Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

África / Moçambique – Mulheres e crianças são os mais vulneráveis ​​à violência jihadista

África / Moçambique – Mulheres e crianças são os mais vulneráveis ​​à violência jihadista

Maputo (Agência de Lutas) – Mulheres e crianças foram as mais atingidas pelos efeitos da violência e do deslocamento na província de Kabo Delgado, no norte de Moçambique, onde desde 2017 mais de 700.000 pessoas foram forçadas a abandonar suas casas por grupos jihadistas representando os islâmicos Estado. A situação agravou-se com o ataque à cidade de Palma em março deste ano (ver Lutas 27/3/2021) e outras 67.000 pessoas foram deslocadas. Metade deles são crianças. Pessoas deslocadas são bem-vindas na capital, Pemba, em campos administrados por organizações locais e internacionais que vêm de todas as formas, incluindo gado. Mas os requisitos são múltiplos e a situação de segurança, especialmente para os fracos, é perigosa.
“O risco de casamentos precoces e gravidez na adolescência é uma preocupação crescente porque há mulheres fora da escola e famílias enfrentando perdas financeiras e dificuldades”, disse a ONU. Andrea M., responsável por Moçambique no Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). Disse Wozner.
Aqueles que falharam tiveram que enfrentar consequências ainda mais dramáticas. Centenas de crianças foram raptadas por grupos jihadistas, pe. Grevi Fonseka, Gerente de Comunicações, Diocese de Pemba. Os meninos são recrutados à força para as fileiras dos jihadistas, enquanto as meninas são dadas “em casamento” aos lutadores ou escravizadas.
O P. Fonseka condenou Elián da Costa, irmã de uma freira brasileira em Mogambova da Priya, depois que a aldeia costeira caiu nas mãos de terroristas em agosto de 2020 e dezenas de pessoas foram sequestradas. “A irmã Alien viveu 24 dias entre os terroristas na selva e me avisou: ‘Padre Fonseka, não se esqueça das pessoas sequestradas, especialmente crianças e adolescentes, que foram treinados como terroristas’”, disse o sacerdote.
Manica da Rocha, uma freira portuguesa da Congregação para a Indemnização de Nossa Senhora de Fitima, em Nicéia, Lichinga, dá as boas-vindas aos deslocados e diz que é “urgente reconstruir as vidas destruídas”. “Os sequestros são mais comuns entre jovens e crianças no contexto da guerra. No caso de crianças sequestradas, elas são frequentemente treinadas para lutar contra terroristas e mulheres para serem escravas sexuais.”
Para ajudar a população do norte de Moçambique, mais de 30 organizações da sociedade civil portuguesa, incluindo várias organizações católicas, lançaram uma campanha denominada “Cabo Delcado, não nos rendemos à violência”. Os participantes apelaram ao governo português (uma ex-colónia portuguesa em Moçambique) para “providenciar urgentemente ajuda humanitária” a Cabo Delgado junto da União Europeia e das Nações Unidas. (LM) (Agency Fights 06/08/2021)

READ  Vitórias de Portugal na luta contra o COVID-19


Compartilhar: