Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Iaculino: “Os avanços da ciência médica melhoram a vida de quem sofre e também de quem não confia”

por Gianni Iaculino

A quarta onda de ferimentos assustadores está derretendo como neve ao sol. As actividades comerciais e industriais olham para o futuro com mais confiança, a escola recupera os seus ritmos, movemo-nos com mais liberdade, a vida social regressa aos níveis anteriores, existe um ambiente de maior liberdade e espera-se um futuro mais habitável. Não querer ver esses resultados apenas pelo prazer de aparecer como vítimas de um regime opressor diz muito sobre a boa vontade de alguns e a boa vontade de muitos.

Precauções adequadas à idade ainda farão parte de nosso comportamento, mas se a possibilidade de vacinação se estender ao Terceiro Mundo, dependendo de tratamentos cruciais, o futuro pode parecer menos dramático. Muitas inovações estão fervendo em centros de pesquisa para estudar novos medicamentos para tratamento e para produzir novas vacinas para prevenção. Atualmente, existem muitos estudos avançados com boas perspectivas de sucesso. Quando os tratamentos falham, devemos necessariamente contar com a prevenção. E é nesse ponto que nosso sistema imunológico vem em nosso socorro, que, por mais sofisticado que seja em sua estrutura e funcionamento, é uma expressão extraordinária de nossa evolução. É capaz de captar o que se passa dentro e fora do nosso organismo e reagir em conformidade, guardando a memória do que já foi encontrado e sabendo reconhecê-lo no momento certo.

No caso da memória imunológica, tem nos permitido sobreviver a muitas doenças que já encontramos e contra as quais fomos vacinados, relembrando experiências passadas e fazendo bom uso delas. Embora nem sempre à prova de falhas, continua sendo o melhor aliado para nossa saúde e, graças aos avanços na pesquisa biomédica, é um grande recurso para novos tratamentos.

O mundo está ficando sem antibióticos. A resistência antimicrobiana é uma emergência de saúde global que comprometerá seriamente o progresso da medicina moderna. ” Assim, a Organização Mundial da Saúde decidiu há apenas quatro anos, em 2017. O uso irresponsável de antibióticos, principalmente na agricultura intensiva, bem como na prática médica, favorece a seleção de germes resistentes, para os quais foi lançado um plano, até mesmo no nacional da Itália resistência antibiológica com pesquisa de novas partículas. Outra forma de combater a infecção é encontrar novas vacinas para combater as superbactérias, estimulando a imunidade específica contra esses germes resistentes que afetam mais facilmente a população idosa, e a resposta imune é mais fraca nessa faixa etária. A vacina contra herpes zoster já está disponível hoje para idosos, assim como contra meningococo, estreptococo B, pneumococo. O desenvolvimento de novas vacinas para bactérias específicas melhorará a qualidade de vida mesmo para aqueles com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), uma doença gravemente incapacitante.

READ  Muitas pessoas subestimam esses sintomas anormais que podem ser um sinal de alerta para câncer uterino

Lembro que a silicose, que tanto causou dor e sofrimento entre nossos mineiros de pedra-pomes, tem uma expressão clínica semelhante à DPOC. Não é fácil descrever quanto sofrimento essas pessoas passam, atormentadas pela constante e dramática fome de ar. Quero sublinhar para que entre na cabeça de quem duvida que o avanço da ciência médica signifique melhorar a vida de quem sofre e de quem não confia.. Tendo, ao longo dos anos, testemunhado tanto sofrimento, este tipo de investigação médica dá-me esperanças pela qualidade dos resultados obtidos e pelos sucessos de que todos nos beneficiaremos. Em muitos casos, as bactérias não são particularmente perigosas para os adultos, mas sim para os recém-nascidos, uma vez que estes, nos primeiros meses de vida, ainda não são capazes de produzir anticorpos. Portanto, a mãe deve ser vacinada para proteger o feto.

A lista de vacinas recomendadas para mulheres grávidas ou grávidas, incluindo a vacina Covid19, após o terceiro mês de gravidez, será longa. Também é correto relembrar os resultados já obtidos com a vacinação contra a rubéola. Desde crianças que nascem com deficiências graves, desde surdez a cegueira e perda de capacidade cerebral, após esta vacinação não são mais vistas. O futuro próximo guarda grandes perspectivas neste campo, graças à revolução tecnológica que também estamos presenciando em todas as áreas de pesquisa. As vacinas de mRNA, produzidas pela Moderna, Pfizer e CureVac, as três empresas que rapidamente produziram as novas vacinas Covid19, já eram utilizadas no tratamento personalizado de algumas formas de câncer. Entre as muitas vantagens dessas novas vacinas, as instruções (mRNA) contêm o próprio organismo para produzir antígenos sem a necessidade de inocular os germes mortos ou atenuados.

READ  Pi, o cálculo atingiu um novo recorde

Isso permite a expressão de apenas antígenos necessários para uma resposta eficaz do anticorpo e, ao mesmo tempo, para a reprogramação do RNA dentro de alguns dias se uma variante viral importante estiver presente. Durante anos, duas vacinas terapêuticas altamente eficazes contra tumores têm sido usadas: uma contra a hepatite B, que muitas vezes se transforma em câncer de fígado, e outra contra o papilomavírus humano, que causa o câncer cervical. Ainda nesse contexto, uma estratégia com resultados promissores é inocular (vacinação terapêutica) pacientes com câncer com antígenos expressos por seus tumores, bem como através da introdução de células dendríticas. Esta nova abordagem está sendo testada tanto para o tratamento quanto para a prevenção do câncer de próstata. A pesquisa está avançando à luz dos desafios que se avizinham. O risco de novas passagens do vírus de animais para humanos não é de forma alguma remoto. O objetivo da pesquisa é obter uma vacina que proteja contra todos os vírus corona para que não seja descoberta despreparada, como aconteceu no início do ano passado. O mundo científico está incentivando alguns governos a investirem na pesquisa de uma vacina contra o vírus pancreático, que foi feita pela pesquisadora Maria Elena Botazi, há cinco anos, sem conseguir obter financiamento.

À luz das mais recentes novas tecnologias médicas destinadas a combater a propagação de doenças infecciosas, as vacinas têm, por mais de dois séculos, representado a primeira e mais fisiológica barreira à variabilidade. Existem evidências e documentação de abordagens empíricas antes das tentativas de Jenner, já na China e, em seguida, na Inglaterra no início do século XVIII. Desde então, houve um clamor contra a multidão hostil que temia o perigo e, de fato, eles estavam certos de que a vacinação transformaria a vacina em vacas ou, na melhor das hipóteses, faria crescer frutos. Hoje estamos testemunhando o retorno de medos e mitos levantados de forma brilhante. Ainda nos espantamos com a recorrência de conjecturas fantasiosas, devido à simples observação de que, há três séculos, existiam comportamentos e crenças justificados. Hoje em dia eles parecem loucos.

READ  Estes 3 alimentos incríveis podem aumentar o bom colesterol HDL enquanto auxiliam na saúde do coração

Na ausência de bases científicas que justifiquem a desconfiança e a oposição, aí vem a cena, cada vez, ao final de uma rodada de insinuações, as usuais forças poderosas que de vez em quando tomam a forma do lobby judeu, o Ministro da Saúde , os barões da ciência, o lobby das drogas e aqueles que não levam em conta as fantasias desses heróis modernos. A esses governantes foram acrescentados seres supersecretos, infiltrados em todos os lugares que lutam por interesses pessoais, é sempre claro que são interesses ocultos. Podemos falar do fenômeno do no-vax, no-masc, no-laqualunque, terrapiattisti etc. como uma questão de costumes, folclore, um fenômeno social a ser estudado e compreendido, em contraposição à transparência, com comunicação adequada; Mas acho indescritível, na verdade doloroso, que eles se enfrentem na TV ou no rádio com pessoas do ramo.

O princípio do valor um se aplica a essas duas categorias – ciência e pseudociência? claro que não.