Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Do DNA à Internet, ciência concedida a menores de 35 anos – Prêmio Pesquisa e Fundação جائزة

Eles são pequenos, mas determinados. Eles vivem no presente, mas olham para o futuro. Graças à sua curiosidade e paixão pela ciência, eles podem imaginar o que ainda não existe para melhorar a vida das pessoas e a saúde do planeta. Aqui está a identidade das seis pesquisadoras com menos de 35 anos que ganharam a 19ª edição italiana do Prêmio L’Oreal-Unesco para a Mulher e a Ciência: especialistas em física, medicina e biologia que contarão com uma bolsa de € 20.000 cada para realizar suas pesquisas na Itália.

Lá está Natalia Bruno, apaixonada por física desde criança, hoje trabalha na Cnr e quer contribuir com a criação da rede do futuro, a Internet quântica.

Depois, há Livia Archiboggi, gastroenterologista do IRCSS San Raffaele em Milão, que pretende estudar os mecanismos moleculares do câncer de pâncreas para encontrar tratamentos cada vez mais personalizados. Elisa Pellegrini trabalha na Universidade de Udine, onde lidará com as interações planta-solo em ambientes costeiros para preservá-los das mudanças climáticas.

Letizia Di Chiara, da Universidade de Florença, usará a bolsa para investigar os mecanismos que levam às verdadeiras doenças crônicas. Ornella Juliana Piccinni, do Instituto Nacional de Física Nuclear (Infn), faz parte da grande colaboração internacional Virgo e, graças ao prêmio, tentará lançar luz sobre as ondas gravitacionais emitidas por jovens estrelas de nêutrons chamadas magnetares.

Por fim, Lorena Baranda Pellejero, da Universidade de Roma-Tor Vergata, que, graças ao financiamento, estudará como usar o DNA sintético para construir sensores que detectam sinais de doenças.

Para selecionar seus perfis, entre mais de 300 candidatas, um júri de especialistas foi liderado por uma feminista pioneira: Lucia Futano, Diretora de Pesquisa do Instituto Nacional de Física Nuclear (Infn) e a primeira mulher a dirigir os Laboratórios Nacionais Gran Sasso . Ela foi acompanhada pela Ministra da Universidade e Pesquisa Maria Cristina Mesa e pela Ministra da Igualdade de Oportunidades e Família, Elena Bonetti, na cerimônia virtual de premiação, que, em seus discursos, destacaram o tremendo trabalho que precisa ser feito para superar o gênero. Uma lacuna no mundo acadêmico e científico.

READ  A prevenção começou nas “I Quintas-feiras de Medicina” com Luigi Cavanna, oncologista

“Os dados – o bloco nos lembra – dizem que não melhoramos muito nos últimos anos: as mulheres na universidade representam 55% dos matriculados e nos cursos STEM (aqueles com maior crescimento do emprego) param em 37%. As meninas ganham suas qualificações em menos tempo e com pontuações mais altas do que os meninos., mas, apesar disso, o reconhecimento no mundo do trabalho está atrasado e sempre com um nível de salário mais baixo.

A desigualdade no tratamento é uma das razões pelas quais muitas mulheres abandonam precocemente suas carreiras científicas, explicou o biólogo Enrico Pucci, da Temple University, na Filadélfia. Para remediar esta situação, o ministro Bonetti explica, “devemos mudar as regras do jogo e promover ações positivas para que as meninas se tornem líderes e contribuam cada vez mais com suas habilidades para o mundo da pesquisa”.