Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Novo Banco, de Portugal, compromete-se a vender rede de retalho espanhola à Abanka

LISBOA, 5 de abril (Reuters) – O credor português Novo Banco concordou na segunda-feira em vender sua rede de varejo espanhola ao credor espanhol Abanka.

“Através deste acordo, o Novo Banco isentará as suas operações de retalho, banca privada e pequenas e médias empresas (PME) em Espanha, incluindo 10 agências e colaboradores”, afirmou o Novo Banco em comunicado, sem divulgar o preço de venda.

“Esta transação é um marco importante na transformação dos ativos e operações não essenciais do Novo Banco”, disse o órgão em um comunicado.

O banco com sede em Lisboa – que emergiu das ruínas do Banco Esprito Santo em 2014 no âmbito de uma recuperação governamental – vendeu os seus ativos internacionais em França, Ásia e Cabo Verde.

Lançado em maio de 2020, o Novo Banco contabilizou 2020 166 milhões nas contas de 2020 para possíveis perdas com a venda.

“Este acordo reflete a opção de saída mais adequada do Banco, ao mesmo tempo que garante a manutenção do serviço ao cliente e oferece oportunidades atraentes de longo prazo para clientes e funcionários na Espanha”, disse.

Espera-se que a transação tenha algum impacto no resultado líquido do Novo Banco em 2021 e aumente o seu rácio de capital de nível 1 geral em 55 pontos base.

As perdas no Novo Banco, em Portugal, aumentaram 25% para 1,3 bilhões (US $ 1,5 bilhão) até 2020, após riscos de crédito e propriedade e preparativos para o surto do vírus corona.

O Novo Banco é o terceiro maior banco português e detém uma participação maioritária na firma de private equity norte-americana Lone Star, com uma participação de 75%.

A venda está sujeita à aprovação das respectivas autoridades e tem a sua conclusão prevista para o segundo semestre de 2021. (Relatório de Sergio Concalves; editado por Ingrid Melender e Ed Osmond)

READ  Vacinas a reservar para os nascidos na Toscana, 1966 e 1967: mais de 35.000