Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Nunca desista depois de um derrame” – La Voce di Rovigo

“Nunca desista depois de um derrame” – La Voce di Rovigo

Você perde a capacidade de falar e o uso de um membro. Não nos conhecemos mais. O trauma que se segue a um ataque de acidente vascular cerebral ou a doenças neurovegetativas afeta a pessoa e toda a família. mas Existe um ramo da medicina de reabilitação que visa restaurar alguma função, uma vida normal ou pelo menos um novo equilíbrio. O especialista falou sobre isso Massimo Ianelli, Neurologista, Chefe do Departamento de Medicina Física e Reabilitação do Lar de Idosos de Rovigo (Grupo Pederzoli) na coluna bimestral “Saúde ao Seu Lado”, que vai ao ar na Rádio Delta às segundas-feiras, às 13h.

É um ramo da reabilitação que funciona onde parece não haver esperança.

Como muda a vida de uma pessoa com a doença?
“Um paciente que descobre que tem um problema neurológico muda radicalmente a sua vida. Obviamente tudo depende da doença – disse Iannelli – há doenças que afetam também o sistema nervoso do ponto de vista infeccioso, e depois há doenças neurodegenerativas. No entanto, a reabilitação é importante e diferentes nuances de intervenção podem ser fornecidas dependendo da necessidade.”

O processo de reabilitação em caso de convulsões graves começa nas enfermarias do hospital. Aqui a empresa de saúde determina o caminho de reabilitação que inclui também o paciente e sua família.

Trauma inicial na família
“O acontecimento foi como um terremoto na família. Muitas vezes os familiares recebem informações dos departamentos – afirma o especialista – mas percebemos que não têm plena consciência do que aconteceu e quais são as expectativas futuras. diferentes ferramentas de trabalho Existe uma equipe especial, típica da reabilitação. Também tendemos a incluir familiares e cuidadores disponíveis para entrevistas individuais e em grupo nas quais explicamos os objetivos a serem alcançados e os projetos a serem perseguidos. de seminários no lar de idosos em que abordamos todos os assuntos, desde a explicação da deficiência até a forma de intervenção, bem como o tratamento de problemas burocráticos.”

READ  Santagostino lança serviço de medicina básica com e para refugiados ucranianos (25/03/2022)

Educação do cuidador
Portanto, a reabilitação é um caminho preciso e essencial para encontrar novos equilíbrios e melhorar a qualidade de vida. “O cuidador e os operadores aprendem a fazer o que for necessário para o atendimento domiciliar. O importante é conquistar a confiança dos pacientes para diminuir a ansiedade vivenciada pelos familiares que é transmitida ao paciente. .”

Nunca se substitua
O chamado cuidador, que pode sofrer de “burnout”, ou seja, um estado de estresse crônico e constante, ligado ao contexto em que vive, deve ocupar o lugar do paciente. “Quem ajuda – especifica Iannelli – é acompanhado em processos burocráticos, principalmente no caso de pacientes idosos, os familiares devem aprender a não substituir o paciente porque voltar para casa deve ser um momento de reabilitação que deve ser valorizado. percebam o problema do cansaço entre os familiares”.