Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Em breve convites para produção”

O subsecretário do Ministério da Saúde explicou que o objetivo é “autossuficiência” e não recorrer a importações.

Costa acrescentou que “a demanda em 2021 está estimada em 1.400 kg, mas o Instituto Farmacêutico Militar de Florença tem capacidade para produzir talvez 300 kg” e o restante será importado.

“Estou confiante – explicou Costa – que nas próximas semanas essas licitações poderão começar a produzir no nosso país. Em termos de preparação das licitações, já avançamos bem. E acho que o estado, quando aprovar um lei que garante direitos, caso se esforce para garantir que esses direitos sejam garantidos. ”

Esta não é a legalização da cannabis.

Além disso, ele acrescentou: “Estaríamos cometendo um erro se confundirmos a legalização da cannabis com a cannabis para uso médico, quero dizer isso de forma muito clara e direta. A libertação é outra questão que corre o risco de alimentar e radicalizar o debate e criar algumas contradições. Isso – e concluo – não acho que ajude. “Para aqueles pacientes que estão esperando por tratamento.”

Federfarma: “uma escassez crônica de farmácias” Nas farmácias de toda a Itália, “há uma enorme escassez de cannabis medicinal para a preparação de medicamentos à base de cannabis: o fornecimento é insuficiente e as farmácias estão em grande dificuldade com o grande aumento da demanda por esses medicamentos antes de sermos incapazes de atender às demandas ”, Explicou o Secretário Nacional da Federfarma Roberto Tobia. “A carência é crónica. Além disso, apesar do reembolso pelo SNS, nas diferentes regiões os preparativos não são reembolsados ​​e o custo dos doentes pode chegar a mais de 500 euros por mês”.

READ  Remedios Faro, pintor espanhol de magia, misticismo e ciência