Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ele explicou as tragédias da multidão com a ciência

Em 6 de novembro de 2021, em Houston (Texas), 8 pessoas morreram de paixão durante um show de rapper Travis Scott Outros 25 foram levados ao hospital com os ferimentos. O NRG Park (onde o evento aconteceu) estava incrivelmente lotado; Várias pessoas começaram a abrir caminho no meio da multidão para chegar à primeira fila sob o pódio. A multidão que se seguiu fez o resto: alguém caiu e alguém empurrou para não atropelar o infeliz, até que a pressão atingiu as barreiras que causaram a tragédia.

Uma história sombria. Esta não é a primeira vez que tais episódios acontecem: em 1979, 11 pessoas perderam suas vidas no show “He” em Cincinnati e em 2009 mais 9 pessoas com a mesma dinâmica morreram enquanto se apresentavam no Pearl Jam no Roskilde Festival na Dinamarca. Mais recentemente (abril de 2021), uma multidão esmagou 45 pessoas durante uma cerimônia religiosa em Meron, em Israel.

E na Itália lembramos a tragédia da boate em Corinaldo (Ancona) em 2018, em que 5 adolescentes e uma jovem mãe foram mortos, e as multidões da Piazza San Carlo em Torino em junho de 2017, onde a multidão foge descontroladamente. Depois da final da Liga dos Campeões da UEFA em uma tela gigante, ela custou a vida a 3 pessoas, além de dezenas de feridos.

Ciência da catástrofe. Ao longo dos anos, os cientistas estudaram a dinâmica da multidão por muito tempo, justamente com o objetivo de evitar que tais eventos aconteçam. Um dos desastres mais analisados ​​é o ocorrido durante a peregrinação a Meca em janeiro de 2006: mais de dois milhões de peregrinos percorrem uma rota predeterminada pelo coração da cidade, até a Ponte Jamarat, onde a estrada se estreita. A pressão da multidão aumenta dramaticamente e leva à morte de 363 crentes sunitas.

READ  Estresse e dores de cabeça podem ser um sinal de alerta para a deficiência dessa vitamina

Dirk ajudando NS Anders Johansson Da Universidade de Dresden estudaram os vídeos da tragédia por muito tempo e com a ajuda de computadores reconstruíram os movimentos das massas, identificando 3 etapas.

No início, a multidão experimenta uma pressão crescente com o estreitamento do caminho e começa a se mover aos trancos e barrancos. O movimento avança, na mesma direção das pessoas, como uma onda. Mas a pressão continua a aumentar: neste ponto, as pessoas estão tentando escapar da opressão a todo custo, fugindo em todas as direções e pisando umas nas outras. Segundo os cientistas, esse estágio ocorre quando mais de 6 pessoas se reúnem por metro quadrado.

Cuidado com o pogo. Em Houston, a tragédia não foi causada por um gargalo, mas por um fenômeno diferente conhecido como multidão não buraco, este é o “público da pista de dança”, que se reúne durante os shows sob o palco para dançar, pular, competir e esbarrar uns nos outros (ou seja, PorcoComo se diz na linguagem da juventude).

multidões de mosh pit foram cuidadosamente estudadas por Jesse Silverberg, um estudante de física na Cornell University com uma paixão pela música metal. Usando vídeos de shows postados no Youtube, Jesse criou um modelo de computador que rastreia com precisão os movimentos do público no palco. Existem os passivos, que ficam de braços cruzados mesmo no caso de um confronto com os dançarinos, e os ativos, que estão proativamente procurando alguém para esbarrar: isto é pogo.

Quando os ativos são maioria, a multidão começa a agir como um gás, com as moléculas colidindo aleatoriamente umas com as outras. Mas quando dois ou mais começam a se mover na mesma direção, vórtices humanos reais são criados, sobrecarregando todos que encontram com consequências potencialmente perigosas. Obviamente, explicam os pesquisadores, o modelo simplifica muito o comportamento humano, mas evoluiu o suficiente para explicar o que pode acontecer.

READ  Porque você tem que esperar a opinião do médico para fazer um cotonete se você estiver em contato positivo

(dis) O fator humano. Outros estudos, como os de Dinesh Manchwa A Universidade de Maryland inclui fatores psicológicos junto com fatores mecânicos e calcula um limite de segurança de 4 pessoas por metro quadrado. Em tal intensidade, explica Manchua, os comportamentos individuais assumem um papel essencial: pessoas agressivas, que começam a empurrar ou gritar, podem ser a centelha que causa o pânico. Com consequências trágicas imagináveis.