decisiva.

Dividendo, Janus Henderson: Acima do pico pré-epidêmico em 2021

READ  Vacina com alta pergunta em português sai

“Esta é uma tragédia que afeta toda a nossa comunidade. Nosso senso comum neste momento é de absoluta dor e amargura”, disse Luciano Trivelli, prefeito de Antolia, Antonetta Delli Santi. Professor Dominico Arduini, presidente do Comitê Científico da Fundação ASM Onlus e Professor Honorário do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade de Roma, Dor Vurgada, intervém no assunto. “A vacina protege tanto a mãe quanto o bebê. Vários estudos mostraram que os anticorpos viajam da mãe para o feto através da placenta. É absolutamente necessário ser vacinado a partir do terceiro mês, mas é importante avaliar cuidadosamente o risco real de infecção por COVID-19 no primeiro trimestre e prescrever a vacina em casos de alto risco. “