Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Na Sardenha, a continuidade do ar regional não funciona

Na Sardenha, existe o risco de caos no transporte aéreo posteriormente Volutia primeiro excluída devido a defeito morfológico, em seguida, ETA excluída devido à falta de requisitos, Da licitação à atribuição de rotas no sistema de continuidade aérea regional. Agora temos que começar do zero, mas os tempos estão muito apertados, pois o call atual termina em 15 de outubro. A Zona anunciou um procedimento de negociação com 12 transportadoras para as quais será enviado um convite à apresentação de propostas.

O sistema agora é impróprio

É provável que a tempo se encontre uma solução, mas o sistema que deve garantir a mobilidade dos sardos Parece cada vez mais estranho porque está coberto de adesivos e desatualizado. Quase todos os anos, uma imagem de reservas bloqueadas, chamadas corporativas contra alocação de estradas, viajantes irritados e operadoras de turismo “entrando” no limbo ressurge.

“É um sistema que teria sido bom há vinte anos, mas hoje não leva em conta as mudanças e desenvolvimentos no transporte aéreo.” É clara a opinião de Roberto Devoto, Professor de Transporte Aéreo da Universidade de Cagliari, que concedeu entrevista à AGI sobre o atual sistema de rotas com taxas de serviço entre Alghero, Olbia e Cagliari com os aeroportos Roma Fiumicino e Milão Linate. Rejeitado sem apelação a Um “método errado” continua a ser aplicado por aqueles que “ignoram a atual dinâmica do transporte aéreo”.

A licitação perpetua o monopólio de fato

Segundo o professor universitário, a única solução é “até 15 de maio (data em que deve ser lançada a nova chamada, editora) Pessoas eficientes e esclarecidas planejam um novo sistema e se adaptam ao mercado

“O problema – como explica o professor DeVoto – é que desde 2001 continuamos uma licitação, de fato, sempre a mesma que espera um vencedor, ou no máximo dois, e portanto um sistema de monopólio”. Isso se traduz em “frequências de gesso, tipo de aeronave e preços: tudo está predestinado”.

READ  Doc Valpolicella: "Mais investimentos e proteção dos mercados"

Mas, enquanto isso, Dutiful aponta, “O mundo mudou, empresas de baixo custo estabeleceram sua presença e muitas operadoras uniram forças para criar novas coleções”. Uma “revolução” que os governantes do regime da Sardenha parecem não ter notado. Segundo a professora de Cagliari, é necessário, portanto, “abrir-se à competição com base no que se passa noutros pontos da Europa”.

Os casos de Espanha e Portugal

DeVoto cita Espanha e Portugal. inicialmente As ligações não são feitas, mas para expressar interesse Assim, a “competição” entre empresas é aberta: quem garante melhores preços e serviços confirma-se no mercado e o viajante tem a possibilidade de escolher entre diferentes ofertas. “Os fundos públicos – explica ele – só são usados ​​para cortar custos para os residentes que recebem um ‘desconto’ de 75% nas tarifas cobradas pelas operadoras”. Porém, em Portugal, os pagamentos (até 180 euros) são efectuados directamente aos passageiros, sem passar por empresas. Sem proibição, sem apelo, sem protesto: todos estão felizes, sejam ilhéus ou companhias aéreas, enfatiza DeVoto.

Um sistema semelhante pode ser aplicado na Sardenha, pelo menos no verão: “Concorrência livre entre transportadoras e descontos de 50% para residentes”, sugere a professora. Nos meses de inverno, por outro lado, uma licitação que garanta uma freqüência mínima de frequências pode ser utilizada em Roma Fiumicino e Milão Linate: o custo será de cerca de 30 milhões durante seis meses, mas será necessário comissionar o serviço ” estudando a curva de demanda e a curva de oferta com verificações diárias de “buracos” ou “transbordamentos” que permitem ajustes imediatos “.

Por que tudo isso não foi feito? “Todos temem que os transportadores abandonem a Sardenha, mas – o mestre está convencido – é impossível porque As maneiras de que estamos falando são muito atraentes“E de qualquer maneira, Dutiful abrevia,”O direito de circulação dos sardos deve ser garantido, e isso tem um custoA França gasta 80 milhões de euros anualmente com 345 mil residentes da Córsega, enquanto a Itália gasta apenas 50 milhões de euros com 600.000 sardos.

READ  Esse brioche super macio se tornou tão popular e vai ser o melhor da vizinhança, todo mundo vai querer roubar a receita da gente.