Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Três tipos diferentes, todos com sintomas diferentes

O aperto da epidemia global de Doença do coronavírus Gradualmente destacou a capacidade do boom vírus, com suas várias variáveis ​​que complicam as operações de aplicação da lei. Mais de dois anos após o início da cadeia de infecção, um estudo britânico destaca o quão diferente é não apenas na cepa do vírus, mas também em suas consequências. assim chamado covid longo. Segundo pesquisadores King’s College Londresna verdade, o pandemia Foi acompanhado por três tipos diferentes de Covid prolongado, cada um com seus próprios sintomas. E embora os três tipos tenham se manifestado em cada onda de infecção, existem algumas reações associadas a um tipo de variante mais do que outras.

Covid: A taxa de positividade está caindo um pouco, o número de mortos está subindo

Espécies

A primeira amostra de recuperação de Vírus corona Ele teve que enfrentar uma série de problemas neurológicos de longo prazo, desde fadiga a dores de cabeça até o chamado “névoa cognitiva“, aquela sensação de neblina que traz consigo confusão, dificuldade de concentração e confusão mental. Esse tipo de trem está mais relacionado às variáveis alfa E a Delta.

O segundo grupo, após negatividade confirmada, teve que enfrentar problemas respiratórios, que neste caso também vão desde dor no peito até insuficiência respiratória aguda. Esse tipo de Covid prolongado está particularmente associado à primeira onda de infecção.

Finalmente, há o terceiro grupo que apresenta uma ampla gama de sintomas: palpitações cardíacas, dores musculares e alterações na pele e no cabelo. Aos quais se somam raras consequências, principalmente uma pesquisa emUniversidade de Birmingham Sobre o mesmo tema: amnésia, alucinações, incontinência, disfunção erétil.

READ  Entrevista com Roberto Cingolani: Horizonte 2051 entre filosofia, ciência e tecnologia

De acordo com os dadosEscritório Nacional de EstatísticaAtualmente, existem dois milhões de pessoas no Reino Unido que sofrem os efeitos da prolongada doença Covid-19. Entre eles, 1,4 milhão de pessoas disseram que contraíram o coronavírus pela primeira vez há pelo menos 12 semanas. Mas voltando no tempo, verifica-se que 826.000 pessoas disseram que o adquiriram há pelo menos um ano e 376.000 até dois anos antes.

E depois há duas considerações: a necessidade de antecipar cursos de tratamentos para além do histórico de recuperação da Covid e a possibilidade de personalizá-los, dada a natureza multifacetada das reações de pessoa para pessoa.

“Esses dados mostram claramente que a síndrome pós-Covid tem vários subtipos, e não é uma condição simples – explicou ao Céu Reino Unido o médico Claire Stevesentre os autores da pesquisa – entender as causas desses subtipos pode ajudar a encontrar as estratégias de tratamento mais adequadas.”

O estudo destaca outros dados importantes. A começar por considerar que as manifestações da doença Covid de longa duração são mais pronunciadas nas mulheres com idades compreendidas entre os 35 e os 69 anos, entre as pessoas que vivem nas áreas mais desfavorecidas e entre as que trabalham na saúde e na assistência social e na docência.

© Reprodução reservada