Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

PIB, Ranking da UE / Itália avança enquanto a Alemanha luta

O primeiro-ministro Draghi comentou muito positivamente na última conferência de imprensa sobre o rumo da economia italiana, lembrando as nuvens que se aproximam e as perspectivas mais incertas para o segundo semestre do ano: “O crescimento anual alcançado até agora é de 3,4%, mais do que o estimativas para todo o ano de 2022. É um número positivo. Também muito em comparação com todos os outros países. Vamos crescer mais do que a França e a Alemanha.”

O crescimento econômico da Itália no segundo trimestre, de tamanho inesperado, tem sido objeto de análise em nossa região contribuição anterior. No entanto, nesta ocasião, não tivemos espaço para uma análise comparativa com outros países europeus porque no mesmo dia o Istat também divulgou os dados de inflação de julho, o que era de interesse óbvio do ponto de vista dos consumidores. dos analistas.

Portanto, é hora de voltar à questão do crescimento para analisar a Itália no contexto europeu e especialmente na zona do euro.

Uma observação importante, já que o tipo de feitiço que parecia afetar nossa economia há décadas parece ter acabado. para ele:

– Nas fases tranquilas do ciclo econômico, e na ausência de grandes recessões, a economia italiana cresceu muito menos, e até menos da metade da média europeia e seus principais países (principalmente Alemanha e França).

Sob grandes recessões, o declínio foi ainda mais severo, como vimos com a recessão global de 2008-2009 e a absurda queda da política econômica de 2011-2013.

A recuperação após recessões tem sido muito mais lenta do que em outros países.

Chegamos agora à recessão provocada pela pandemia de Covid em 2020-21, conforme mostra o Gráfico 1 para o conjunto da Zona Euro:

– O impacto na economia italiana foi mais rápido e consistente do que em outros países, onde a epidemia ocorreu primeiro e de maneira completamente inesperada para nós, e o primeiro governo Conte reagiu corretamente com um bloqueio rigoroso. Com isso, o PIB real caiu no primeiro semestre do ano em cerca de 18 pontos percentuais em relação ao último pré-pandemia, no quarto de 2019. Na zona do euro, que incluímos com pouco peso, a queda foi de 15 pontos , e assim menos três pontos.

READ  Puxe o sorvete, o alarme dispara: óxido de etileno

Felizmente, ao contrário das duas recessões anteriores, a Itália e a zona do euro tiveram uma recessão em “V”, com uma recuperação muito rápida após a queda, uma vez que a maioria dos bloqueios foi eliminada. No terceiro trimestre de 2020, o PIB real havia recuperado mais de 13 pontos de seus quase 18 pontos perdidos, enquanto a zona do euro perdeu 11 pontos em 15. Então, nos próximos dois trimestres, outono de 2020 e início do inverno de 2021, a recuperação parou devido a ondas Covid-19, que só pode ser curada graças à disseminação de vacinas.

Só na primavera e verão de 2021 o crescimento conseguiu retomar e o PIB da Zona Euro recuperou o seu nível pré-Covid no último trimestre de 2021 e Itália no primeiro de 2022, fazendo do nosso país uma pequena diferença na subida de metade um ponto percentual. Comparado ao pré-Covid, na verdade estamos um ponto percentual a mais, enquanto a Zona do Euro é um ponto e meio mais alto. Acabou-se, assim, a anomalia de um declínio maior em fases recessivas e de processos de recuperação mais lentos e parciais, ambos capazes de alargar o fosso relativamente às economias europeias.

Gráfico 1 – PIB real da Itália e da zona do euro (Índice do 4º trimestre de 2019 = 100)

Mas agora chegamos às diferenças entre a Itália e os principais países no segundo trimestre deste ano, como mostra o Gráfico 2. E ao nível das variações cíclicas, e portanto no trimestre anterior, os países com maior crescimento foram a Suécia , Espanha e Itália, que ultrapassaram os valores iguais ou superiores a 1% os 0,7% estimados para a média europeia. O crescimento foi inferior à média em França, Áustria e Bélgica, enquanto a Alemanha manteve-se estável e Portugal, que registou o maior crescimento no ano passado, registou uma ligeira descida no trimestre.

READ  Bolsa de Valores Italiana, comentando a sessão de hoje (8 de julho de 2022)

Gráfico 2 – PIB real no segundo semestre (curto prazo e mudanças de tendência)

Em termos de diferenças de tendências, o país mais desenvolvido no ano passado foi especificamente Portugal, com cerca de 7%, seguido de Espanha com mais de 6% e da Áustria com cerca de 5%. Itália, Suécia e França situam-se entre 4,6% e 4,2% acima da média europeia, sendo de salientar caso especial Da maior economia da região, a economia alemã, que em apenas um ano alcançou um aumento de 1,5%, o que é um percentual muito pequeno.

A locomotiva alemã é fixa sobre trilhos? Pode parecer que, certamente, foi prejudicado pela maior exposição à crise do gás e talvez também por fazer do setor automotivo a força motriz de sua indústria, sujeito às muitas incertezas e demandas que reduziram significativamente a epidemia.

Depois de analisar os dados do segundo trimestre, agora é útil avaliar como os diferentes países estão se posicionando em relação à recuperação da queda que o ICV produziu. É mostrado no Gráfico 3, onde o gráfico azul representa a redução percentual do PIB real causada pela pandemia no primeiro semestre de 2020 em relação ao quarto trimestre de 2019, que foi recuperado no segundo trimestre de 2021. O componente verde, presente Em todos os países, exceto Espanha e Alemanha, registraram o maior crescimento no segundo trimestre em relação à recuperação total da epidemia. Por fim, o componente vermelho representa a queda da epidemia que ainda não se recuperou.

Gráfico 3 – Efeitos da pandemia no PIB real (redução no segundo trimestre de 2020 em relação ao quarto trimestre de 2019 e recuperação no segundo trimestre de 2022)

Os onze países considerados podem ser divididos em três grupos: 1) aqueles com altos impactos da epidemia. 2) os efeitos intermediários da epidemia; 3) Reduzir os efeitos da epidemia.

READ  Depois do trabalho e economia | saúde e meio ambiente

Os países com maior influência são os da região do Mediterrâneo Ocidental, Itália, França, Portugal e Espanha, onde o PIB real variou entre 18% (Itália e França) e 22% (Espanha). Além da Espanha, que ainda tem dois pontos e meio para recuperar, o resto está um ponto acima do nível pré-Covid.

– Países com impactos médios (Grécia, Bélgica e Áustria) tiveram uma queda de 14-15% e tiveram uma recuperação total: Bélgica e Áustria dois pontos acima e Grécia até três pontos (no entanto, seus dados estão errados no primeiro trimestre, dependendo).

Por fim, os países de baixo impacto veem a Alemanha com -11% e os países nórdicos com cortes de um dígito. Este último parece ter recuperado significativamente e entre eles Holanda e Finlândia estão dois pontos acima do nível pré-Covid (mas com dados disponíveis no segundo trimestre) e Suécia cinco pontos acima.

– Também neste caso, destaca-se a anomalia alemã: a Covid reduziu o PIB em apenas 11%, metade do pior país foi a Espanha, mas essa queda ainda não se recuperou totalmente e o PIB ainda está no nível do último trimestre de 2019.

no início dos anos 2000 Alemanha Não crescia, era pior que a Itália e era considerada a doença econômica da Europa. Será que ele vai conseguir se recuperar ou vai voltar? O gráfico 4 compara os casos alemão, italiano e francês e mostra a queda do PIB devido à pandemia e a posterior recuperação até o último trimestre. Por fim, podemos voltar a dizer que temos comportamento e resultados econômicos semelhantes para outros países e melhores que alguns deles, inclusive o gigante alemão.

Gráfico 4 – PIB real para Itália, França e Alemanha (indicadores do quarto trimestre de 2019 = 100)

– – – –

Precisamos de sua contribuição para continuar fornecendo informações independentes e de alta qualidade.

Apoie-nos Doe agora clicando aqui

© Reprodução reservada