Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O Fórum Mediterrâneo: o retorno dos “diálogos” de Roma entre convidados importantes e ausentes

Os Diálogos Med estão de volta a Roma hoje, os Diálogos anuais lançados em 2015 com a ambição de “transcender o caos” e propor uma “agenda positiva” em uma região estratégica para a Itália: o Mediterrâneo expandido. A conferência contará com a presença de ministros (Surgiram os chefes da diplomacia do Catar, Iêmen, Jordânia, Líbano e dos palestinos, além de membros dos governos da Arábia Saudita, Iraque e Argélia) Defensores das principais organizações internacionais (Nações Unidas, União Europeia, Liga Árabe, Agência Internacional de Energia Atômica, para citar alguns) Acadêmicos e empresários, bem como acadêmicos e especialistas de todo o mundo. Para complicar o trabalho dos organizadores da sétima edição da conferência, que foi promovida pelo Ministério das Relações Exteriores e Cooperação Internacional e pelo Instituto de Estudos Políticos Internacionais (Ispi), existe também a variante Omicron do Sars-CoV- 2 coronavírus: os ministros de Israel, por exemplo, tiveram que desistir de comparecimento (Presença remota confirmada por agora) Depois de fechar as fronteiras do estado judeu. Como nas últimas edições, não haverá representantes dos Estados Unidos e da Rússia, enquanto a China estará presente a nível de enviado ao Oriente Médio. E não haverá ninguém do Irã, também graças à mudança de governo em Teerã, após os seis cargos consecutivos do ex-chanceler Mohammad Javad Zarif, nem mesmo do Egito. Mas o grande ausente do Fórum Mediterrâneo deste ano é o primeiro-ministro “interino” da Líbia, Abdel Hamid Dabaiba. Apesar do “diálogo privado” (isto é, uma entrevista aberta) agendado para hoje às 12h00, o Primeiro-Ministro irá de facto permanecer em Trípoli.

O chefe do governo líbio está em plena atividade para as eleições presidenciais marcadas para 24 de dezembro. Em 1 de dezembro, o Tribunal de Recurso de Trípoli aceitou o recurso apresentado por um grupo de advogados do primeiro-ministro, anulando assim a decisão anterior que excluía Dabaiba. A data da votação, que deve ocorrer no dia do 70º aniversário da Líbia, está em dúvida e pode ser necessário um atraso de alguns dias por motivos técnicos. Mas, para uma maior certeza, teremos que esperar até 7 a 10 de dezembro, quando serão encerrados os recursos e as nomeações para as eleições parlamentares.. Segundo Giuseppe Dentes, chefe do escritório do Oriente Médio e Norte da África do Centro de Estudos Internacionais (Cesi)A situação na Líbia deve ser monitorada com muito cuidado. “Está claro para todos que as condições mínimas de votação não estão disponíveis ou são muito questionáveis ​​de qualquer maneira. O ponto principal é entender honestamente como todos os representantes serão capazes de encontrar seu próprio equilíbrio se esta eleição vir a luz do dia, e especialmente se os perdedores admitirem Com a vitória do Candidato X ”, disse Dentes à“ Agenzia Nova ”. Acrescentou que Dabaiba não está isento desse mecanismo porque também contribuiu para comprometer o processo eleitoral, já que seu número deveria ter sido temporário até a votação como determinado pelo Fórum para o Diálogo Político em Genebra. O fundamento de que existem equilíbrios diferentes em relação à narrativa usual e que cada candidato é o dono dos seus próprios interesses e dos interesses dos outros. ”

READ  Rivian, pontuação do Ipo da picape elétrica: + 38% na demarcação, carro anti-Tesla já vale mais que Ford e GM

De acordo com o analista líbio Tariq Al-Majrisi, Policy Fellow no Conselho Europeu de Relações Exteriores (Ecfr)O primeiro-ministro de Trípoli optou por não participar do Fórum Mediterrâneo para acalmar qualquer crítica ou polêmica. Megerisi disse ao Nova: “Parece que Dabaiba não quer fazer nada que possa prejudicar sua campanha eleitoral ou dar a impressão de que continua a representar a Líbia como primeiro-ministro, apesar de não ter renunciado oficialmente”. No momento, não está claro se o ministro das Relações Exteriores da Líbia, Najla Al-Mangoush, também não irá intervir remotamente. Também existe uma ambigüidade fundamental sobre se o primeiro-ministro ainda está no cargo ou não. Parece que Dabaiba já se aposentou desde que apresentou a candidatura presidencial em meados de novembro. E na cúpula do petróleo realizada em 22 de novembro passado em Trípoli, havia também o vice-primeiro-ministro Ramadan Boujna, não Dabaiba. De acordo com Jalil Harchaoui, pesquisador do think-tank holandês Clingendael Institute, a decisão do primeiro-ministro líbio de não comparecer ao Fórum Mediterrâneo foi ditada pela sabedoria, mas o primeiro-ministro ainda teve um papel na tomada de decisões nos bastidores: “Ele optou por não comparecer ao Fórum do Mar. Mas os observadores não devem considerar sua ausência como evidência de sua renúncia de alguma forma. Harchaoui disse à” Nova “que é improvável que ele tenha parado de realizar reuniões diárias e conversas sobre a crise em curso.

Outro ausente notável neste ano é a Tunísia, o país africano mais próximo da Itália. Pela primeira vez desde 2015, de fato, nenhum chefe da diplomacia tunisiana participará dos Diálogos do Mediterrâneo em Roma. Nem mesmo remotamente. A Tunísia está no meio de uma crise severa e muito vaga e enfrenta muitas incertezas. “É improvável que alguém no governo esteja com vontade de responder a perguntas sobre a crise atual”, acrescentou Harchaoui. Agência nova. Não somente. O deputado do partido islâmico Ennahda, Osama Sghir, eleito no círculo estrangeiro italiano, não participará do Fórum Mediterrâneo porque não pôde deixar o país depois que as forças de segurança do aeroporto de Túnis-Cartago o impediram de partir. O anúncio foi feito pelo próprio deputado em um post em sua conta no Facebook. “Infelizmente eles me impediram de sair porque eu sabia que participaria do Rome Med. A razão é que ‘o presidente’ disse não”, revelou o jovem ontem à “Agenzia Nova”, explicando que o “chefe” neste seria Presidente Kais Saied. “Mas sabemos que o motivo de não sair está relacionado com a minha participação nos Diálogos Roma-Mediterrâneo”, acrescentou o parlamentar. Segundo Mejrisi, analista do Ecfr, o deputado tunisino não foi expulso “porque podia ter falado desfavoravelmente sobre os acontecimentos recentes, ou apenas porque é membro do Ennahda: mas de qualquer forma, trata-se de um episódio lamentável”.

READ  Taxas de selo, saques são acionados de contas correntes. Como evitá-lo

A abertura oficial do Mediterranean Chronicle está agendada para sexta-feira, 3 de dezembro, com a intervenção de Mario Draghi, Primeiro-Ministro, e de Luigi Di Maio, Ministro dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação Internacional.Giampiro MasuluPresidente do Instituto de Estudos Políticos Internacionais (Ispi). O Ministro Luigi Di Maio encerrará os Diálogos do Mediterrâneo no sábado, 4 de dezembro. Entre as questões estratégicas no centro do debate estão os principais desafios de segurança, políticas inovadoras para gerenciar os fluxos de migração, o destino das gerações mais jovens após a pandemia, ações-chave para acelerar a transição para uma economia verde e sustentável e os problemas complexos colocados por a emergência climática e a retomada do processo de paz no Oriente Médio. Será uma oportunidade para discutir como responder em termos colaborativos à ampla necessidade de segurança, em uma área complexa e detalhada. Irá também reflectir sobre o futuro da Parceria Euro-Mediterrânica, o papel da OTAN, as estratégias da União Europeia, dos Estados Unidos e da Rússia. “A conferência em si é uma oportunidade importante de discussão e a nível informal é também um momento para criar contactos”, disse Dentis à Nova, sublinhando que “algumas das faltas têm peso e muito, especialmente à custa do interesse italiano, e o fato de que o Ministério das Relações Exteriores é o promotor de tal. A importante conferência naquele ano após ano está crescendo em conscientização e interesse externo. ”

Participantes na teleconferência cara a cara – Entre outras coisas – Josep Borrell, Alto Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança; Paolo Gentiloni, Comissário Europeu para os Assuntos Económicos e Monetários; Oliver Varheli, Comissário Europeu para o Alargamento e a Política de Vizinhança. Ayman Safadi, vice-primeiro-ministro e ministro das Relações Exteriores da Jordânia. Mohammed bin Abdulrahman Al Thani, Vice-Primeiro-Ministro e Ministro das Relações Exteriores do Estado do Qatar. Ahmed Awad bin Mubarak, Ministro das Relações Exteriores do Iêmen. Riyad Al-Maliki, Ministro das Relações Exteriores e Expatriados da Palestina. Evariste Bartolo, Ministro dos Negócios Estrangeiros da República de Malta; Abdullah Bou Habib, Ministro das Relações Exteriores e Imigração do Líbano. Alpha Barry, Ministro dos Negócios Estrangeiros do Burkina Faso. Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal. Anze Lugar, Ministro dos Negócios Estrangeiros da Eslovénia; Jordan Grelic-Radman, Ministro dos Negócios Estrangeiros e Assuntos Europeus da Croácia; Majid bin Abdullah Al-Qasabi, Ministro do Comércio da Arábia Saudita. Qu Dongyu, Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura; Ahmed Aboul Gheit, Secretário-Geral da Liga dos Estados Árabes. Antonio Vitorino, Diretor-Geral da Organização Internacional para as Migrações; Rafael Grossi, Diretor Geral da Agência Internacional de Energia Atômica; Nassar Kamel, Secretário-Geral da União para o Mediterrâneo; Mircea Jiwana, Secretário-Geral Adjunto da OTAN. Geir Pedersen, Enviado Especial da ONU para a Síria; Staffan de Mistura, Enviado Pessoal do Secretário-Geral das Nações Unidas para o Saara Ocidental. Emanuela del Rey, Representante Especial para a UE Sahel; Sven Koepmans, Representante Especial para o Processo de Paz do Oriente Médio na União Europeia; Zhan Jun, enviado especial da China ao Oriente Médio. Muhammad Sanusi Barkindo, Secretário-Geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo.

READ  2022 que será. Covid permite, Portugal lidera na recuperação e equidade na Europa

Leia também outras notícias sobre Nova News
Siga-nos nos canais sociais da Nova News em Site de rede social do FacebookE TwitterE LinkedInE Instagram, cabo