Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Crise climática, seis jovens processam estados: “Violam os direitos humanos”.  Julgamento em Estrasburgo

Crise climática, seis jovens processam estados: “Violam os direitos humanos”. Julgamento em Estrasburgo

27 estados membros da União Europeia iniciaram um julgamento acusando-os de violar os direitos humanos. Seis jovens portugueses denunciaram a inacção do governo no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Se tiverem sucesso, os estados serão forçados a reduzir as emissões

A “preocupação ambiental” os levou a lugares que nunca imaginaram. Eles tinham idades entre 5 e 18 anos e iniciaram ações legais contra 32 países por ações climáticas.

Anúncio

Seis anos depois, a 27 de setembro de 2023, Sofia, o seu irmão André e quatro jovens portugueses, agora com idades entre 11 e 24 anos, começarão a defender a primeira queixa sobre alterações climáticas no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, em Estrasburgo.

Um processo pioneiro num ano de muitos recordes ligados ao aquecimento global. O caso foi originalmente aberto em 2017 contra todos os 27 estados membros da UE, bem como Noruega, Rússia, Suíça, Turquia, Reino Unido e Ucrânia. Na verdade, estes países são os principais contribuintes para as emissões de gases com efeito de estufa na Europa. Após a invasão da Ucrânia pela Rússia, os jovens demandantes desistiram do processo contra a Ucrânia.

O caso será ouvido por 17 juízes da Grande Secção do Tribunal de Justiça Europeu, que trata apenas de uma minoria dos casos mais importantes: atualmente 22 dos mais de 72 mil casos.
Segundo os jovens, a inação do governo é uma violação dos direitos humanos.

André Santos Oliveira tem 15 anos e está muito preocupado com os efeitos das alterações climáticas: “Portugal tem muitas ondas de calor e secas severas, por vezes podem ser fatais. Outro direito importante, não sublinhado pela maioria, está em risco devido à crise climática: a vida privada. “Por exemplo, quero ficar no meu quarto para estudar ou dormir, mas está muito calor, é difícil. Quero sair para fazer algumas atividades ao ar livre, andar de bicicleta, jogar basquete, mas está muito calor. explica.

READ  Lazio sobre André Silva do Leipzig: avaliações sobre o ex-Milan. Notícias do mercado de câmbio

Uma causa antecedente

O referido grupo não pede dinheiro Mas os governos estão a mudar as suas políticas climáticas. A pressão de que a crise climática está a piorar está a levá-los a pilhas de documentos legais. Evidências que agora podem ver em primeira mão. A Praia do Norte, na Costa de Cabarica, perto de onde vivem Sofia e André, a sul da capital portuguesa, Lisboa, tinha um quilómetro de extensão para o pai na sua idade, diz André. Agora o nível do mar subiu para apenas 300 metros.

Os outros quatro membros do grupo português – Caterina, Cláudia, Martim e Mariana – vivem na região de Leiria, centro de Portugal, onde os incêndios de verão são frequentes. Segundo os cientistas, O processo de desertificação está a agravar-se Na região do Mediterrâneo e nos países do sul da Europa, como Portugal, as temperaturas médias estão a aumentar e a precipitação está a diminuir.

A irmã de André, Sofia, uma estudante de 18 anos, diz-se frustrada com a inacção dos governos, dizendo que “é uma preocupação secundária em vez de uma prioridade. Proteger o planeta é tão importante como proteger a economia. Tudo está interligado”.

grupo A ONG “Global Legal Action Network” está ajudando Uma organização internacional sem fins lucrativos que luta contra as violações dos direitos humanos.

O veredicto terá que esperar até 18 meses, mas só se o jovem ganhar o caso Os governos serão forçados a encontrar soluções mais eficazes Contra o aquecimento global e o agravamento da crise climática, incluindo a redução das emissões de poluentes.