Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Um viajante privilegiado, Francesco Bandarin, explora o património mundial

Um viajante privilegiado, Francesco Bandarin, explora o património mundial

Património da UNESCO | No final do século XIX, com a abertura do Canal de Suez, a ilha de Moçambique perdeu importância e o governo português decidiu transferir a capital para o sul do país.

Uma pequena ilha, localizada Norte de Moçambique, desempenha há mais de 400 anos um papel importante no comércio entre a Ásia e a Europa, controlado por um pequeno país europeu, Portugal, que, a partir do século XV, foi capaz de criar um dos maiores impérios marítimos da história. Com cerca de três quilómetros de comprimento e no máximo 500 metros de largura, a ilha era habitada por tribos Bantu no final do I milénio d.C., e a partir do século IX os árabes criaram um vasto império terrestre e marítimo. Ele incentivou a criação de um empório comercial na ilha, divulgando o Islã e a língua suaíli, ainda hoje amplamente falada na África Oriental.Mapa da Ilha de Moçambique em 1635Quando em 1488 Bartolomeu Diaz Ele dublou primeiro Cabo da Boa Esperança, demonstrando a possibilidade de chegar à Ásia por mar, Portugal embarcou numa expansão de longo prazo e criou um sistema complexo de sítios marítimos que deu origem a muitas cidades actuais, como Mombaça no Quénia, Mogadíscio na Somália e Mascate em Omã. Mumbai e Goa na Índia, Malaca e Sumatra na Indochina, Macau na China. Em 1498 Vasco da Gama (1460-1524), durante a sua primeira viagem, chegou Ilha de Moçambique, então sob o governo de um sultão local, Ali Mussa Mbiki, de quem a ilha (e mais tarde o país) recebeu o nome. Em 1507, durante a sua segunda viagem, o explorador português conquistou a ilha e começou a transformá-la num dos principais entrepostos comerciais do Império Marítimo Português e na capital de todo Moçambique. Em 1510, o primeiro forte, São Gabriel, e a cidade de São Sebastião de Moçambique foram construídos e colocados sob a autoridade de um vice-rei residente em Goa. A ilha foi durante séculos o centro de um vasto comércio de marfim e ouro do interior africano.Igreja de Santo AntonioOs portugueses também iniciaram o comércio de escravos, que antes não existia na costa leste de África ao longo da rota atlântica (em direção às Américas) e mais a leste (Península Arábica e Império Otomano). Na Ilha de Moçambique desenvolveu-se ao longo dos séculos um importante núcleo urbano, dividido em duas partes: a cidade europeia e a indígena, como já se pode ver num mapa de 1635 e confirmado por um plano moderno. A arquitetura portuguesa de pedra e tijolo de estilo renascentista e barroco foi construída na cidade europeia. Makudi, a cidade natal, manteve um caráter africano construído com materiais locais. No final do século XIX, com a abertura da navegação motorizada e do Canal de Suez, a ilha perdeu importância e o governo português decidiu transferir a capital para a cidade com o mesmo nome, no sul do país. Explorador português Lorenzo Marquez, atual Maputo.Castelo de São Sebastião visto de cimaDesde então, a Ilha de Moçambique tem desempenhado um pequeno papel no desenvolvimento de Moçambique, mantendo ao mesmo tempo a memória da sua longa história colonial. Em 1991, devido à sua importância histórica e considerável património arquitectónico, a ilha foi inscrita na Lista do Património Mundial da UNESCO. Entre os principais monumentos da ilha encontra-se o grande Castelo de São Sebastião, um dos mais importantes da África colonial, considerado um exemplar excepcional da arquitectura militar renascentista. Perto do castelo encontra-se a igreja de Nossa Senhora do Baluarte, construída em 1522, considerada o edifício “europeu” mais antigo do hemisfério sul e um excelente exemplo da arquitectura “manulina” (Ou seja, entre 1495 e 1521, durante o reinado de Emmanuel I de Portugal, Ed.) na África do Sul. Outros monumentos importantes são o Palácio de São Paulo, construído em 1640 como colégio jesuíta e posteriormente utilizado como residência do governador, a Igreja da Misericórdia e a Igreja de Santo Antonio. Nos séculos seguintes, também foram construídos uma mesquita e um templo hindu, um importante hospital de estilo neoclássico e uma ponte de quatro quilômetros ligando-o ao continente.Palácio de São PauloOs ataques durante a longa guerra de libertação de Moçambique (1964-75) e a subsequente guerra civil (1977-93) e os ocasionais ciclones tropicais violentos que atingiram a região dificultaram os trabalhos de manutenção e restauro de um património exposto. O ciclone Gombe aconteceu em 2022. No entanto, nas últimas duas décadas, a paz alcançada no país e o seu rápido crescimento económico (apoiado pela descoberta de enormes depósitos de gás) permitiram que as necessárias intervenções de segurança fossem realizadas tanto nas cidades como nas tribos europeias. Cidade, para a qual também foram formuladas regras de segurança específicas. Hoje, a ilha tem uma população de cerca de 14.000 habitantes e se tornou um destino turístico crescente.

READ  Um salário de sonho para a pessoa procurada

© Todos os direitos reservados