Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Um homem de 18 anos foi estuprado em Anzio e um homem de 32 anos foi preso em Aprilia. Ele já foi punido, mas não expulso

Eles o pararam quando ele embarcou no trem para seu destino Roma Termini da estação Aprilia. Talvez ele soubesse que o procuravam e o reconheceram, e pensou que ele poderia desaparecer na capital por causa disso. A tentativa acabou em fracasso, pois o nigeriano, de 32 anos, era sigiloso e já tinha condenações por agressão sexual e roubo que haviam sido arquivadas – sem procedimentos de expulsão e repatriação efetiva, que foram então executados. Circunstâncias -, não dá tempo de pegar aquele comboio. Para equipe móvel e agentes da delegacia Anzio-Netuno Ele é o responsável pelo estupro de uma jovem de 18 anos que foi agredida no bairro popular de Anzio 2 na noite de 12 de maio, na noite de 12 de maio, pelo homem que o deteve na madrugada do manhã em um pequeno pátio ferroviário. Nos arredores do Lácio.

Erateste de DNA: A polícia científica encontrou vestígios biológicos do estuprador da menina nas roupas da menina e em uma cabana ao lado de uma estrada que liga o ponto de ônibus. Via Nettunense e o centro da cidade. Esses elementos foram então comparados com o perfil biológico do preso e a resposta foi positiva. Já hoje, o homem de 32 anos pode comparecer perante um juiz de tribunal latino para uma audiência para verificar sua detenção. Não está claro se ele aceitou suas responsabilidades. Segundo os investigadores, o assalto Seção IV do Móvel, uma nigeriana especializada em crimes envolvendo violência de gênero, não teria sido planejada por um nigeriano que escolheu uma vítima na hora, entre os passageiros do ônibus. Ele já foi preso em 2016 por episódio semelhante: estuprou uma mulher, que foi espancada e roubada. Ele foi punido por essas ações e liberado.

READ  Greve de metrô, ônibus e bondes ATM confirmada em Milão: horários

Desde o início da investigação, o seu nome foi acrescentado ao de alguns suspeitos, não só por ter alguns antecedentes, mas também por ser uma observadora ativa, que arrastou a jovem à força. Depois que ela desceu do ônibus, ele a trouxe para casa às 23h, após um dia em Roma. Menina, o alarme sempre toca à noite. Ele mora em Anzio 2 com sua família – Então o pai comentou: “É melhor que a polícia o encontre primeiro”, referindo-se ao agressor da filha -, virou-se no Nettunens, chateado, e pediu ajuda a alguns motoristas. No Hospital, para onde foi levada após a violência, disse que não conseguiu identificar seu agressor, mas descreveu suas tatuagens e seu estilo particular de qualquer maneira. Seus gritos afastaram o estuprador, que momentos antes a agarrou por trás e carregou seu corpo para dentro da cabana para abusar dela. Eles estavam sozinhos naquele momento. De imediato, o nigeriano fugiu e escondeu-se durante quase dois meses – não excluindo a cumplicidade de alguns amigos – mas não saiu da costa a sul de Roma. Foi onde os agentes o encontraram.