Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Imposto corporativo global: os países que correm o risco de nos perder

Então Anúncio histórico no sábado pelos ministros da economia do G7 No primeiro acordo global de tributação das empresas, a tributação global das multinacionais em 15%, questiona-se, a esta altura, quanto tempo vai demorar para que isso se torne realidade.

Ministro da Economia da Itália Daniel franco Ontem, em Londres, foi muito claro: “Vai demorar alguns anos” para este novo imposto entrar em vigor.

Entre os obstáculos a serem levados em consideração, Possível oposição desses países Que até agora, graças a um sistema tributário mais favorável, se tornou um favorito das corporações multinacionais para reformar seu domicílio fiscal.

O Suíça, A este respeito, já anunciou que fará o possível para se manter um centro atraente para as empresas, mesmo depois que o Grupo dos Sete países industrializados chegou a um acordo para reduzir os incentivos para as empresas multinacionais se mudarem para paraísos fiscais “offshore” para pagar os impostos mais baixos. Em particular, o Ministério das Finanças anunciou que o Estado havia tomado nota da Declaração de Intenções do G7.

Para a Suíça, a questão continua focada em todo o pacote de condições competitivas. De qualquer forma, acrescentou o ministério, a Suíça tomará as medidas necessárias para continuar a ser um local muito atraente para as empresas.

Os eleitores suíços já aprovaram uma reestruturação do sistema tributário em 2019, rejeitando o que o ministro das finanças descreveu como uma ameaça existencial ao papel do país como um centro de negócios.

Imposto corporativo global, países com impostos mais altos e mais baixos

De acordo com dados da OCDE, os três principais países com os menores impostos corporativos são Suíça (8,5%), Hungria (9%) e Irlanda (12%). Lituânia e Canadá seguem de perto, com 15%. Em quinto lugar, destaca-se a Alemanha (15,8%), seguida de Luxemburgo (18,2%), Eslovénia e Reino Unido (ambos com 19%).

READ  Cursos de orientação para alunos do ensino médio

A Itália está acima da média da OCDE (21,5%) em 24%. Por outro lado, a França se destaca (32%). É seguido igualmente pela Austrália, México e Portugal (30%).

No fim de semana, os ministros das finanças do Grupo dos Sete Nações industrializadas, reunidos em Londres, chegaram a um acordo “sobre o princípio de uma alíquota global mínima de 15% para a tributação das grandes empresas, a ser aplicada por cada país”.

O objetivo: acabar com a corrida entre as nações no domínio tributário. E com base no que foi decidido, um” taxa de pelo menos 15% Para todas as empresas multinacionais elIntenção de cobrar imposto de 20% sobre a participação de mais de 10% dos lucros nos países em que foi feito.
A proposta agora será discutida no G20, em Veneza, em julho, com possível ampliação. Mas, para implementação técnica, levará alguns anos.