Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Pato Donald, Ordinário e Extraordinário

Pato Donald, Ordinário e Extraordinário

“Sempre digo que Mickey Mouse é o que gostaríamos de ser, mas o Pato Donald é o que realmente somos: problemáticos, às vezes desastrosos, mas sempre prontos para recomeçar. Aqui, noventa anos depois, o Pato Donald está sempre recomeçando (e nós com ele) todos os dias. Erre, tente de novo, erre de novo, tente de novo. Existe algo mais humano e maior que isso? O roteirista Roberto Gagnor, que esteve na equipe de roteiristas de “Ratos e Patos” por vinte anos, diz isso sobre o querido personagem. Entre outras coisas, há uma história inédita dele (a única, a outra está reimpressa). . “O Pato Donald e a Multiplicidade Marinha”, de Federica Salvo, no volume festivo “Tutti in festa con Donaldino” (Giunti).


A futura estrela de Walt Disney estreou como ator coadjuvante no curta de animação “The Wise Little Hen”, lançado em 9 de junho de 1934, noventa anos atrás.

Os dois heróis são desempregados que fazem o possível para não trabalhar e são alimentados gratuitamente por duas galinhas: um porco, Peter Pig (Mio Porcello), e um pato chamado Pato Donald (Pato Donald na versão italiana, embora “pato” literalmente significa pato, não pato).

O Pato Donald rapidamente se tornou protagonista, tanto nos curtas de animação, com o design dos personagens mudando gradativamente, quanto nos quadrinhos. Primeiro ele se junta a Mickey e Pateta nas aventuras da tira de jornal criada pelo grande Floyd Gottfredson, depois ganha sua própria tira, escrita por Bob Karp e desenhada por Al Taliaferro na qual seus netos Qui, Quo, Qua, sua namorada Daisy Duck fazem sua primeira aparição e a Vovó Pata.

Desde a década de 1940, ele também se tornou uma grande estrela dos quadrinhos graças a Carl Barks. O Grande Pato (um título merecido) desenvolve seu caráter, torna seus sobrinhos mais responsáveis ​​(até mesmo como batedores do Young Woodchuck Corps), cria o rico Tio Patinhas (com quem procura tesouros em todo o mundo e até em espaço), o primo sortudo Gaston, O genial inventor, Arquimedes Pitágoras, dá um nome (Duck City) e um fundador (Cornelius Cote) à sua cidade, e é praticamente o criador do Disney’s Duck World. Para o qual também contribuíram muito os cartunistas italianos.

Um pato (muito) italiano também

“Colegas e amigos, quando acidentalmente descobrem que gosto de ler histórias do Pato Donald, riem de mim, como se eu fosse estúpido. Eles riem também. Pessoalmente, estou convencido de que é uma das maiores invenções narrativas da era moderna.

Assim começa a introdução de Dino Buzzatti à primeira história em quadrinhos de Oscar Mondadori, A Vida e os Dólares do Tio Patinhas, publicada em 1968, que reimprime algumas das famosas histórias de Barks.

Mas o sentimento de pato do nosso país remonta a trinta anos. Já em 1937 foi lançada “Pato Donald e Outras Aventuras”, a primeira banda desenhada do mundo dedicada à Virgem Maria, que acolheu o primeiro episódio da sua primeira aventura numa publicação de banda desenhada (e não numa tira de jornal), “Paulino Pato Donald e o Mistério de Marte” de Federico Pedrochi.

Existem muitos mestres Disney italianos, e basta mencionar, entre os históricos, roteiristas como Guido Martina, Giorgio Pezin, Carlo Cindi, e autores completos (ilustradores que muitas vezes escrevem suas próprias histórias) como Romano Scarpa, Marco Rota e Massimo. De Vita e Luciano Bottaro ou designers como Giovan Battista Carpi, Giorgio Cavazzano e Luciano Gatto.


O Pato Donald tem muitas faces: há o homem comum (mas muitas vezes com recursos inesperados) para Parks, o homem preguiçoso e incompetente endividado, assediado pelos credores e explorado pelo tio (o final clássico de muitas histórias com o mesquinho furioso perseguindo seu sobrinho) por muitas… histórias italianas, especialmente as de Guido Martina. Mas há também suas identidades secretas, como o Paperinik, que o próprio Martina criou (a partir de desenhos de Giovan Battista Carpi) também para fazer do Pato Donald, que muitas vezes o insultava, o vencedor.

O nome lembra o herói “negro” Diabolik, mas ele é mais como um super-herói, um super-herói falível (ainda Pato Donald). Entre outras coisas, se o Pato Donald nasceu em 9 de junho de 1934, então Papernik apareceu pela primeira vez em 8 de junho de 1969, então ele tem cinquenta e cinco anos atualmente.


Desde 2008, o Pato Donald também é Agente Double Duck, em histórias que remetem à moderna história de espionagem de filmes como “A Identidade Bourne”.

Na edição do Mickey Mouse já nas bancas (3.576), com histórias todas dedicadas ao pato, está incluída uma linda estatueta que o vê estirado numa poltrona. Uma imagem clássica, como aquela em que ele dorme em uma rede: mas Donald às vezes pode ser tão enérgico que é realmente um pato com mil faces, dependendo se os autores querem enfatizar uma de suas características e não outra.

O Pato Donald foi piloto (de avião, ou de Fórmula 1, ou de nave espacial) de Scrooge, fez dezenas de trabalhos (muitas vezes estranhos como desperdiçar conceitos ou testar colchões), esteve em todos os continentes (incluindo os polacos ) e até mesmo em planetas diferentes.

Até mesmo um autor de quem ele não gosta muito (prefere o tio), como o ítalo-americano Don Rosa na história de 1994 (lançada em seu aniversário de 60 anos) “Pato Donald e o Elfo de Natal”, inspirado no clássico filme de Frank Capra “ Não.” Vita It’s Wonderful” (1946), explica que se o Pato Donald não tivesse nascido, a vida em Patópolis teria sido muito pior, principalmente para seu tio e sobrinhos.

A primeira história do Mickey Mouse mencionada acima é 3576, escrita por Marco Nucci e desenhada pelo lendário Cavazzano (desde a década de 1990 quase sempre há uma história de Natal do Pato na revista semanal), “Pato Donald e o Shady”. “One” é narrado em um tom diferente, poético e crepuscular. Estamos no início das aventuras do Pato Donald. Ele é marinheiro, ainda não conheceu Margarida e seus sobrinhos (conhecerá ao longo da história), não vê seu Tio Patinhas há anos (aqui o polêmico Nucci segue a cronologia de Don Rosa). , e viu o monstro conhecido como Shadowy One. Nucci presta homenagem à famosa história dos “amantes do papel” Buzzati “Il Colombre”, mas a nossa história acaba por ser, apesar das aparências, muito mais corajosa do que Stefano Rui, o herói da história.

É uma aventura quase metafísica, que demonstra mais uma vez a extraordinária resiliência do pato.

Ele pode ser preguiçoso, azarado ou medroso, mas também é corajoso, brilhante e aventureiro, pode viver estranhas aventuras como Indiana Jones, fugir dos credores ou até mesmo discutir com os vizinhos (Jones ou Anacleto Mitraglia, revezando-se na mesma casa com com o objetivo de irritá-lo) em confrontos surreais ao estilo do desenho animado, vivendo mil aventuras diferentes, é amado pelo público que o lê e pelos autores que o escrevem e desenham (e que o leram e ainda o fazem).

Na verdade, ele é um pato comum (cara, os patos da Disney são completamente humanos), que tem que sobreviver para sustentar seus netos (o que faz o leitor simpatizar com ele), mas ao mesmo tempo ele também é um aventureiro extraordinário, embora muitas vezes vezes apesar de… Ele mesmo.

READ  Paolo Carolo: Idade, Altura, Pais, Trabalho, Esposa