Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Lecce, parque “Cave di Marco Vito” é inaugurado

Lecce, parque “Cave di Marco Vito” é inaugurado

Hoje, domingo, 19 de novembro, é inaugurado o parque “Grutas de Marco Vito”, uma área verde de 7 hectares que se estende ao sul de Lecce atrás da estação ferroviária, redesenhada com base no projeto do famoso arquiteto português Álvaro Sisa. Um parque urbano criado num cenário natural e evocativo dadas as paredes rochosas das pedreiras onde historicamente foi extraída a pedra de Lecce, foram construídas as igrejas e palácios barrocos do centro histórico de Lecce. Após a cerimônia de posse com a presença do prefeito Carlo Salvemini, uma festa pública e popular é organizada pela administração municipal até as 20h, com música da Zagor Street Band, artistas de rua e animação da Associação Gazetti e Straccetti. Para crianças com símbolos da associação Fantasia.

Existem três entradas pelas quais você pode acessar o parque: uma via dei Ferrari (do ônibus urbano – linha R11 saindo do terminal via Costa – e com segurança da ciclovia de bicicleta ou scooter) e duas. Ambos os lados via del Ninfeo. A partir de segunda-feira o parque das cavernas está aberto todos os dias das 8h00 às 20h30.

Pedreiras: Da Remoção ao Projeto Chisa

Desativadas durante décadas e há muito abandonadas, foram mal utilizadas como espaços abertos, as antigas pedreiras de Marco Vito foram identificadas para restauro natural e ecológico, para o qual, em 2009, o município de Lecce anunciou um concurso internacional de ideias para o desenho da Cidade de Arte e Música e Parque Urbano da Pedreira. A equipa vencedora do concurso é presidida pelo arquiteto português Álvaro Sisa, vencedor do Prémio Pritzker de Arquitetura, duas vezes Leão de Ouro pelo conjunto da sua obra na Bienal de Veneza, e galardoado com numerosos prémios, títulos honoríficos e reconhecimentos. Mundo, arquiteto Carlos Castanheira, arquiteto Luigi Gallo e arquiteto Pedro Carvalho.

READ  Ibero-americanos: Como correm os dominicanos! Okando, Felice, Palino e... todos

Em 2010 foi criada a primeira área operacional de requalificação do Cave Park, como projeto prioritário e estratégico no plano mais amplo da área, financiado com 4 milhões de euros de fundos regionais. Em 2013, o segundo lote foi financiado em 4,5 milhões de euros, no âmbito do contrato de desenvolvimento urbano de zonas degradadas, financiamento para a implementação do programa nacional para as cidades, que previa a conclusão de renovações urbanas. e os aspectos ecológicos do parque com a construção da ponte, que efetivamente permitiu a unificação dos espaços do parque inicialmente separados por del Ninfeo. A ponte, símbolo do projeto da Chisa, também ganhou valor simbólico Atributo de união Entre o passado e o futuro da cidade. De facto, esta zona urbana tem um grande potencial de desenvolvimento, que em breve terá um novo centro, após a conclusão da demolição da estação ferroviária, estando ainda em curso o planeamento de uma nova entrada de Del Ninfeo.

Restauração ecológica e parque urbano

O parque está localizado numa área rica em história e moldada pela evolução geológica. A natureza é proporcionada pela costa rochosa, que remonta ao Mioceno (23-25 ​​​​milhões de anos atrás), onde ocorreu a sedimentação de pedras de loess. No entanto, a história é contada pelas esculturas que podem ser vistas nos altos muros que circundam o parque: “casco” (uma ferramenta básica de ferro utilizada até meados do século XX), que testemunha o esforço do homem para extrair as pedras com as quais a cidade foi construída.

O desenho do parque segue o carácter natural do local, com grandes extensões “gramadas” de caminhos em terra estabilizada, muros de pedra seca definindo cavidades profundas, vegetação típica mediterrânica e essências autóctones. Existe uma cantina no limite oeste que em breve será licitada à administração.

READ  Portugal Danilo Baso é o único Azul no sorteio dos Sub-17

O parque dispõe de dois grandes terraços, um com plantação de 50 azinheiras perto da entrada da Via dei Ferrari, e outro com plantação de 50 alfarrobeiras perto da cafetaria. Assim como outras partes dos carvalhos devem criar áreas sombreadas. Ao longo de todo o perímetro do parque e perto de todas as frentes da pedreira, foram construídas cercas de arbustos de baixa e alta altura para criar uma barreira de segurança para os visitantes do parque. O mobiliário é composto por mesas e bancos em pedra loess, emoldurados por Chisa. Por último, foram identificadas duas áreas de actuação em pontos onde a acústica é óptima devido à linearidade dos extremos da pedreira: uma junto ao elevador de acesso aos cafés-serviços e outra, mais pequena, junto à quinta de Tagliatelle. O parque possui um total de 700 árvores e 8.000 m2 de trilhas.