Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Debate sobre o Pnrr e sobre as prioridades a respeitar

Debate sobre o Pnrr e sobre as prioridades a respeitar

O Pnrr parece ter aberto uma caixa de Pandora e chamado a atenção para um exercício que deve ser considerado, a meu ver, saudável e bom para o país. O debate que, em última análise, o impulsiona gira em torno de situações delicadas: poderemos aproveitar a estimativa que a União Europeia nos forneceu, dada a qualidade, competências e lentidão operacional das nossas administrações centrais e periféricas? O tamanho e a estrutura do plano de investimento acordado com a Comissão Européia pelo antigo governo Draghi são corretos e respondem às prioridades do estado? Acho que é uma comparação útil porque, além das inevitáveis ​​opções políticas que podem estar presentes, permite que a opinião pública se confronte finalmente com duas questões fundamentais: Todas as ações planejadas são realmente úteis e necessárias? Tem sido cuidadosamente analisado o retorno esperado dos investimentos que, não se pode esquecer, irão aumentar tanto a já enorme dívida pública como os custos de manutenção dos serviços e mecanismos de infra-estruturas a implementar no território?
O Pnrr em discussão fornece contribuições certamente úteis, como a abordada

Digitalização do setor público, melhoria da justiça, sistema de saúde, escolas e ensino superior, juntamente com outras obras destinadas a iniciar e gerir as mudanças resultantes da transição ecológica. Mas outras podem ser questionáveis ​​e até prejudiciais porque servem apenas para financiar projetos eleitorais.
O início não parece ser dos mais felizes, como os concursos que foram abandonados para os comboios a hidrogénio ou pelo insuficiente cumprimento das regras que regem a plantação de árvores ou pela questão da concorrência que é ampla e sensível e já não pode ser adiada . De resto, um exame mais atento, sem as inevitáveis ​​adivinhações e escolhas políticas após a mudança de governo, revelaria um aspecto preocupante: respeitando os prazos impostos pelos procedimentos europeus, os vários ministérios, regiões e municípios parecem ter sido incluídos no plano julgado. O Non-Strategic está vagando por gavetas empoeiradas há algum tempo e agora está na lista não porque se tornaram projetos prioritários, mas pelo acesso a mais de € 200 bilhões – que podem chegar a mais de € 300 milhões com o Mes ainda em discussão – potencialmente disponibilizados da UE para ajudar o nosso país a tornar-se melhor e mais eficiente.
Se for esse o caso, um exame adicional pode ser necessário, pelo menos, para afastar a suspeita de incumprimento do princípio da boa gestão, que requer a identificação prévia de negócios prioritários necessários com retornos adequados – quer sejam conduzidos sem – contribuições a pagar ou com direito de regresso – E só então inicie o pedido de empréstimo relevante. O resultado desse exame crítico poderá atestar a lista de projetos úteis e necessários para o crescimento do país que se mede, portanto, pela qualidade dos projetos executados e não pelo tamanho dos investimentos.
O exame das prioridades a respeitar deve ser feito com muita atenção e racionalidade numa visão holística do país que inclui também a leitura correta da comparação competitiva com outros países que alguns indicadores internacionais nos informam: por exemplo, o European Innovation Scoreboard 2022 que classifica a Itália entre os países menos inovadores ao lado de Espanha, Portugal e Grécia. Uma posição que parece contrariar as exportações, novamente em 2022, que atingiram 625 mil milhões – ainda que em forte queda face à Rússia – para se fixarem nos 3% da quota global o que nos coloca entre os 8 maiores exportadores do mundo, demonstrando a força que pequenas empresas podem Média e qualidade são nossa profissão para competir com sucesso com economias de escala; O índice Ipsos, que acompanha a reputação dos países, coloca a Itália em terceiro lugar no mundo, depois dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, mas à frente da França e da Alemanha. Enquanto a EuroTrad aponta que o italiano, embora falado por apenas cerca de 1% em todo o mundo, é hoje a quarta língua mais estudada no exterior, em 115 países, ultrapassando o francês. Sem perder de vista outro fato: a qualidade e o crédito de muitos de nossos compatriotas, graduados, pesquisadores e técnicos que se destacam no mundo junto com tecnologias altamente avançadas, robôs industriais e nossos componentes mecânicos de produção customizados em muitos centros de pesquisa globais de excelência em empresas multinacionais líderes. Estes poucos exemplos, mas outros que se podem acrescentar, recordam a responsabilidade do diretor político do Pnrr em assegurar um sistema político equilibrado, manter um clima económico aceitável, definir com rigor as prioridades e assegurar um elevado nível de formação de forma a manter a competitividade no digital economia na qual o país luta para se integrar.
Penso que o que referimos é um modelo que também pode ser tido em conta para a nossa cidade se analisarmos com atenção e respeitarmos as situações e sem espírito predeterminado, a discussão constante sobre infraestruturas e, em particular, sobre melhoria – ou transformação? – Do estádio Tardini. Talvez fazendo algumas melhorias a um debate que começou com uma proposta legítima de um empresário privado que se ofereceu, em troca de uma concessão de 99 anos, para concluir e gerir este projeto às suas próprias custas, por quase um século de infraestruturas a título de uma isenção de gestão. de carga pesada.
Pessoalmente, tendo em conta a qualidade da nossa cidade, teríamos ganho muito tempo se desde o início tivesse sido seguido um procedimento diferente, e penso mais correcto: uma administração municipal que considera prioritário dotar a cidade de um novo estádio apresentando o projeto particular que, como um grande número de cidadãos posteriormente demonstrou ser favorável, também pode estar interessado em se mudar para uma área periférica imediatamente disponível e torná-la objeto de ampla discussão.
É a escolha da cidade que deve prevalecer quando está em jogo o uso do solo público, um bem público, e não a posição preconcebida do município que autojustifica o rumo escolhido com uma suposta falta de recursos – sempre disponíveis para financiar projetos viáveis ​​e comuns – para liquidar a oferta ‘pegue’. Ou largue”, o que repito legitimamente, ao empresário. Caberá então aos cidadãos decidir qual o caminho a seguir: preservá-la e valorizá-la, usufruí-la tal como a vêem, a plena disponibilização das suas terras – se necessário, mesmo com a escolha responsável da operação de dívida – ou optar pela expropriação por 99 anos em favor de um particular que legitimamente arca com o ônus de sua manutenção.

READ  Bolsas de valores europeias positivas, Milão na esteira. O mercado aguarda o resultado do desafio da Generali