Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A França está cada vez mais irritada: “Ocos afetará o futuro da OTAN, Biden é como Trump”

ANGELOS TZORTZINIS via Getty Images

O presidente francês Emmanuel Macron faz uma declaração durante a 8ª Cúpula MED7 dos Países Mediterrâneos em Atenas, em 17 de setembro de 2021 (Foto de Angelos Tzortzenis / AFP) (Foto de Angelos Tzortzenis / AFP via Getty Images)

A “grave crise” da Austrália, com o cancelamento de um contrato de US $ 66 bilhões para a compra de submarinos franceses em favor do abastecimento dos Estados Unidos, abriu uma “grave crise” que “afetará o futuro da OTAN”. O chanceler francês, Jean-Yves Le Drian, não recebeu o ramo de oliveira que trouxe dos Estados Unidos, que havia manifestado “esperança” de que a disputa fosse resolvida na próxima semana, na Assembleia Geral das Nações Unidas. De facto, numa entrevista ao France 2, ele usou tons muito ásperos e ficou conhecido como os “ex-parceiros” dos três países recém-assinados da aliança anti-chinesa, os chamados “Okos”, que manteve a Europa no escuro. . . Para o terceiro deles, a Grã-Bretanha, as palavras duras estão reservadas.

Le Drian explica que convocou os embaixadores em Washington e Canberra, mas não o embaixador em Londres, porque o governo Johnson nada mais é que a “roda sobressalente” da nova Triple League e Paris está acostumada ao “oportunismo duradouro” do Reino Unido. E assim as promessas de Johnson de uma “amizade especial” entre o Reino Unido acabaram sendo palavras ventosas para Paris.
“Quando vemos o presidente dos Estados Unidos com o primeiro-ministro australiano anunciando um novo acordo com Boris Johnson, a desonestidade é profunda”, acrescentou o ministro: “Em uma aliança real, falamos um com o outro, não. coisas, a outra parte é respeitosa e é por isso. Esta é uma crise real, uma crise grave, que a NATO tem que ter em conta. ”

READ  “Outra onda no outono coexiste com o vírus”

O estilo do presidente americano Joe Biden “é como o do presidente Trump, sem tweets”.