Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Bologna-Inter, é um amarelo ‘distinto’: há risco de nocaute na mesa para rossoblù?

Emilians, que foi banido pela ASL, apresenta o documento que o árbitro vê. Agora a bola vai para o juiz de esportes

Poderia ser um excelente título para um livro: “Yellow the Bill”. Sim, porque o banimento imposto pela ASL não chega, a equipe alinhou em campo sem adversários, as inevitáveis ​​filas de polêmica que nos acompanharão nas próximas semanas. Ontem, em Bolonha, aconteceu outra coisa, um “boletim de jogo” do Rossoblo FC ou o documento oficial do jogo entregue ao árbitro. É uma anomalia processual, uma falta de forma: as definições se perdem, na verdade são únicas, porque nenhuma outra equipe não apareceu ontem em campo por causa do bloco ASL – Salernitana e Torino, por exemplo – fizeram o mesmo.

os fatos

O projeto de lei de Bolonha, um documento que os clubes vêm coletando online há algum tempo na área de extranet da liga, foi carregado pelos dirigentes de Rossoblo na noite anterior. Uma espécie de “draft”, que tinha de ser revisto no dia do jogo em caso de conflito no jogo. O caos na véspera da partida – com o hiato imposto pelo Als se tornando oficial logo após as 21h de quarta-feira – causou “esquecimento”. A lista não foi retirada pelos dirigentes do Bologna, tanto que se tornou oficial, e acabou nas mãos do árbitro e do Inter. Airoldi, o diretor da partida designado para a partida, pediu a Bologna um relato do documento. Para Rossoblo em campo, havia o CEO. Claudio Vinucci, Chefe de Coordenação Marco Di Vaio e Secretário Luca Bivani, que explicaria ao árbitro como um documento carregado na Internet deve ser considerado apenas e, de fato, um rascunho. A falha do modelo será avaliada pelo juiz esportivo: em tese, “apresentar” um projeto de lei e depois não estar fisicamente presente no palco resulta em 0-3 na mesa. É razoável acreditar que essa disputa regulatória pode se transformar em uma batalha judicial prolongada. As duas empresas não comentam oficialmente. Mas as posições são claramente opostas. Do lado dos nerazzurri, é surpresa encontrar um documento oficial compilado por uma equipe que pediu à liga o adiamento do jogo nos últimos dias. Por outro lado, referindo-se ao lado do Bolonha, foi enfatizado que a apresentação de um “anteprojeto” do projeto de lei é mais uma prova de que o clube teria gostado de jogar, mas então não poderia devido à suspensão do ASL.

READ  Jorge Costa: "Vou falar-vos de Mourinho e da Conceição"

o juiz

Como o juiz esportivo vai decidir hoje? Para entender se a conta de status resultará em 0-3 instantâneo. Ou, ao contrário, Bolonha faria bem em se sentir segura. Em qualquer caso, os tempos de justiça não serão curtos. Sobre a questão do bloco ASL, Bolonha – mas isso também se aplica a Torino, Salernitana e Udinese – tem 24 horas para um pré-recurso e mais três dias para um recurso real antes da decisão do juiz desportivo. Dado esse tempo, é difícil imaginar que hoje possamos realmente chegar à definição de um resultado sobre a mesa. É mais fácil pensar que podemos demorar, assim como aconteceu com Salernitana-Udinese no último dia 22 de dezembro, partida que ainda hoje está sob julgamento.

Caso Calhanoglu

No front do Inter, é claro como a história afetou a forma como Calhanoglu aproveitou a partida de domingo contra a Lazio. O motivo foi rapidamente explicado: se o juiz chegasse hoje 0-3, o meio-campista turco seria considerado à disposição de Inzaghi, pois na verdade parecia que a partida do Dall’Ara havia sido disputada com regularidade e, consequentemente, a desclassificação do turco foi concedido. Por outro lado, no caso de uma partida perante o judiciário, Calhanoglu será considerado fora do caso Lazio, nos termos do artigo 21 da Lei de Justiça Desportiva. Ribus dentro de Ribus.