Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A mucosite gastrointestinal induzida por radiação em ratos é menos grave quando tratada com MTC

A mucosite é um efeito colateral grave que afeta dezenas de milhares de australianos que se submetem à radioterapia como parte do tratamento do câncer. Pode causar inflamação, feridas, diarréia, náusea, vômito, desconforto abdominal e inchaço.

Atualmente, não há cura para a mucosite, mas pesquisadores da Universidade de Adelaide descobriram que um certo tipo de medicina tradicional chinesa pode reduzir a gravidade da mucosite gastrointestinal induzida por radiação (GIM) em camundongos.

A pesquisa, publicada na Frontiers in Oncology, descreve os potenciais benefícios deste tratamento para aqueles com GIM após radioterapia para tumores abdominais, estomacais e pélvicos.

Os ratos foram submetidos a irradiação abdominal como parte do estudo, que recebeu aprovação do Comitê de Ética Animal Institucional do South Australian Medical Research Institute (SAHMRI).

Metade dos camundongos recebeu injeção de Kushen (CKI), um medicamento tradicional chinês, enquanto a outra metade recebeu uma droga de controle. Por muitos anos, o CKI tem sido amplamente utilizado na China, sozinho ou em combinação com radioterapia ou quimioterapia.

O CKI é criado a partir das raízes das ervas medicinais Kushan e Baituling e é administrado como um líquido injetável, de acordo com o professor Adelson, diretor do Zhendong (Centro Chinês Australiano de Medicina Molecular Tradicional Chinesa). Na Escola de Ciências Moleculares e Biomédicas, o Professor Adelson é também Presidente do Departamento de Bioinformática e Genética Computacional.

Comparado aos camundongos que receberam a droga de controle, o estudo descobriu que os camundongos que receberam CKI abdominal apresentaram sintomas menos graves de GIM. Essas descobertas se somam a pesquisas anteriores que mostram que o CKI afeta significativamente a expressão gênica em linhagens celulares, incluindo genes que controlam a inflamação. “

READ  Câncer de fígado: causas e prevenção