Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Gás e sanções russas: por que a Europa não pode se acalmar / Análise

O que acontecerá no próximo inverno? Da Alemanha à Itália, da Lituânia a Portugal: aqui estão os cenários mais prováveis

Não há brincadeira com gás. E quando o gás vem da Rússia, cautela não é demais.

De acordo com os cálculos do think tank Bruegüel, a União Europeia como um todo terá que ajustar a demanda de gás em 15% nos próximos 10 meses para compensar a situação que surgiu. Depois de escolher punir Moscpara mim. Para falar claramente, é uma questão de não ficar sem reservas.

Especialistas independentes em energia afirmaram que “a substituição do gás russo por GNL atingiu seu limite”. George Zakman e Ben McWilliams que supervisionou o estudo, antes de recomendar que os esforços de coordenação entre os países europeus se concentrem na minimização do impacto, o que significa adequar a demanda à oferta de gás disponível.

Eles comentaram no relatório: “O declínio nas importações da Rússia só pode ser atendido reduzindo a demanda por gás da União Européia”. Em suma, a UE como um todo terá de reduzir irreparavelmente o consumo de gás se não quiser ficar sem espaço de armazenamento.

Existem duas formas de conseguir essa redução: voluntária ou involuntariamente. O primeiro motivo pode ser uma crise econômica: as nuvens da recessão econômica na Europa estão se aproximando, mas ainda será insuficiente para atingir o nível que os especialistas esperavam. De acordo com os dados de consumo de gás do Eurostat, após a crise financeira de 2008, a procura europeia caiu 6% no ano seguinte. Entre 2010 e 2014, em quatro anos, a economia europeia afundou em crise de dívida e crescimento lento, o consumo caiu 21%. Segundo especialistas, agora é recomendado um reajuste de 15% no consumo em dez meses, o que mostra que a redução da demanda certamente não é voluntária.

A única maneira de conseguir isso é cortar o fornecimento para empresas ou famílias. É o temido racionamento de energia, que muitos países já incluem em seus planos de contingência, como Alemanha ou Áustria. Já existe uma hipótese na cabeça de algumas autoridades europeias. Na próxima semana, a Comissão Europeia apresentará medidas concretas para toda a União.

READ  Receitas de loteria, sorteio de quinta-feira, 24 de junho de 2021: códigos vencedores - Corriere.it

Como aponta Bruegüel, a participação da UE no gás fornecido pela Rússia caiu de mais de 40% em 2021 para apenas 20% em junho de 2022. A diferença de mais de 300 TWh nos primeiros seis meses de 2022 em relação a Il 2021. Mesmo Agora é principalmente ponte 240 TWh Para mais importações de gás natural liquefeito (GNL), que está nos limites de armazenamento.

A Comissão Europeia instou os Estados membros a atingirem 80% das reservas em novembro. Os dados de armazenamento disponíveis indicam que o estoque estava em 60% Até 4 de abril.

Sem a capacidade da Europa de preencher a lacuna no caso de um corte total no fornecimento pela Rússia, os especialistas de Brueghel calculam que as reservas de gás acabarão em fevereiro próximo, dadas as temperaturas médias do inverno nos últimos anos.

Na próxima crise de inverno Haverá países que não precisam de alterar a sua candidatura, como Espanha, Portugal e Françae outros que terão que cortar o consumo em até 54% para que as reservas permaneçam ativas após maio de 2023.

O documento mostra que a fraqueza do mercado interno de gás da UE é que ele não está totalmente conectado. Vai ser difícil distribuir o gás para os países mais necessitados, ou pelo menos vai custar muito, mesmo que a infraestrutura já tenha sido construída para mitigar o impacto.

Estônia, Lituânia e Estônia são os países mais expostos à torneira de Moscou, mas também alguns dos países com melhores alternativas de abastecimento. A região agora depende fortemente de importações através do terminal Klaipeda LNG em Lituânia, mas uma nova ligação com a Polônia está em andamento. As reservas da Polônia estão com 100% da capacidade. O volume de armazenamento é um quinto maior do que toda a União Europeia. Em breve também terão disponível uma unidade flutuante de armazenamento e regaseificação gás a gás

READ  Como ele conseguiu o dinheiro

Portugal, Espanha e França devem se formar a salvo desta crise. Seus suprimentos não estão sujeitos a interrupções russas. Brugesel indicou que a cooperação pode possibilitar a transferência de gás argelino da Espanha para a Itália e um melhor aproveitamento da capacidade de reserva espanhola no contexto europeu.

A Alemanha, por sua vez, passou da dependência do gás russo para a necessidade de fluxos da Noruega, para o excedente da Holanda e para as importações de GNL via Bélgica. Berlim planeja operar uma nova planta de GNL com capacidade de 8 TWh por mês em Wilhelmshaven.

caso Itália
Os autores do relatório observam que a dependência da Itália em relação à Rússia passa pelas importações pela Áustria. A desaceleração desses fluxos será sentida, especialmente no norte da Itália, enquanto a Itália tem opções de diversificação geralmente suficientes. fixo.

Uma das variáveis-chave, não só para a Itália, mas também para a capacidade da Itália de ajudar os países vizinhos, é a capacidade de transportar gás do sul para o norte do país. Outra vantagem é o alto teor de gás na Geração de eletricidade na Itália (43%). Assim, a redução do consumo de energia ou a utilização de fontes alternativas de eletricidade reduzirá significativamente o consumo de gás, que atualmente é de 22 TWh de gás por mês na geração de eletricidade.