Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Jean-Luc Nancy, o filósofo que defendeu a ciência das notícias falsas, morreu

A morte de Jean-Luc Nancy, aluno de Paul Ricoeur e aluno de Jacques Derrida, ocorrida em Estrasburgo aos 81 anos, tem múltiplos significados neste período de “crise da ordem mundial”, como ele mesmo descreveu. E o vazio que deixa no momento de maior expressão desta crise, também devido ao debate social e político sobre a pandemia lançado por Giorgio Agamben, suscita reflexão.

Controvérsia contemporânea

Nancy havia criticado recentemente a mídia de sua velha amiga, definindo o vírus Corona como uma simples gripe e argumentando contra o alegado “estado de exceção” imposto pelos estados. E tem disputado, com dados científicos em mãos, especulações que tendem a subestimar a abrangência de Covid. Ele afirmou claramente que a exceção real é “o vírus que nos infecta com o vírus. Os governos nada mais são do que executores tristes e descontá-los é mais uma manobra revisionista do que uma reversão política”. Ironicamente, o próprio Nancy lembra que há 30 anos ele teve que se submeter a um transplante de coração e que Agamben o aconselhou a não dar ouvidos aos médicos.

Portanto, a morte de Nancy é de grande importância precisamente porque seu pensamento sobre sua saúde e seu corpo o levou a enfrentar a crise sistêmica em que vinha pensando há décadas. Para ele, o corpo era exatamente o lugar original do evento e a personificação da existência na conexão e relacionamento que só pode ocorrer por meio dos corpos. Por isso, também passou a refletir sobre o significado ontológico da sexualidade por sua referência simbólica à prática do compartilhar e ao comum. Conforme descrito por Corpus (1992) e o volume traduzido em 2019 na Itália intitulado Sessistenza.

READ  O segredo que poucos sabem que têm um físico perfeito é revelado diretamente pela ciência

Pensamento filosófico de Nancy

O pensamento de Nancy desenvolveu-se a partir do conceito de singular e plural, que pretendia expressar como a existência não se reduz ao eu, mas é uma coexistência originária no seio da existência, onde a singularidade de cada um não pode ser separada de seu ser. . Partindo desse conceito, relançou a necessidade de uma política real que exigisse, no entanto, uma despolitização primária da sociedade, que substituísse o capitalismo ocidental, a harmonia da tecnologia e a dívida do dinheiro pela abertura a experiências de liberdade e generosidade original. Fora. o

Em um texto clássico publicado em 1986 intitulado “Sociedade Inativa”, Nancy desenvolveu essa ideia de política como “comum”, o que levou ao experimento paradoxal no “Centro de Pesquisa Filosófica sobre Política” que ele fundou a partir da “re-imagem” du politique. Em outras palavras, Reconstruir a sociedade sob a bandeira da categoria que Roberto Esposito chamou de “apolítica”. Ir além das práticas e ideologias políticas para permitir que o singular e o plural mantenham tensões harmoniosas e restabeleçam a democracia nas crises em bases não ilusórias. a compreensão de que a vida é uma fuga e que o amor é também o abandono do outro em lugar de De sua posse naquela pluralidade à qual também pertence além do desconhecido e misteriosamente moribundo.