Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Covid, o certificado de isenção de vacina chega para aqueles com doenças completas



Quem possui o certificado deve continuar mantendo medidas preventivas

“As pessoas isentas de vacinação – conforme indicado – devem ser devidamente informadas sobre a necessidade de dar continuidade às medidas de prevenção”, como uso de máscaras, distanciamento social e evitação de aglomerações.

Válido até 30 de setembro, salvo indicação em contrário

As isenções entrarão em vigor até 30 de setembro, salvo indicação em contrário. “Os certificados de isenção de vacinação da Covid – lê-se na publicação – podem ser emitidos em papel e podem ter validade máxima até 30 de setembro de 2021, a menos que outras condições sejam definidas.” O prazo de validade será atualizado, “com base nas avaliações clínicas, quando for lançado o próprio sistema nacional da versão digital para permitir a verificação digital”. Temporariamente e até 30 de setembro, são válidos os certificados de exclusão de vacinação já emitidos pelos serviços regionais de saúde.

Quem pode pedir?

Um indicador importante para todos aqueles que experimentaram algum problema de saúde entre a primeira e a segunda dose, como uma reação alérgica aos componentes da vacina ou que tiveram opinião negativa do médico devido a doenças anteriores, bem como para todos os “eu sou Pacientes raros e crônicos que, devido às suas doenças, não têm possibilidade de obter a vacinação ”. Nem todas essas pessoas tiveram a oportunidade de se candidatar à via verde e em poucos dias seriam excluídas de vários espaços internos: piscinas, academias, restaurantes, bares, teatros, cinemas. Na verdade, apenas hoje, o Observatório de Doenças Raras alertou que muitas perguntas seriam feitas ao seu escritório jurídico.

Caso Rethira Atualmente, 1.000 voluntários que não foram imunizados foram excluídos do ensaio da vacina Reithera. Mas também para eles, agora em muito pouco tempo, são esperadas as indicações do Ministério da Saúde, e a resposta, na verdade, tem que vir com outra condição costumeira. Para estes, outras dificuldades referem-se ao fato de que no grupo experimental também existem voluntários que receberam o placebo e não a vacina. Entre eles está também o empresário Ricardo Illi. Apesar de ter concluído o curso, afirmou em entrevista ao Corriere della SeraEle não pode obter o certificado verde de que precisa para trabalhar. O ex-presidente da Friuli Venezia Giulia explica que a descoberta do problema ocorreu “quando eu e minha esposa o solicitamos recentemente. É estranho que na mesma época eu recebesse uma carta da região me convidando para ser vacinado”. “Sabíamos que se comportar como ‘cobaias’ poderia levar a certas situações, diz Eli – mas ficamos desapontados e frustrados com a atitude do governo em relação à ReiThera da Itália: ela desenvolveu uma vacina que era eficaz e com poucas contra-indicações, mas não conseguiu obtê-la financiamento público.

READ  Pro Vercelli, Bienal de Ciências. Mas ele deve primeiro renunciar