Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A América Latina pode se tornar um líder mundial em ciência aberta não comercial

Para enfrentar os desafios que o próximo século nos traz, das pandemias às mudanças climáticas, entre a automação e o big data, a ciência deve estar aberta a todos. Os cidadãos devem ter o mesmo acesso à informação que os pesquisadores, e os cientistas devem ser capazes de acessar bancos de dados interconectados de alta qualidade para nos ajudar a compreender melhor o mundo ao nosso redor.

Esses princípios estão entre aqueles que orientam movimento de bandeira aberta. Sustentabilidade e inclusão são essenciais para a ciência aberta. Pode ser incentivado por meio da implementação conjunta de práticas, infraestruturas e modelos de financiamento que garantam a participação igualitária de acadêmicos de instituições e países desfavorecidos na busca pelo progresso e aprofundamento do conhecimento.

Precisamos ter certeza de que os benefícios da ciência são compartilhados, sem restrições, entre os cientistas e o público em geral. Uma maneira de fazer isso é criar sistemas nacionais de ciência para compartilhar e melhorar o conhecimento em vários campos.

Criação do CRIS na Europa

Um dos principais obstáculos para a ciência aberta é a falta de integração com bancos de dados existentes (de bibliotecas públicas a arquivos de dados governamentais e arquivos universitários) que foram criados em momentos diferentes, usando ferramentas diferentes, e que não se comunicam entre si.

Portanto, muitos arquivos institucionais, enriquecidos ao longo das gerações graças aos esforços dos cartórios, não estão vinculados às bases de dados das instituições de ensino. Não inclui palavras-chave ou links permanentes para metadados, que são necessários para o compartilhamento de conhecimento. Nos últimos anos, tornou-se mais urgente a criação de sistemas nacionais de informação capazes de coletar informações para pesquisadores, instituições, arquivos, bancos de dados abertos, projetos de pesquisa e cientistas amadores.

READ  Como a União Europeia investe na ciência
abre-te Sésamo.
Sergey Nevins

Na década de 1990, para atender a essa demanda, a Europa desenvolveu um sistema de informação de pesquisa, “CRIS” (por Sistema de informação de pesquisa atual), inicialmente divulgado no nível institucional nas universidades. a’Organização Europeia para Sistemas de Informação de Pesquisa (EuroCRIS) Em 2002, abriu caminho para outros sistemas semelhantes Realizado em outras partes do mundo.

Exemplo para a América Latina

A América Latina tem uma longa história de uso de catálogos e data warehouses para desenvolvimento. Desde a década de 1960, surgiram registros bibliográficos, conjuntos de dados e catálogos regionais, operados por grandes universidades públicas e instituições regionais.

Na década de 1990, novos diretórios e bancos de dados foram criados, as futuras bases de uma infraestrutura robusta que promove o acesso gratuito às descobertas científicas. Com o lançamento de bases de dados para revistas científicas de acesso aberto Índice LatinoNS SciELO NS RedalycA digitalização de periódicos acadêmicos acelerou e a pesquisa publicada se beneficiou de uma nova garantia de abertura. Com forte participação do público, esses bancos de dados serviram como trampolim para o desenvolvimento do sistema de acesso aberto não comercial que tornou a região popular hoje.

A América Latina está mais bem equipada do que nunca para criar uma infraestrutura científica aberta que dependa desses recursos. Prova com dois exemplos eloqüentes.

No Brasil, o sistema preço Nascido da cooperaçãoInstituto Brasileiro de Ciência e Tecnologia Com muitos grandes órgãos públicos. O Brasil é um país grande, com uma rede profissional de ciência e tecnologia com diversos bancos de dados em todo o país, o que torna a integração particularmente complexa. a Portal de dados abertoPlataforma de currículo plataforma de leite Líder do grupo de pesquisa CNPQ Esses são dois exemplos típicos. O BrCris foi desenvolvido para integrar esses grandes bancos de dados, mas também para oferecer uma infraestrutura científica aberta compatível com eles. Uma rede consolidada de arquivos institucionais de publicações científicas, uma rede de bancos de dados que coleta resultados científicos para dez países latino-americanos. Outra meta do programa BrCris é divulgar dados brasileiros do resto do mundo.

READ  Caindo no canteiro de obras da academia Uboldo, perdendo processo contra o município
O Brasil colocou todo o conhecimento científico do país à disposição dos pesquisadores.
Nido Hubble / Shutterstock

O segundo exemplo é aquele PerúCRIS. um programa, que nasceu após a adoção da Lei de Liberdade de Acesso à Informação, no Peru, em 2013. Foi incorporada desde então Três plataformas de informação científica : Diretório de Pesquisadores, Diretório Nacional de Instituições e Rede Nacional de Banco de Dados. Esta nova plataforma também lista todas as teses e dissertações de alunos. O PerúCRIS agora inclui cinco diretórios dedicados a recursos humanos, produção científica, projetos, instituições e infraestrutura, que visam a sociedade como um todo, fora da comunidade científica. Essa plataforma permite que o público descubra novas tecnologias, participe de programas de ciência cidadã ou gere ideias de investimento inovadoras.

Se projetos-piloto de sistemas de informação de pesquisa na América Latina são implementados em nível nacional e não institucional, é por causa dos mecanismos de financiamento. A maioria das universidades da região envolvidas em pesquisa científica e tecnológica são universidades públicas e contribuem para os sistemas de informação nacionais. Contando com recursos públicos, essas organizações não dispõem de meios para custear o CRIS em nível institucional, muito menos adquirir esse tipo de instrumento de grandes empresas que prestam esse tipo de serviço.

Mas este não é um ponto fraco. software de acesso aberto, como dSPACE, na qual se baseia a plataforma peruana, garante que a informação científica permaneça no domínio público, cumprindo assim a promessa da ciência aberta.

Novas maneiras de colaborar

Os exemplos do Brasil e do Peru mostram que um sistema nacional de informação de pesquisa pode contribuir para uma integração real de todas as plataformas e organizações científicas existentes no nível de um país ou mesmo de uma região. Esses bancos de dados podem ser usados ​​para avaliar o trabalho de pesquisa por meio de listas abrangentes de pesquisadores, instituições, produtos e projetos disponíveis em um determinado país.

READ  Alerte as espinhas porque nesses pontos pode ser um sinal de um tumor fatal

As bases de dados CRIS criadas na América Latina darão visibilidade a uma variedade de publicações e perfis de pesquisadores, ao mesmo tempo em que promoverão novas formas de colaboração científica, principalmente quando não se alinham ao mainstream valorizado pela comunidade acadêmica.

Essa abordagem abre caminho para uma ciência mais abrangente e socialmente relevante, participando ativamente do diálogo entre a ciência aberta e o resto do mundo.



O movimento da ciência aberta originou-se na comunidade científica e rapidamente se espalhou por todas as nações, clamando pela abertura das portas para o conhecimento. Investidores, empresários, formuladores de políticas e cidadãos estão vinculados ao apelo. A UNESCO é uma ferramenta regulatória e promove marcos de políticas para a ciência aberta em seus estados membros.


Este artigo faz parte da série “Grandes Histórias da Ciência para Todos”, publicada com o apoio do Ministério do Ensino Superior, Pesquisa e Inovação. Para mais informações visite a página Ouvrirlascience.fr.


Traduzido do inglês por Valeria McCogon para avançar rápido