Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Da gasolina às rodovias, 2023 começa com alta de preços – A Economia

Os preços estão aumentando no horizonte com o início de 2023, especialmente para os motoristas. O primeiro aumento é, de fato, o aumento do preço do combustível, que há nove meses desfruta de uma redução dos impostos especiais de consumo decidida primeiro pelo governo Draghi e depois também parcialmente confirmada pelo executivo Meloni. A tendência é não estender o desconto, o que leva a um aumento automático das tabelas de preços a partir de 1º de janeiro. A redução foi aplicada pela primeira vez em março deste ano com a aprovação do Decreto bis Ucrânia. Tanto na gasolina quanto no diesel, o corte totalizou 30,5 centavos, pelo menos até dezembro deste ano, quando foi prorrogado pelo decreto quádruplo de Aiuti até o dia 31, mas caiu para 18,3 centavos. Enquanto isso, os preços caíram, o que também gerou receitas adicionais que permitiram ao governo reduzir os impostos especiais de consumo (e, portanto, o imposto sobre valor agregado que é cobrado adicionalmente). Hoje, de acordo com os últimos inquéritos semanais realizados pelo Ministério do Ambiente, o preço médio nacional do combustível verde é de 1,625 euros por litro, ou seja, o valor mais baixo desde junho de 2021. Já o gasóleo atingiu os 1,689 euros, ou seja, o valor mais baixo de sempre. Um tempo. Menos de um ano, para ser preciso, a partir de 31 de janeiro de 2022. Em ambos os casos, em níveis muito inferiores aos alcançados após a eclosão da guerra entre Kyiv e Moscou.

No entanto, também há pedágios em risco. Tradicionalmente, no início de cada ano, as tarifas são atualizadas, mas há quatro anos, após o desabamento da Ponte Morandi, elas permanecem congeladas. Em 2023 poderá regressar aos aumentos, pela primeira vez desde 2018. Os franqueados apresentaram os seus pedidos de reconfiguração, que estão neste momento a ser analisados ​​pelo Ministério dos Transportes e pelo Ministério da Economia e que devem ter em conta os investimentos realizados. Em cima da mesa estão os planos económicos e financeiros das várias empresas que, segundo explicou Eskat, se encontram “em várias fases de aprovação”. A Autostrade per l’Italia pediu um aumento de 2%, outros franqueadores pediram porcentagens mais altas, mas no geral, segundo a associação, os aumentos médios de taxas propostos pelos franqueados são “significativamente menores do que os já concedidos em outros países europeus”. Tem sistemas de licenciamento e regulatórios semelhantes”, como a França, com um aumento de 4,7%, e a Espanha, +4%. Além das contas, as atualizações podem ser inconsistentes. Para a eletricidade, a Autoridade Energética acaba de reportar uma queda providencial de mais de 19% no primeiro trimestre do ano, mas para o gás a tendência pode ser inversa. Enquanto aguarda a conexão da Arera no início de janeiro, a Nomisma estima um aumento mensal de 20% devido à tendência dos preços internacionais no início de dezembro. O recuo ocorrido nos últimos dias, na sequência da decisão de Bruxelas sobre o preço máximo, deverá de facto concretizar-se, segundo a análise do centro de estudos, a partir de fevereiro. De acordo com a ordem do Conselho de Estado sobre mudanças unilaterais nos contratos, a Portaria de Millebrughe também deixou claro que seriam possíveis mudanças durante o reabastecimento de suprimentos. Após a proibição do decreto Aiuti bis, para quem tem contrato vencido, podem chegar aumentos nos custos de luz e gás, que continuam proibidos até junho de 2023 para todos os que têm contrato vigente. O Conselho de Estado havia se pronunciado após o recurso de Irene contra as medidas cautelares antitruste, hoje confirmadas “parcialmente”, com moratória sobre mudanças unilaterais nas condições econômicas.

READ  Regaseificação, Itália tardia: Existem apenas três usinas de conversão de metano