Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Descalzi (Eni) e Starace (Enel) com Cingolani: “Precisamos de um teto no preço do gás”

“Estamos em uma economia de guerra, não estamos mais em uma economia de mercado. As regras da paz, onde alguns operadores holandeses enriquecem com os preços do gás, não são mais boas.” Essas são as palavras do ministro da Transformação Ambiental, Roberto Singolani, sobre o teto europeu do preço do gás, uma medida que muitos acreditam ser fundamental para sair da energia crise, cujos efeitos estão afetando toda a cadeia de preços, que afeta a inflação. O gás enlouqueceu, empresas e famílias não podem fazê-lo. Vamos nos perguntar como funciona esse livre mercado. Precisamos pensar, precisamos controlar Propusemos um “teto de preços europeu” para baixar os preços de pico do gás”, disse o ministro. Cingolani falou na conferência da Lega em Roma, da qual o CEO da Enel também falou Francesco Staras: “Este aumento das contas é consequência do aumento dos preços do gás, e está destinado a permanecer até que façamos o que dissemos há algum tempo, e este Ministro Cingolani disse que é a vontade do governo italiano: um teto para flutuações sem que a causa do gás esteja na Europa.” O CEO da Eni também compartilha da mesma opinião Claudio DescalziTemos de estabelecer um limite máximo europeu para o preço do gás. pode ser realizado. Se estabelecermos um “teto”, todos os que têm o gasoduto devem enviar o gás a esse preço, que de qualquer forma será muito superior ao preço de produção. Mas isso tem que ser feito a nível europeu.”

O contrato com a Gazprom e os novos países fornecedores

Para Descalzi, administrar a outra grande questão, contando com a Rússia, em pouco tempo “não será fácil”: “Temos contrato com a Gazprom até 2036. Se não houver sanções europeias, não podemos rescindir este contrato, pagaremos penas muito pesadas”. Mas a Eni está a trabalhar para diversificar as suas fontes de abastecimento, explicou Descalzi: “O gás vem da Argélia, Líbia, Rússia e GNL. A prioridade é atingir a capacidade máxima de armazenamento, a fim de manter preços adequados para a indústria e a população no próximo inverno.” “Estamos trabalhando para substituir o gás russo”, acrescentou Descalzi. Eventualmente estaremos substituindo um gás não italiano, que é o gás Eni. Aos que dizem vir de países inseguros, digo que trabalhamos nesses países há 70 anos, investindo lá. Esse gás é em parte nosso, somos o maior produtor da África. Temos duas linhas com Argélia e Líbia, e temos reservas no Egito, Nigéria, Angola, Congo e, sobretudo, Moçambique.”

READ  Motor da semana da semana: o Banco Central Europeu no centro das atenções

Sim na superfície para Espanha e Portugal, mas não para o resto da UE

Durante semanas na Europa, a possibilidade de um teto para o preço do gás foi discutida, mas o pedido de Mario Draghi até agora encontrou resistência dos países nórdicos, que temem repercussões da Rússia, que continua sendo o maior fornecedor do bloco. Os dois únicos países que foram autorizados a fixar um preço máximo de compra do gás são Espanha e Portugal, devido à sua dependência relativamente baixa e à baixa interligação da rede energética da Península Ibérica com o resto da União.

Leia também: