Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Em relação às criptomoedas, o mundo não está assistindo: a Itália deve agir

A Ucrânia também usou criptomoedas para financiar a resistência, arrecadando quase US$ 50 milhões desde que o conflito começou com manchetes postadas no perfil oficial do Twitter do país: ironicamente, a maior parte no Ethereum, a moeda criada pelo russo Vitalik Buterin.

E chegamos a Portugal, onde Miguel Albuquerque, governador do arquipélago da Madeira (que já tem benefícios fiscais), anunciou na conferência de Miami que a ilha atlântica também abriria as suas portas ao Bitcoin.

Em suma, o setor está em pleno andamento e devo dizer que quando decidi criar o grupo interparlamentar “Criptomoedas e Blockchain”, entre a Câmara dos Deputados e o Senado, cerca de trinta colegas de todos os lados e quase todas as forças políticas juntou-se. Certamente um sinal de curiosidade política e desejo de investigar o fenômeno sem ficar de pé e assistir.

No entanto, o nosso país precisa de criar um sistema, primeiro reforçando a formação sobre o fenómeno (a 360 graus, desde a formação académica à financeira) e depois construindo aquelas pontes entre instituições, academia e universidades que já estão em setores mais coerentes. Que “a Itália deve dotar-se o quanto antes dos instrumentos legislativos, regulatórios e financeiros necessários para promover, de uma vez, a atração de cérebros, investimentos e oportunidades.

Em suma, precisamos de uma estrutura que nos permita identificar as operações dos bandidos sem sufocar um setor que é dinâmico, luxuoso e rico em oportunidades ao mesmo tempo. Um framework que será bem construído e acima de tudo em breve.

READ  McDonald's tem um problema de batata frita no Japão