Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Por isso, depois do Covid, a medicina social aposta nos direitos e na inovação

Os dois anos de pandemia foram um alerta que não apenas nos lembrou do valor intrínseco da saúde, mas também de como a saúde é essencial para as relações econômicas e sociais. Deste ponto de vista, a medicina social é uma abordagem muito atual, como surgiu na conferência “Medicina social em evolução: entre inovação, novas necessidades e proteção da deficiência”, organizada pela Fundação Messett na sexta-feira, 8 de julho, em Roma, em colaboração com o apoio da rede editorial PreSa – Prevenção em Saúde.

Via Dupla: Inovação e Direitos

“A pandemia dá-nos cuidados de saúde que percorrem um caminho duplo: por um lado, um caminho de inovação, investigação avançada e tratamentos inovadores, como evidenciado pelo ensaio de vacinas contra a Covid-19, que nos permitiu travar muito rapidamente o Por outro lado, o tema da proteção dos direitos e principalmente da proteção da deficiência. O desafio hoje é entender até que ponto a inovação e o acesso oportuno podem reduzir o impacto sobre a deficiência, principalmente em relação às doenças crônicas”, explica. Marco Trabuco AurélioPresidente da Fundação Messet e Coordenador Científico do PreSa. “Pense, por exemplo – continua Trabucco – em assumir o controle de um paciente raro: a rapidez com que ele assume o controle pode ser crucial para não viver com uma deficiência vitalícia ou, para muitas crianças, salvar sua própria vida.”

Em linha com a abordagem “One Health”

Sob esse ponto de vista, a abordagem da medicina social se encaixa perfeitamente no cenário atual “Ao combinar o conceito de uma saúde que evoluiu para o conceito de saúde planetária, mostra que acomodou plenamente as novas necessidades de saúde em que nossos e o futuro de nossos filhos depende”, explicou Marcela Marlita, Presidente da Aistom, Conselheiro da Federação das Sociedades Voluntárias de Oncologia e Coordenador da Comissão Científica da Fundação Mesit. Para a organização, o desenvolvimento de novos medicamentos e dispositivos médicos pode representar um ponto de virada realmente importante no atendimento ao paciente: é por isso que anunciei a próxima criação de um grupo de trabalho dedicado ao tema da competitividade e inovação, composto pelos principais especialistas em o setor, contribuir para definir a nova governança do setor farmacêutico e de dispositivos médicos, com a ambição de se tornar uma ferramenta de apoio ao mundo produtivo das instituições nacionais

READ  em Lugano. Competição nacional de ciência e juventude, em vista da juventude do Ticino.

A lição da epidemia

“Alcançar o mais alto grau possível de saúde é uma meta muito importante: um desafio para o futuro das novas gerações que exige a participação de muitos outros setores estratégicos além da saúde”, acrescentou. Francesco Saverio Menini Professor da Faculdade de Economia da Universidade de Roma Tor Vergata. “Nos últimos 15-20 anos – lembra Minini – ferramentas de emergência foram usadas sem planejamento adequado. Considerando que hoje, após o período de pandemia, parece que estão criadas as condições para garantir um “novo renascimento” do nosso sistema de saúde.” A medicina social pertence a isso porque “conecta todas as dimensões que vão além da estrita medicina clínica e terapêutica, conecta os domínios sociais, as áreas do bem-estar, a integração psicológica, social e prática, e cria um continuum entre os caminhos do tratamento e da prevenção e no mundo social e econômico” Marcelo CattaniPresidente da Farmindustria