Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Relatei problemas na cabine 3 e serei demitido”

A cabine 3 do teleférico Motoron bateu com 15 pessoas no dia 14 de maio e apenas o pequeno Eden sobreviveu ao acidente, já tendo problemas com o sistema de freios em 2019. Isso foi revelado por um ex-funcionário do Gabinete do Procurador de Verbania em junho passado, que forneceu gravações de áudio – armazenadas em um telefone celular – que marcavam 27 de maio de 2019.

“Nos autos – leia atas – há discussões com o vice-presidente de serviços Silvio Rizolo, que já tem Gabriel Tadini (chefe do serviço de teleférico da casa) e Luigi Nerini (gerente que está sob investigação na fábrica). , Nerini também é convidado a intervir em seu gabinete Ele ameaçou me despedir

Segundo o ex-funcionário, foram encontrados problemas na Cabine 3 em 2019, principalmente com a pressão mínima da válvula de retenção no painel de controle e diversos vazamentos (vazamentos) da central de óleo dos freios de emergência. cabo de reboque para quebrar e estilhaçar devido à investigação da cabine sem freio de emergência.

Mais um foi fornecido Foto da sala 3, “Agricultores (Gabriel, chefe da organização de teleféricos, ed.) E o garfo foi inserido (Ano 2019) “Fotos e vídeos da viagem de teste na cabine e a documentação fotográfica da unidade de controle do sistema de frenagem (27 de maio de 2019)”, uma organização sob a ótica de especialistas. Foi o superior Gabriel Tadini.

Em particular, em 28 de maio de 2017, Gabriel Tadini (em prisão domiciliar após o acidente) foi internado na cabine. Estava tudo bem, para ter certeza de que ‘o teleférico não cairia’, e ele prometeu escrever tudo na caderneta do veículo, não foi feito de novo ”.

READ  MotoGP Catalunha: Oliveira vence Sarco, Guardaro multa duas vezes pelo sexto | Notícias

Os road books são “obrigatórios à minha maneira, mas nunca criados. Da mesma forma, nada é registrado no registro de controle”. Sobre as ‘discrepâncias’ encontradas na cabine no dia anterior, o ex-funcionário disse: “Assinei e enviei para Luigi Nerini (gerente da fábrica, sob investigação) para o engenheiro Peroccio (Enrico, em julgamento). Eu sei o que aconteceu com isso documento, nunca ouvi falar dele ”, diz também o ex-funcionário que recebeu a carta de demissão.