Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A ciência do esporte está preocupada com a reforma do esporte. memorando ao governo

o Coordenação Nacional de Ciências do Exercício (CoNaSM), em 1º de agosto, compartilhou nota sobre o decreto legislativo de 28 de fevereiro de 2021, N. 36, em cumprimento do artigo 5.º da Lei de 8 de agosto de 2019, n. 86, reorganização e reforma das disposições das entidades desportivas profissionais, bem como do trabalho desportivo.

O memorando para destacar algumas das confusões e sugerir reflexões sobre o tema, que está causando profunda preocupação em todo o movimento automobilístico, também em referência à coletiva de imprensa anunciando a iminente publicação do decreto corretivo emitido pelo Decreto Legislativo de 28 de fevereiro de 2021, n. 36bem como para artigos relacionados à pós-graduação em Ciências Automotivas.

Em detalhe, a preocupação diz respeito a alguns passos:

Artigo 41 – O parágrafo 6 trata das possíveis equações para o título World of Motion. A lei estabelece que “os critérios de reconhecimento das habilitações equiparadas para efeitos do exercício da profissão são, respetivamente, para o cinesiologista básico referido no n. o cinesiologista referido no n.º 4, e o director desportivo referido no n.º 4 a ele no n.º 5″.

Deve ser lembrado que as equivalências são reconhecidas, geralmente, para um nível de formação semelhante e que, de acordo com o Quadro Europeu de Referência (EQF), uma licenciatura de três anos é de nível 6 e um mestrado é de nível 7, enquanto os graus superiores atingem especialização técnica (aquelas emitidas pela FSN) ao Nível 4 e, portanto, seria difícil manter equivalência potencial para os cursos acima com base na equivalência de qualificações de peso e valor diferentes.

Artigo 42 – No n.º 1, o texto tem a seguinte redacção: “Os cursos e atividades desportivas e desportivas ministrados em ginásios, centros e instalações desportivas de toda a espécie, mediante pagamento de quotas a qualquer título, inclusive na forma de quotas, serão realizados em coordenação com o cinesiologista ou professor da disciplina particular, cujos nomes devem ser devidamente divulgados”.

Conforme afirmado no parágrafo 1º do artigo 42, parece ser inconsistente com a vontade do legislador porque está em forte contraste com o acima no comentário ao parágrafo 6 do artigo. 41, uma vez que a coordenação dos cursos e atividades cinéticas e desportivas apresentadas em ginásios, centros e instalações desportivas de todo o tipo é atribuída tanto ao cinesiologista como ao treinador de uma determinada disciplina, ou seja, a uma disciplina, este último, não possuidora de os requisitos necessários para ser equivalente à cinesiologia. Além disso, a necessidade de preservar o disposto no art. 42, n.º 4, pelo que ficam dispensados ​​do cumprimento do n.º 1 do artigo 42.º (ou seja, a obrigação de presença do coordenador) exclusivamente para atividades desportivas competitivas, de modo a evitar que a única distinção entre a obrigação de presença ou não do coordenador , é a única afiliação à FSN, independentemente do desempenho de atividades competitivas. Isso significa que queremos evitar a distinção entre empresas que não realizam atividades competitivas e que não pertencem ao FSN (que terá a obrigação de atender o coordenador) e empresas que, ainda que não o façam. Exercer atividades competitivas, como a primeira, ao invés de pertencer ao FSN (e, portanto, isento da obrigação de ter um coordenador), com a inevitável diversificação dos custos de gestão.

Finalmente, com referência à persistência da arte arejada. 42, n.º 1, onde das minutas que circulam na rede se tentou incluir um incidente relativo à exclusão da profissão de cinesiologia das profissões de saúde, parece oportuno assinalar que o eventual reconhecimento, como profissão de saúde, , no mestrado em nossa opinião, merece atividade motora preventiva e adaptativa Comparação no nível legislativo entre todas as partes interessadas.

O relatório foi enviado ao conhecimento depresença. Ricardo Nincini Presidente da Sétima Comissão Permanente do Senado da República (educação geral, património cultural) A partir de presença. Casa Vitória Presidente da Sétima Comissão da Câmara dos Deputados (Cultura, Ciência e Educação)A partir depresença. Annamaria Parente Presidente da Décima Segunda Comissão Permanente do Senado da República (Higiene e Saúde) subordinar Dr. Massimiliano Fedriga Presidente da Conferência Permanente das Regiões do Estado Baseado em Secretário de Estado na Presidência do Conselho de Ministros responsável pelo desporto Sra. Valentina Vezzali.

READ  Bana Cotta - Gazzetta di Reggio

A Coordenação Nacional de Ciências Motoras é composta por:

  • Conferência Nacional de Cursos de Ciências Automotivas
  • Colégio Nacional de Professores Titulares M-EDF/01 e M-EDF/02 – SC 06/N2;
  • Colégio Nacional de Professores Titulares M-EDF/01 e M-EDF/02 – SC 11/D2;
  • Sociedade Italiana de Ciências Automobilísticas e do Esporte SISMES
  • Associação Italiana de Educação Motora e Desportiva SIEMES
  • Universidade de Roma “Foro Italico”
  • Associação Italiana de Especialistas em Exercício Físico – AISE
  • A Federação de Alumni ISEF e Associações de Alumni de Ciências do Desporto – Capdi & LSM.

A nota foi compartilhada no portal SISMES

Foto da capa © Pavel Daniellyuk – Pexels