Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Saúde, a revolução fracassada. Assim, a medicina se desumanizou

Acredito que a assistência à saúde tem sofrido mudanças fundamentais e muitas vezes necessárias em todo o mundo é um fato normal e bem conhecido. É claro que os desenvolvimentos científicos que permitiram atingir grandes objetivos no campo do tratamento médico e cirúrgico de diversas doenças representam o aspecto mais positivo, inteligente e marcante desse desenvolvimento gradual e contínuo.

Mas, paralelamente ao inegável progresso das “ciências” médicas, muitas vezes cercadas por outras ciências e disciplinas (biologia, química, genética, engenharia, física, etc.), outros aspectos se desenvolveram de forma profunda e fundamentalmente modificada, Em essência, foi chamado de “ars medica”. Não pretendo aqui me aprofundar nessa definição, ou seja, se a medicina se assemelha à arte ou à ciência, ainda que, como todas as atividades que envolvem o homem, nunca possa ser enquadrada inteiramente no rígido dogmatismo da ciência.

O primeiro aspecto que pretendo focar é a institucionalização das unidades de saúde. Este fenómeno, que inicialmente envolvia quase apenas estruturas privadas, incluindo as que funcionavam em regime de convênio com o SNS, obrigava, por ser privado, necessariamente a rentabilizar a sua atividade, para depois alastrar-se às estruturas públicas e, em particular, aos hospitais. Atualmente, o orçamento hospitalar tornou-se de fato o principal critério de avaliação da tarefa dos gerentes gerais, que obviamente exigem que os gerentes das unidades operacionais (antigamente chamadas “primárias”) prestem contas, além disso, por um período de cinco anos para verificar sua posição. Pois bem, este novo padrão de avaliação do trabalho dos profissionais de saúde define amplamente as opções terapêuticas, direcionando-as para o mais vantajoso economicamente, mas não para você, com base em uma relação custo/benefício precisa e necessária, mas simplesmente para o mais rentável, muitas vezes mais custos para o tesouro do estado.

READ  Monkeypox, 22 casos foram registrados até agora em nosso ATS

O outro lado é a crescente aura de demandas por parte dos pacientes em relação às unidades de saúde e aos médicos. A taxa de conflito atingiu níveis que não são mais sustentáveis, nem econômica nem socialmente. O número de ações legais de indenização está aumentando constantemente, nem mesmo pela chamada Geely Act, que foi inicialmente saudada como a solução para o problema, mas que agravou a situação. Mesmo que a grande maioria das causas tenha sido resolvida em um impasse, o impacto dessa nova e muito mais dúbia relação médico-paciente foi e continua sendo devastador, para dizer o mínimo, com destaque para o uso da chamada medicina defensiva. O conceito de medicina defensiva não é mais meramente uma abundância prescritiva (exigindo um grande número de investigações diagnósticas, muitas vezes desnecessárias e caras), mas também uma opção de tratamento que geralmente pode ser menos crítica do ponto de vista médico-legal, mesmo que seja nem sempre mais eficaz em casos individuais.

Sem querer levantar preocupação, mas apenas para retratar um caso que nós, médicos do hospital, verificamos diariamente, sinto que posso dizer com segurança que a combinação desses dois elementos (mercantilização do verbo médico, na verdade muitas vezes separada da conotação/necessidade real, medicina defensiva) leva a É amplificado por um efeito: um cidadão que procura um hospital ou outra unidade de saúde hoje não sabe se o que será oferecido a ele como tratamento é o que ele realmente precisa ou o que aqueles que precisam sugerem.

Sem considerar, então, que certas medidas, que provavelmente serão muito úteis e eficazes, e que podem parecer insuficientemente exploradas no plano econômico, deixarão de ser realizadas, com o consequente prejuízo grave para os pacientes, que poderiam Aproveite muito.

READ  Quase ninguém compra este outono que protege o coração e as artérias e combate o colesterol alto

Para quem, como eu, estudou outra medicina, de cunho menos técnico, mas certamente mais humanista, esta é uma nota amarga que testemunha tristemente a afirmação de um conceito anglo-saxão, mais comercial e tecnocrático, sobre o puramente clínico conceito que, evidentemente, nós latinos, herdeiros da cultura e tradição clássicas, não poderíamos defendê-lo adequadamente, mas, pelo bem da humanidade, devemos esperar que mais cedo ou mais tarde ele volte a prevalecer.

Professor de Ortopedia e Traumatologia da Universidade de La Sapienza
Diretor do Departamento de Ciências Cirúrgicas, Hospital Universitário S. Andrea, Roma