Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

80% do capital global é controlado por 2% dos acionistas – Corriere.it

Não é Emiliano Brancaccio quem os manda dizer: seu último livro Democracia sob ataque. A política econômica do capitalismo neo-oligarco (Piemme ed.) Uma mistura bem-sucedida de cerca de cinquenta lições curtas e altamente objetivas sobre os erros e horrores da política econômica contemporânea; A segunda parte trata do tema do trabalho no âmbito internacional e das novas relações entre o mercado e o planejamento. Enquanto a Parte Três é um estudo aprofundado dos perigos de um curto-circuito entre as tendências do capitalismo e a estabilidade das democracias liberais, começando com uma discussão entre o autor e Daron Acemoglu, um dos economistas mais citados do mundo. Como Amerigo Mancini, editor-chefe do GR1 RAI, escreveu no prefácio, Emiliano Brancaccio é um herege perigoso, justamente porque é persuasivo. Rebelde ao que circula amplamente no debate político, mas muitas vezes, explica ele, não encontra confirmação em evidências científicas.

O livro de Brancacchio contém uma tese central: a lei do centralismo A inclinação não é apenas econômica, mas também política, e a assustadora concentração do poder econômico nas mãos de uma pequena minoria molda todo o sistema de relações em que vivemos à imagem de que Karl Marx falou. Essa centralização é agora uma realidade, explica Brancaccio, são dados à mão, ao relatar os resultados de um estudo afirmando que mais de 80% do capital global agora é controlado por menos de 2% dos acionistas. Isso significa, segundo o economista da Sanyo University, que o velho Marx estava certo nesse ponto: a luta capitalista cria vencedores e perdedores, com o primeiro anulando ou engolindo o segundo. Assim, fisiologicamente, o controle do capital está concentrado em cada vez menos mãos, enquanto a livre concorrência entre os empresários e a possibilidade constante de renovação periódica dos mais ricos e capazes são mais do que qualquer ilusão passageira. Paradoxalmente, o livre jogo das forças do mercado acaba se matando, porque leva à cristalização do poder nas mãos estreitas da oligarquia.

READ  Luis Felipe Vieira, Queda Intocável | no exterior


Uma das consequências mais graves desse processo de centralização Capital ameaça a própria democracia liberal. O sistema democrático ocidental entra em crise onde o poder econômico está concentrado, porque a concentração do poder econômico também leva a uma concentração semelhante do poder político. De acordo com essa visão, a crítica às habituais desculpas pelo livre mercado torna-se também uma necessidade política para a defesa da democracia. Na interconexão global da crise econômica e política, a Itália é um dos elos fracos. Segundo Brancaccio, isso também se deve ao fato de a Itália ter sido um dos países mais sérios no caminho da privatização de mercados e tapetes na década de 1990. Um país que apostou quase tudo no lema “pequeno belo”, formado por pequenos e muito pequenos capitais, por isso chega absolutamente desprevenido à designação de grande centralização capitalista global.

O tema da “meia atualização”, que Brancaccio toma emprestado de por Paul Krugman e Augusto Graziani e que o desenvolveu segundo uma perspectiva original. A tendência à centralização do capital nas mãos de cada vez menos reproduz a dicotomia histórica entre o sul e o norte da Itália em maior escala continental, entre a Itália e outros países do sul da Europa avançando, a Alemanha e os centros capitalistas do norte. A Europa se destaca. Como resultado, entre outras coisas, os capitalistas italianos foram cada vez mais relegados ao papel de acionistas minoritários, sem qualquer poder de decisão para orientar a alocação de recursos e o desenvolvimento. É possível contrariar essas tendências, diz Brancaccio, mas é preciso questionar as crenças ultrapassadas do passado sobre as grandes virtudes do mercado, da concorrência e da espontaneidade do empreendedorismo. Brancaccio argumenta, nesse sentido, que falar em “nacionalizações” é em si uma forma ultrapassada de lidar com os problemas. Ao contrário, uma renovada intervenção do Estado nas estruturas de controle servirá justamente para dar maior peso político ao nosso país nos grandes processos de centralização capitalista internacional.

READ  Sete anos após o decreto de Obama, a Venezuela ainda tem costas retas - um mundo multipolar

“Governo político central”, como ele chama. Uma proposta clara e documentada, muito além dos velhos chavões dos liberais, mas também das prescrições ingênuas da governança soberana. Como demonstrou repetidamente em suas frequentes discussões com os mais proeminentes defensores das instituições globais, Brancaccio oferece uma reflexão convincente sobre a natureza profunda das crises de nosso tempo. Oferece um vislumbre de esperança de que o pensamento crítico possa apontar novamente para um novo caminho de desenvolvimento econômico e a defesa da própria democracia, dois objetivos complexos e urgentes demais para serem deixados a não ser para ideologias arraigadas ou para simplificar o populismo. .